24 março 2010

Abriu os braços para eternidade

O pai fechou os olhos
Abriu os braços para eternidade
Uma eternidade que não era entendida pelo filho
Uma eternidade que criava um abismo

O pai fechou os olhos
O silêncio estava decretado para todo o sempre
Palavra de raiva ou amor não seria proferida
E o filho não entendia

O pai fechou os olhos
Estagnou-se as batidas do seu coração
De frio se fez
E o filho não aceitou

O pai fechou os olhos
O filho gritou
O pai não moveu nenhum músculo
O filho clamou
O pai não ouviu
O filho pediu
O pai insistiu em sua inércia
O filho chorou
O pai morreu

(Erica Ferro)

•••

P.s: (...)
Relato de uma dor, de uma perda eterna de alguém que eu não conheço, mas que está lá, aqui, em todo lugar.
Porque pessoas morrem a todo momento, pessoas choram a todo momento, e isso dói em mim - e eu escrevo.
Sem mais, até a próxima.

24 comentários:

  1. Infelizmente a todo momento tem pessoas partindo e deixando lembranças para que as rodeava...

    Triste, mas belo! Poético como sempre...

    -- -- --

    Rs' Você que sabe ser e que é uma dama, querida Erica! Obrigado pelos elogios! ( :

    É sempre uma delícia passar aqui... Rs'

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Isso é fato... Não quero ser desumana, mas não podemos abixa cabeça. Só podemos orar pelas famílias dos que foram... :/

    Boa iniciativa de lembrar os que partiram e os choram por eles.

    ResponderExcluir
  3. Eu sei bem como é isso, perdi minha mãe há quase 8 anos e parece que foi ontem. Eu também sou assim, compro a dor dos outros, mesmo sabendo que esse fardo naò se divide.
    Bela postagem!
    beijão

    ResponderExcluir
  4. Em vários momentos experimenta-se os sinais da finitude, alguns com bastante discernimento dia após dia preparan-se e a aceitam com naturalidade. Outros poucos experimentam uma certa alegria quando dela se aproximam e aceitam como algo a ser consumado!!


    forte abraço Érica.

    Hod.

    ResponderExcluir
  5. Pois é... bem o que eu tenho pensado, vivo e manifestado no blog.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Muito triste...tenso...prende a gente...muito bem feito!!

    []s

    ResponderExcluir
  7. às vezes penso que os poetas deveriam tentar mais coisas como isto que fizeste. A morte não se torna clichê traçada pelas mãos de alguém como tu.
    E eu tenho PROFUNDA admiração por tudo o que escreves, e por tudo o que és.
    Lindíssimo, e com a intensidade que tu sempre tens.

    ResponderExcluir
  8. Muito triste mesmo. Enquanto o pai abre os braços para a eternidade, o filho fecha o coração a cadeado, com dor.

    Arrepiante.
    :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. É como diz a música de Teatro mágico..."tem olho chorando de alegria outro chorando de LUTO"
    Toda hora morre alguém, a dor aparece nas famílias...

    ResponderExcluir
  10. Se eu temo ver as faces da morte, sequer consigo imaginá-la a olhar para alguém que amo muito. Chega me dá calafrios!

    Em seu poema ela ficou tão suave, porém sempre é triste descrevê-la.

    Beijos
    ;*

    ResponderExcluir
  11. Triste, profundo...
    Não gosto de falar da morte...
    Mas ela existe...
    Como sempre, amei seu poema!!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  12. E isso está entre a pior das dores, com certeza!

    ResponderExcluir
  13. Triste mesmo.
    Dor contínua.
    Só sabe, quem já perdeu!


    Beijos Poetisa.

    ResponderExcluir
  14. Eu gostei..
    é delicado e dolorido.
    A morte nunca é tão dificil.. mas machuca muito quem fica.

    =)

    amei.

    ResponderExcluir
  15. Às vezes queria doer menos as dores que não são minhas.
    Enquanto eu escrevia esse comentário, quantos mais já se foram?

    Beijomeunoseucoração

    ResponderExcluir
  16. Não tenho o que dizer além de: tá perfeito!

    ResponderExcluir
  17. Poetas são mesmo assim, conseguem sentir e transmitir a dor que as outras pessoas sentem. A dor da morte é uma das maiores que pode haver, certamente.

    Um beijo, queridona.

    ResponderExcluir
  18. Triste, uma coisa que podemos sentir mesmo não sendo conosco :S

    lindo Erica .

    ResponderExcluir
  19. Sem dúvidas é muito triste, e dá vontade de chorar.Mas essa é a lei da vida,afinal. :)
    -
    Eu ameeei o poema,muuito lindo.Vocês escreve tãaaaaaao bem!



    Beijinhos;

    ResponderExcluir
  20. Teu post me comoveu... assim como vc... sofro a dor que não é minha :'/

    Obrigada pela vizita...
    Aparecça sem,pre que qser...
    Um grande beijo
    Ótimo final de semana

    ResponderExcluir
  21. Você sabe, com maestria, mexer com nossos sentimentos...

    Beijos

    http://meninamisteriosa.wordpress.com/
    http://www.aceuabertodaboca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  22. a morte é mesmo triste, incompreensivel... Quem estará preparado para ela? O engraçado é que a única certeza que temos é de que vamos morrer um dia.

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?