19 março 2010

Limpando a sujeira do umbigo

Hoje acordei com a ligeira impressão de que nunca serei. É, eu nunca serei nada. Eu sempre estarei algo. E sabe, você também.
Não sei bem o que estou dizendo, mas acho que não somos seres definidos ou definitivos. Somos algo que não sabemos bem o que é, mas sabemos que é complexo, misterioso e instigante talvez por esses motivos. Definitivo é algo que a gente não é mesmo, mesmo que a gente se esforce ao máximo. Hoje você acorda sendo conformado e desistente de lutar por sua vida, amanhã você acorda com uma força descomunal, com uma fome sobrenatural de guerrear por você e por seus ideiais; hoje você gosta de rock, amanhã você prefere bossa nova; hoje você quer comer sushi, amanhã você prefere uma feijoada.
Somos seres indefinidos e mutáveis. Somos um mistério a nós mesmos, e muito mais a quem nos vê, quem busca nos conhecer e mergulhar em nossa alma.
Às vezes eu fico pensando: "Que estranha a vida! Por que ela é essa coisa tão grande, tão cheia de disponibilidades, mas que chega a aterrorizar justamente por ser imensa e por ter essa capacidade tremenda de nos meter medo e nos confundir tanto?"
Viver é complicado? O ser humano é complicado? O que é simples? O que é complicado? O que se pode querer do tempo? O que se pode querer de si mesmo? Procurar respostas é quebrar o encantamento da vida? Será que viver excede respostas? O sentido é viver, mesmo sem saber porquê?
Eu não sei, mas acho que não alcanço a vida. Eu sou uma viva perdida, quase morta, que não sei bem o meu espaço, a minha função e temo o futuro. Mas não é um temor que prende a respiração, que causa um tremor em minhas pernas. É um temor que me traz um frio leve ao coração, um desconforto calmo, uma leve pressão na cabeça.
Não sei bem o que estou escrevendo, dizendo, enfim... Porém a vida é algo pesado demais para os meus ombros, mesmo que eles sejam fortes e belos. A vida é tão pesada, mas não é um peso ruim. Quero dizer, é um pacote recheado de delícias, de cores bonitas, mas que eu não tenho tato para manusear tais coisas. Temo magoá-las, quebrá-las ou própria quebrar-me e ferir-me. O bom, se usado em demasia, pode ser prejudicial também. Sempre temi as feridas e as lágrimas, por isso me privo tanto da vida. Mas a vida pesa... E eu queria conhecer todo essa bagagem, desarrumar todas essas coisas e viver.
Ah! Hoje eu só queria falar muitas coisas sem falar nada concreto, correto ou lógico.
Só queria ser incoerente diante de um público que me ouviria calado, sem aplausos e acenos carismáticos.
Só queria ser incoerente a sociedade e coerente a mim mesma. Porque eu me importo comigo e minhas teorias baseadas no pulsar do meu coração.
A sociedade se importa com ela mesma, com a sujeira do seu próprio umbigo.
Hoje eu limpei o meu umbigo. Hoje fui coerente comigo.

(Erica Ferro)



P.s: Se antes eu tinha medo de expor minha loucura, minhas lamúrias, hoje não tenho mais. O Sacudindo Palavras é isso, é o meu sacudir de letras, de ideias loucas, de ideias minhas. Acima de tudo, o que escrevo faz sentido para mim. Quando faz sentido para outro alguém, é algo mágico e muito bonito. Mas não é a ideia principal. A ideia principal é despejar o que eu estou sentido, pensando e deveneando.
A postagem de hoje foi um devaneio, só mais um dos tantos que eu costumo ter e discutir comigo mesma. Acho que conversar sozinha não é tão ruim assim, é conhecer a si mesmo, é estreitar ainda mais o laço com você mesmo. O risco que se corre ao fazer isso é apenas te chamarem de louco ou de fato você enlouquecer. Risco bobo!
A lucidez é algo cansativo. Enlouqueçamos todos!
(...)
Propagandas:
1º Quem me lê, também lê Pensamentos Devaneantes.
2º Amanhã estarei no Divã Cor de Rosa, me leiam por lá.
(...)
Bom fim de semana!
Aquele abraço da Erica Ferro.

23 comentários:

  1. Gostei da sacudidela. Devaneios me deixam feliz. Que bom que perdeu o medo de expor "sua loucura". Quando isso acontece - quase certo - é que encontrou a si mesma.

    Adorei isso aqui, e vou lendo aos poucos pra conhecer tuas letras melhor.

    Um beijo pra você

    ResponderExcluir
  2. ui, eu que mais que devaneio, isso é desabafo tens toda a razão em finalizar dizendo que "as pessoas não cuidam do seu próprio umbigo".

    ResponderExcluir
  3. Adorei o desabafo...

    Ás vezes o caminho é longo, a vida pesa, os sonhos se tornam pesadelos!!

    Mas existe uma força gigante dentro do seu peito que grita por esperança, agarre-a e sinta que a brisa leve pode tocar seu rosto!!!!

    Um beijo

    ResponderExcluir
  4. Como assim não alcança a Vida, mulher? Ela já faz parte de ti desde sempre. Há de ter olhos, alma e coração para perceber. E voce os têm em demasia.

    Será medo?

    Medo de experimentar e sofrer? - vai sofrer mesmo se não experimentar, a vida nos cobra a falta de experiencias.

    Medo de quebrar corações? (o seu também, quem sabe?) - independente da sua vontade muitos se quebrarão. O seu também. Mais de uma vez. Muito mais.

    Sim, sim, sim, somos mutáveis em nossos desejos e opções, mas não em nosso caráter. E isso voce tem de sobra.

    A Vida não é pesada por si só, Érica. Nós a tornamos assim. Por cobranças que nos fazemos, por sonhos que não realizamos, por MEDO de se jogar de frente e abraçar a Vida como ela se oferece a nós: uma tela em branco para escrevermos a mais bela história.
    Do jeito que der.

    Beijo pra ti, adorei essa postagem!

    =)

    ResponderExcluir
  5. Menina você escreve tão bem
    gosot de te ler viu


    abraço

    ResponderExcluir
  6. Menina desde ontém tento comentar aqui mais o firefox não abria seu blog,então hj pedir outro navegador e foi...
    Adorei o texto,as vezez eu tb fico assim discutindo comigo mesma.

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  7. Hum... é verdade... damos atenção a tantas coisas, a tantas pessoas todos os dias... por que não dar atenção a nós mesmo e dar símbolos e estabelecer significados para as nossas percepções?

    hum... eu achei o texto bem lógico. Só não fez uso de termos técnicos.

    :P

    ResponderExcluir
  8. Mas textos assim fazem um enorme bem a nossa alma. Digo, quando despejamos tudo o que estamos sentindo... mesmo que chegue a ser imaturo e óbvio, ainda assim é recompensador, por nos aliviar - até certo ponto. Acho que essas preocupações são dissolvidas com o tempo. As coisas vão acontecer em sua vida, você querendo ou não elas acontecem. E quando acontecerem, você irá perceber suas angústias anteriores e rir.

    ResponderExcluir
  9. Oi Érica!

    As suas palavras podem até nem dizer o que o seu coração sente, mas fazem sentir o que o seu coração diz. Me ensina?

    :)

    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. O questionamento é uma das coisas mais mágicas que Deus deus aos seres humanos. Eu olho para esse texto e me sinto uma pessoa confortada em saber que ainda existem pessoas que o sabem usar tão bem. Fez muito mais que questionar a vida com essas perguntas, você vai além, através de algumas linhas de texto, do que qualquer outro ser humano já tenha sonhado ir. Cada sílaba desse texto muito me agradou, mas em especial estas... "A vida é tão pesada, mas não é um peso ruim. [...] um pacote recheado de delícias, de cores bonitas..." É isso que temos que entender dela, nada mais.

    -- -- --

    Aah... vindo de você aquele comentário até me senti mais confiante quando ao resultado, mas, certo é que o nível dessa competição está altíssimo e teremos uma boa disputa pelo pódium. Obrigado mais uma vez por seu carinho e atenção... mesmo vendo apenas em pixels e palavras, pode contar comigo sempre. Estarei à alguns cliques de distância. ( ;

    O meu beijo.

    ResponderExcluir
  11. Ah, Erica...hehe

    eu falo sozinha, invento diálogos, treino língua extrangeira. E sou coerente comigo, mas nunca olho para o meu umbigo... eu gosto de ver paisagens!!!

    Beijo, queridona!!!

    ResponderExcluir
  12. que talento para as palavras!beijo e obrigada pela sempre presença no meu blog*

    ResponderExcluir
  13. Uia, devagou legal.

    Quando crescer quero escrever um texto assim, como vc. rss

    Otimo fds Erica

    bjao

    ResponderExcluir
  14. Nosso blog é nosso, um lugar pra gente expor ideias, opniões, devaneios. Se não pudermos fazer isso em nosso próprio cantinho, aonde mais?
    E fiquei aqui pensando na vida, as coisas fazem tanto sentido e ao mesmo tempo não fazem sentido nenhum.
    Belo texto!

    ResponderExcluir
  15. Que lindo tá aqui!!!!!!!!! Mara o post! *-*

    Bjs!

    ResponderExcluir
  16. Concordo plenamente contigo, Érica, que a vida é tão grande, mas tão grande, que certamente não iremos viver tudo que desejaríamos...

    As sensações são de infinitude, e por isso o desejo e medo de não alcançar.

    Então, volto ao início, e lembro: sou limitada, porém tb sou ilimitada!

    Viverei o que der, o que não der, paciência!

    E confesso a vc que a minha "loucura" maior, desde jovem, é que eu gostaria muito de estar em vários lugares ao mesmo tempo...rsrs

    Um excelente post! Amei.É sua essência.

    Beijos,
    não parece, mas sou meio como vc...

    ResponderExcluir
  17. Primeiramente, amei mais uma vez sua postágem! HAHAHAHA Cada vez mais fico impressionado de como adoro ser seu blog. rsrsr Segundo: creio que meus dois recadinhos explicativos não passaram despercebidos pelos seus olhos de águia, mas, se passaram, da uma passada la no meu blog e olha o textozinho que eu escrevi em "Leitores desenformados! Atenção!" Desde já deixo claro que não, você não é uma desatenta, pelo contrário, mas eu prefiro explicar do que ser confundido futuramente! O texto vale para todos. e Terceito: obrigado pelos recadinhos carinhosos!

    ResponderExcluir
  18. Sim, agora vou responder ao seu post(Eu = Bruno). Adorei saber que gostas dos meus posts e AMEI saber que não sou o único a ficar devaneando pelos meus pensamentos! HAHAHA Estamos juntos nessa, eu acho! HAHAHAHA

    Uma dica: Não se preocupe tanto com a vida, ela sabe se virar melhor do que nós! Ela é mais esperta do que nós, então apenas viva, ok?

    Parabéns novamente pelo talendo e por tudo mais!

    Uma curiosidade: O nome do teu blog é uma apologia a "A Menina que Roubava Livros"? Se não for, me ignore. HAHAHA

    ResponderExcluir
  19. Sabe, Erica, eu tava MORRENDO de saudades do seu blog *---* E pra completar, me deparo com um texto totalmente ERICA FERRO, daqueles que eu sempre gostei! Nossa, adorei, mesmo!

    Beijos, :*

    ResponderExcluir
  20. Erica minha querida
    Que bom que passou o medo de expor suas ideias, pois é muito bom te ler.
    Você é incrivelmente talentosa.

    super beijO

    ResponderExcluir
  21. Textos assim são lidos tão facilmente, tão levemente, mas seu conteúdo é tão pesado, peso que só se sente lá no fundo, quando tu começa a entender e a pensar no que foi lido.

    Ótimo teu texto. Somos mutáveis, aí está a graça. Se tudo continuasse sempre igual, se tudo fosse sempre programado, a vida não teria a minima graça. A rotina cansa. É bom ter sentimentos novos, emoções novas...

    Mudança, essa é a palavra que define uma vida que vale a pena ser vivida...

    Beijoo, Ferro! Tá ótemo!

    ResponderExcluir
  22. Belo devaneio...
    Gostei...
    E concordo contigo...
    A lucidez é algo cansativo...
    Gosto da loucura...

    Bjs

    ResponderExcluir
  23. Hummmmm...eu tenho uma certa irritação com pessoas inconstantes, quando essas inconstâncias interferem na minha vida, é claro.

    Excelente texto, Ericona! ^^

    Beijo, beijo.

    ℓυηα

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?