29 junho 2009

Teu abraço tão terno, se fez eterno...


"Tão doce, tão quente e acolhedor foi teu abraço naquela tarde.
Meus sonhos, minha esperança, estavam abaladas, mas teu abraço me confortou e me conforta até agora, só de lembrar, começo a senti-lo, não como foi, mas uma leve sensação do que foi. Precisava provar do teu abraço de novo, pra sentir aquela sensação de novo, a sensação de conforto, de segurança. Foram poucos segundos que estive em teus braços, mas que foram os mais intensos e um dos mais lindos de toda a minha vida.
Poucos braços e abraços me fizeram ter a sensação de 'porto seguro'. O seu é assim, porto seguro, mas não estou segura. Não posso sentir isso por ti, não posso te querer assim, é errado, é pecado.
Por que não me declarei antes? Por que não disse o quanto te amava antes que você se casasse e fosse pai? Por que deixei você sair assim da minha vida sem nem sequer entrar de fato?
Te amei calada, sufoquei meu amor tão belo e tão sincero.
Mas sabe por quê? Porque eu sentia que não era recíproco. É, e eu sempre senti errado ou tão certo que doía e me entristecia.
E o que eu sentia era que você não me amava, me ignorava.
Mas agora você demonstra um interesse novo, um respeito, uma admiração e preocupação especiais por mim. Isso me alegra, e me amedronta. Não quero alimentar uma falsa esperança. Não quero despertar um amor que estava desacordado dentro da minha alma. Mas não adianta mais, não adianta falar baixinho que eu te amo, o amor, que estava desacordado, já despertou. E sabe quem foi o culpado? Aquele abraço...
Ah, eu poderia ter ficado ali pelo resto da minha vida.
Mas a consciência me lembrou: ele é casado, se afaste dele. Tudo bem que você não está fazendo nada demais, ele é seu amigo, apenas, só quer te apoiar nesse momento difícil, mas, levando em conta o que você tem aí dentro da alma - um grande amor por ele - é melhor que se afaste, antes que esse amor que você sentiu e ainda sente se acorde realmente e te tire a lucidez.
Então, eu me desvencilhei do seu abraço tão terno, deixei que ele se fizesse eterno em meu pensamento, em minha alma.
Sei que não te terei. E é por ter essa certeza que estou indo embora. Não quero mais te ver. Te ver só faz que eu te queira. E eu não posso te querer. Na verdade, eu queria morrer, morrer só pra não te querer, pra não cometer esse pecado, que é pensar em ti noite e dia.
Queria te esquecer...
Ah, eu queria...
Até pensei que tivesse esquecido. Mas aquele abraço acordou tudo que estava desacordado em mim: o amor, a paixão, a ilusão e a loucura.
Hoje, me vejo te amando, me vejo louca, sem rumo, o único caminho que vejo, ou que quero ver, é você. O caminho para o pecado, para o abismo da paixão, para o inferno.
E o clima do inferno não me agrada, é quente demais por lá. E eu já vivo em brasas, a paixão que eu sinto por ti me queima demais.
Quero o paraíso, mas queria que você fosse comigo. Mas não é possível.
Então eu vou seguindo, seguindo por caminhos que eu nem sei quais são, mas eu vou...
No fim do caminho, queria te encontrar sorrindo, de braços abertos, me aguardando com aquele abraço tão terno, que eu já conheço e é eterno."

E esses dizeres estava em uma folha de papel amassada em um lixeiro no quarto de Jane.
E era para Pedro.
Seu amor, seu amigo, sua salvação, sua perdição, sua ilusão, seu amor.
Ele nunca leria. Nunca saberia. Talvez sentiria. Talvez...

(Erica Ferro)

15 comentários:

  1. nossa erica que forte, muito intenso!!

    Adorei muuuitoo!!

    ResponderExcluir
  2. lindo*.* mil vezes lindo
    menina vc tem o dom
    boto fé!


    e vc faz natação?MAAAASSAAAAAA KKKKKKK

    ah, os belga,um eh um terror mas o outro....ui!kkk

    ResponderExcluir
  3. Me lembrou uma música de Sandy e Júnior (Sim, eu tive infância...rs)
    "...te amo tanto e sem querer, mas sei que posso te perder pra alguém sem tanto amor, mas que não teme falar. Ilusão!"
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Nossa, Erica, foi lindo !
    Teve ritmo e força, amei !
    Ah, tô reparando que a cada dia que passa você tem mais seguidores. Meo, por favor, não esqueça de mim mesmo quando seu blog tiver 200 seguidores, tá?
    Continue postando, que eu estou esperando [rimou \o/]
    Beijos e obrigada por concordar comigo quando digo que o normal enche o saco ;X

    ResponderExcluir
  5. Oi Erica, infelizmente minha carta não foi selecionada.
    E gostei dessa maneira de escrever em forma de contos, bem legal.
    Confesso que vou fazer posts assim, dou asas a imaginação!

    beijos:*

    ResponderExcluir
  6. ooooooun, mil vezes ooooooooun *---* fazia tempo que eu nao via esse estilo de texto no seu blog, e achoq eu todo mundo sabe que sou apaixonada por historias de amr, correspondidos ou não... PARABENS AMR, E OBRIGADO PELOS ELOGIOS: é por pessoas como você que eu nao desisto dos meus sonhos!

    ResponderExcluir
  7. Eu sofro do mesmo mal da Jane, mas não penso como ela. Por momentos, claro, eu queria mesmo ser insensível ao ponto de não perceber o amor latente quando percebo a presença, ou o coração batendo mais forte só por que a plaquinha do msn subiu. Penso que queria não ter amado, facilitaria demais a minha vida. Queria não amar mais, também, embora ainda ame.
    Mas só preciso de mais alguns segundos pra me arrepender de todos os meus desejos de esquecimento. Toda a dor, mesmo que faça mal, me fez crescer. Como pessoa, como cabeça pensante, como coração-sentimento. Sinto o mesmo e não nego. E dói, e sangra. É ferida que não cicatriza e também não se abre mais. Fica ali. Do jeito que está. Pra sempre.
    Eu faria uma metáfora de um coração em chamas com as mãos de um pedreiro. Um pedreiro olha para as mãos calejadas e cheias de cicatrizes, e lembra de tudo que construiu. De toda a vida dele, praticamente. Aquela saudade, aquele orgulho de ter feito tudo o que ele fez com as próprias mãos. E essas mãos seriam a prova eterna do esforço dele. Eu senti e sinto com o meu próprio coração. Lembro-me e sinto a dor, mas sinto orgulho por ter passado por isso. É, isso se chama experiência; ninguém disse que ela seria sempre boa.

    ResponderExcluir
  8. Ai cara, vou ter que comentar pela segunda vez. Filosofei e esqueci de dizer. Você brinca com as palavras. As palavras te pertencem e você pertence à elas. De sincronicidade e sentimento ímpares, todos os teus textos. É incrível.

    ResponderExcluir
  9. Adorei! Obg pro comentar, ás vezes é meio difícil crer que o Jackson se foi, mas ele realmente se foi, agora deve tá fazendo o moonwalk pra Deus sauhaushu bjo

    ResponderExcluir
  10. UAU!
    Nossa gente vibrei enquanto lia esse texto.
    È simplesmente tão intenso,tão forte.
    Simplesmente MARAVILHOSO.
    Amei de verdade.Vou voltar sempre aqui.
    Bjks Erica

    ResponderExcluir
  11. Lindo demais!
    adooroooo abraçooooo
    bem mais do que beijo!!
    hahahahahaha
    amei mesmo!!
    como sempre escrevendo muito bem!!

    :)

    ResponderExcluir
  12. Lindo *-*
    E é o que muitas vezes aconteçe. Passamos nossos sentimentos pra uma folha de papel, na tentativa de quem sabe um aquele alguem leia, e saiba tudo o que passamos, só por causa de um simples abraço, um aperto de mão, um beijo no rosto ou simplesmente um sorriso.

    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Poxa, muito legal o texto.. ficou bem emocinante mesmo.. xD
    parabéns! belo blog! ^^
    bjusss

    ResponderExcluir
  14. Aaaah Erica, não me prova outra vez que amor contido nao vale a pena!
    Aprendi a lição*.

    Bjos.

    ResponderExcluir
  15. Lindo, Erica!

    Uau, teu blog tá crescendo cada vez mais, hein? Parabéns, tu merece! Bjooo

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?