26 maio 2009

O meu presente de oito anos;

Quando era criança, sempre pedia presentes aos meus pais.
"Pai, quero aquela bota linda da xuxa!"
"Mãe, quero uma boneca!"

E por aí ia a minha lista de desejos.

(...)

Quando estava perto do meu aniversário, esperava sempre que eles surpreendessem com os mais lindos presentes e com as maiores manifestações de afeto. E eles sempre me surpreendiam.
Na época, eu não tinha a visão de que a maior surpresa, a maior alegria que eu podia sentir na vida, era acordar pela manhã ir até a cama deles, os ver ali, respirando, vivendo. Saber que tudo aquilo era real, era verdadeiro, e o maior presente, a melhor coisa que eu poderia ganhar. Mas eu era uma criança, e toda criança gosta de presentes materiais no dia do seu aniversário (e adultos também gostam, claro, mas criança entende menos quando não ganha - pelo menos é assim que eu acho).
No ano de 1998, ganhei o maior e melhor presente de toda a minha vida. Ia fazer oito anos. Não sabia bem o que ia querer ganhar de presente, talvez a boneca, uma coisa qualquer que eu devo ter ganhado. Mas o presente que não tem como esquecer, nem quando estiver com cem anos (se é que eu vou chegar a tanto), e foi o maior, o melhor presente que eu já ganhei em toda a minha vida. E tenho certeza que eu nunca vou ganhar presente tão grande, tão maravilhoso quanto eu ganhei quando fiz oito anos. Aliás, esse presente chegou na vida da minha família um dia antes do meu aniversário. O processo de encomenda e fabricamento desse presente (lindo, por sinal!), tinha sido feita tinha alguns meses, praticamente um ano (mas não um ano mesmo, porque o presente não sobreviveria). Eu sabia que ele tinha sido encomendado, estava sendo fabricado, mas eu não sabia que o resultado e a surpresa de ter o presente diante de mim ia me emocionar tanto e me fazer tão feliz durante toda a minha vida.

1998, 26 de maio, terça-feira
.

O presente foi entregue a minha mãe. É, minha mãe conhecia todo o desenvolvimento desse meu presente. Aliás, desse presente que foi dado a mim e a toda a minha família. Um presente tão grande, tão especial eu não poderia querer só pra mim, não é? Era egoísmo.
Quando eu soube que minha mãe tinha ido "pegar" meu presente, fiquei ansiosa, contando os segundos pra que ela chegasse com ele em casa. Ela chegou, ele também, claro.

1998, 27 de maio, quarta feira - meu aniversário
.

Estudava no turno matutino. Tinha ido a escola naquela manhã, não lembro de ter me concentrado muito na aula, mas acho que não me concentrei bem; estava interessada em chegar e saber que meu presente estava à minha espera.
Cheguei em casa ansiosa. Tinha voltado da escola quase correndo. E lá estava ele. Lindo.
Quando eu o vi, senti uma alegria me tomar, quase gravitei de tanta emoção, de tanto contentamento. Na hora eu não consegui dizer ou definir o que eu estava sentindo. Passei a mão sobre o meu presente. Uma textura macia, gostosa.
Não, não era um bolsa de coro nem uma bota.
Era um bebê! Um lindo bebê! Meu irmão, Erick Ferro, o bebê mais lindo que eu tinha visto na vida. O boneco vivo com o qual eu sempre tinha sonhado. Eu ia deixar de ser filha única, eu ia ter alguém com quem multiplicar as minhas alegrias, dividir as minhas tristezas, ter mais alguém pra chamar de minha fortaleza.
Hoje o Erick fez 11 anos. Enquanto eu digito essas palavrinhas, um nó em minha garganta se forma. Não é tristeza, não é dor, é alegria, é a felicidade de olhar pra trás e perceber que eu pude ver meu irmão se desenvolver como ser humano, eu vi ele caminhar, eu vi ele falar, eu vi ele indo a primeira vez à escola, eu vi ele se queixando da primeira recuperação que tinha ficado, eu vi ele falando da primeira menininha por quem ele tinha se encantado.
Eu vi e estou vendo todo esse desenvolvimento. Sei que verei muito mais. Me orgulharei muito mais.
O Erick é um menino maravilhoso, sincero (adoro isso nele), sensível (sim, é uma pessoa que se preocupa com os "umbigos" dos outros), inteligente, teimoso (por um lado é bom, por outro é péssimo, mas o lado péssimo, ao longo da vida, ele vai eliminando) engraçadíssimo (quase a família toda é assim).
Um rapaz, é... um rapazinho lindo. Daqueles príncipes de cinema, sabe? Meu irmão é assim. Por onde passa, deixa "marcas". Marcas boas... marcas de um coração grande e puro, marcas de risos, marcas de felicidade. Meu irmão é marcante. Marcou o meu ano de 1998 de uma vez pra sempre.
O melhor presente, o mais lindo, o mais surpreendente, o mais amável, que eu já ganhei em toda a minha vida. Nunca vou ganhar algo semelhante. Nunca. Todo o ouro do mundo não me proporcionaria a alegria eterna de ter um irmão como o Erick.

***

- Erick, coisa linda, você sabe que apesar de tudo, de qualquer coisa, de qualquer briguinha, de qualquer desentendimentozinho besta, eu amo você, preciso de você. Você é meu irmão. O MEU IRMÃO. E isso é muita coisa.
O que eu desejo hoje, Erick? Que você continue sendo um menino saudável, inteligente, amável. Que você realize seus sonhos. Sempre acredite nos sonhos, Erick. Mesmo que todos digam que não, que não é possível. Tente. Tente sempre. Só deixe de acreditar em algo depois de tentar, e olhe lá.
As palavras fogem de mim agora, Erick... Não sei expressar com palavras todo o desejo de felicidade, de prosperidade, de saúde que eu desejo a você. Mas eu sei que você sabe e sente o quanto que é especial pra sua irmãzinha, o quanto que eu te amo, o quanto que eu quero que você seja feliz.
Erick Ferro, você é, simplesmente, o melhor irmão do mundo inteiro. Aliás, do mundo, não! Do universo, da galáxia toda. De tudo, tudo, tudo que possa existir.
Estarei sempre contigo.


(Erica Ferro)


P.s
: É com a maior emoção e alegria que eu faço essa postagem. Uma homenagem ao meu irmãozinho querido. Nem a metade do que ele merece. Mas fiz o melhor que eu pude, espero que ele goste.


7 comentários:

  1. eu já tenho uma irmã, agora vou ganhar mais um irmãozinho...depois de 17 anos! hauhriuaeraeur

    =**

    liiiiiiindo o texto!
    ^^

    ResponderExcluir
  2. ah irmão é bom ter, mas tem horas que eu não aguento a impllicancia do meu, era melhor qunado ele era só um bebe gordinho
    :)

    ResponderExcluir
  3. sempre quis ter um irmão ou uma irmã, acabou que ganhei uma cachorrinha. e pode ter certeza, é a irmã que entende todos os meus problemas uhaiuhaiuha

    beijoo ;*

    ResponderExcluir
  4. aiiin, que liiiindo. *-*
    eu tenho um irmão mais velho, e a gente vive discutindo, mas, na maioria das vezes, estamos fazendo alguma coisa juntos, tipo vendo supernatural de madrugada no sbt, jogando no computador, contando piada, comentando sobre os professores... eu amo ele demais, e ele é um grande amigo também. *-*

    beeijos. :*

    ResponderExcluir
  5. Que liindo! O Erick deve ser um fofo! *-* Eu amo meu irmão também, e olha que nem é de sangue.

    Nunca ouvi falar nesse tal de pão Roberto. :O
    Owwn! Brigada, viu? Nem preciso dizer que amo os seus textos, né?
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. EEii!
    obrigado pela sempre constante presença lá no blog!! Adooro seus comentárioss !! Fico feliz por saber que gosta do meu espacinhoo!!

    Eu tenho uma irmã de 17 anos.
    Ela é minha vida!
    Minha amiga, confidente, parceira nas burradas e nos acrtos tbem. Nossa sintonia e indescritível. Ela é realmente um presente de Deus pra mim! É muito bom isso neeeh???

    Um ótimo final de semana pra você!!
    beijoo!

    ResponderExcluir
  7. Respodendo a tua pergunta no meu post, eu tomei penicilina por causa da amigdalite. Mas ela é usada em outros casos também, infecção nos ouvidos e deve ter mais algumas utilidades que eu não conheço uahiuhauiha

    beijoo :*

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?