14 maio 2009

Mãe;

Dia das mães...
Quando é o dia das mães? No segundo domingo de maio? Qual é o mês das mães? Maio? Só?

Todo dia é dia das mães (isso pareceu igual a tudo que as pessoas dizem, mas é a verdade). Todo dia é nosso, é delas, é deles. Temos um dia com 24 horas, e é nesse dia que fazemos as nossas vidas valerem a pena. E mãe, que é mãe de verdade, faz cada dia valer a pena.


Ser mãe não é só carregar uma criaturinha durante nove meses e "estragar" seu corpo com estrias, varizes e ganhar uns quilinhos a mais (não que eu ache pouco, mas isso não é ser mãe na sua totalidade).
Ser mãe não é só "dar à luz" a uma criança. Porque muitas delas não sabem nem o que é luz. Não honram esse maravilhoso dom: o da maternidade. Só "expulsam" do seu interior um ser humano e deixam ele solto, sem proteção, nesse mundo louco e, por vezes, cruel.
Ser mãe é mais do que isso. Ser mãe é mais do que eu consigo dizer.

Posso tentar traduzir o que é ser mãe (mas é só tentar mesmo). E é isso que vou fazer nesse texto.


Mãe é aquela que cuida, que educa, que repreende seu filho, nunca passa a mão na cabeça dele quando sabe que ele está errado, mas também não usa cascudos para ensinar qualquer coisa que seja. É que a verdadeira mãe sabe a força que um diálogo tem. E é por meio de diálogo que mães de verdade ensinam as maiores lições aos seus filhos, e eles entendem, aprendem.

Mãe de verdade é aquela que faz de tudo para dar a melhor vida ao seu filho, tanto financeira como espiritual. É aquela que abre mão do seu prato de comida e dá ao filho, porque a maior alegria dela é ver aqueles olhos brilharem de satisfação, de alegria. Ser mãe é acordar à noite porque o filho acordou chorando de um pesadelo, e ela alegremente foi fazê-lo dormir de novo, de uma maneira terna, contou estórias e histórias até que o filho dormisse tranquilamente e alegremente por ter uma mãe tão dedicada e que o ama. Ser mãe é ir à luta, acordar cedo, trabalhar o dia inteiro pra dar uma vida digna aos seus filhos; e quando chega em casa, mesmo cansada, ainda esboçar um sorriso e abraçar seus filhos, conversar e os faz dormir. Ser mãe é mais do que eu consigo expressar em palavras. Mas ser mãe é saber amar. Mãe é amor.

Tem filhos que não se dão muito bem com suas mães, brigam muito, se desentendem praticamente em todos os assuntos. E é natural. Quando somos muito iguais, temos a tendência de nos repelirmos. Mas, claro, quando as coisas que temos em comum com as nossas mães são boas, temos os melhores momentos com elas. Posso dizer isso por experiência própria. Mas também quando elas vem com assuntos e manias que odiamos (que, na verdade, são nossos defeitos, nossas manias), nós nos irritamos, brigamos, xingamos. Por quê? Porque as nossas manias não nos incomodam em nós, mas as nossas manias reveladas em outra pessoa, ah, isso sim é bem chato e, quase, intolerável. Por isso que acontecem as brigas e os desentendimentos. Se bem que tem mães e filhos que são totalmente o inverso um do outro, e se dão muito bem (a pura revelação da teoria "os opostos se atraem").
Enfim, tem filhos e mães, iguais e diferentes, que se amam e se odeiam. Tudo vai da tolerância de um com o outro. Da disponibilidade que eles tem de se entenderem, de parar e conversar, de tentar ver aonde podem melhorar.


A minha relação com a minha mãe não é sempre um mar calmo. Tem seus momentos de tempestade e de "céus cinzas", mas a calmaria volta a dominar o mar e o sol sempre volta a brilhar.
Muitas vezes eu não concordo com ela, muitas vezes ela não concorda comigo. Temos gostos diferentes (principalmente pra roupas). Mas eu a amo, e acredito que ela me ama (se bem que ela não diz sempre, ela não consegue dizer 'eu te amo' sem chorar; é uma manteiga derretida, fazer o quê...). Ela não diz, mas eu sinto que ela me ama, bem no fundo do meu coração, no mais íntimo da minha alma.

Se bem que às vezes acho que ela não me ama. Às vezes eu tenho certeza que ela não me ama. Às vezes acho que ela gosta mais do meu irmão. Às vezes...
Confesso que eu sou uma pessoa difícil, desconfiada, complexada, e minha mãe tem muita paciência comigo. É por essas e outras que eu a admiro tanto. Na verdade, eu a amo. Admiração é pouco.

Por mais brigas que tivemos, mãe, por mais desentendimentos que tenhamos tido; eu te amo e não me imagino sem ti. O meu desejo, do fundo do coração, é que não brigássemos, que vivêssemos em plena e total união. Mas será que isso seria a perfeição? Acho que não! Acredito que nós cansaríamos de tanta união. Não, não é que cansaríamos, é que não saberíamos a verdadeira força e a extensão do nosso amor. Entende, mãe? As brigas nos ensinam a superar nossas diferenças. Nossos momentos de pura sintonia aprimoram nossas semelhanças. Nossos momentos alegres irrigam nosso amor, acariciam nossas almas, nos fazem melhores, mais felizes.

Mãe, obrigada por ter passado comigo noites em claro quando eu estava doente.
Por muitas vezes eu estive à beira da morte e você me resgatou de lá, com a ajuda de Deus, é claro, mas seu amor e sua vontade de que eu sobrevivesse foram fundamentais nas minhas recuperações.
Obrigada por me incentivar, por me repreender, por me amar.
Obrigada por ser minha mãe.

Mãe, me perdoe.

Me perdoe por tudo que disse, e que te magoou. Me perdoe por todas as vezes que errei contigo.
Já nos magoamos muito. Te disse coisas que te magoaram, das quais também me arrependi.
Já me disseste coisas que me magoaram profundamente, me irritaram, me fizeram chorar. Mas, mãe, isso não é nada comparado ao amor que lhe tenho. E é esse amor que me cura de qualquer dor, de qualquer mágoa que venhamos a ter.

Te amo, mãe. Muito.
E o seu dia é hoje, é sempre.


(Erica Ferro)

6 comentários:

  1. Os seus posts me emocionam isso sim,eu adorei,hummmm,eu amei...Um dia eu vou escrever assim para minha mamis,rs.Beijão e adoro adoro seus comentários,eles me fazem brilhar,hauhauhaua,cheiro!

    ResponderExcluir
  2. Oie!

    O texto ficou lindo e você disse tudo.
    A relação de mãe é mesmo assim. E elas lutam pra dar tudo para nós, por quê voltam cansadas do trabalho, e quando chegam, tem mais "trabalho."
    Elas são insbustituiveis.
    Apesar das brigas, sempre estão com agente.

    BeiJos.

    ResponderExcluir
  3. eu amo tanto o seu blog u.u e esse testo então ? *-* quase chorei de tão lindo :D PARAABÉNS :D

    ResponderExcluir
  4. Que lindo! De fato, dia das mães é todo dia. Me emocionou :x
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Emocionei. Acho que as mães merecem um ano inteiro só para elas, porque elas são realmente as melhores do mundo! E as brigas servem para nos mostrar o quanto ela nos ama, acima de QUALQUER coisa, porque sempre nos damos bem no final. Mãe não é quem tem um filho, mãe é quem cuida e ama um filho. E eu posso dizer que tenho uma ótima mãe... :*

    ResponderExcluir
  6. Eu nunca desejo feliz dia das mães, eu desejo que as mães tenham uma vida feliz. É isso que elas merecem depois de amarem assim! :)

    beijos.

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?