14 novembro 2009

Inventário de cicatrizes

Idéia maluca para uma crônica: fazer um inventário das cicatrizes. Há várias espalhadas pelo corpo, cada qual com sua história. A maioria veio da infância, é claro. É ali que a inocência das atitudes e intenções se soma ao jeito naturalmente estabanado das crianças, e o resultado são violações nos limites da pele. Fica para sempre o carimbo da nossa insensatez.
Cicatrizes são também registros de nossas transgressões. Sem contar as comuns marcas de vacina, ganhei a minha primeira com uns sete anos. Um profundo corte no pé esquerdo. Não lembro mais o motivo, mas naquela tarde me desentendi com a turma de moleques e decidi seguir por outro caminho, num terreno baldio tomado pelo mato. Fui correndo, que era para chegar primeiro e tirar vantagem com minha opção de não seguir a maioria. Não senti quando pisei na lança brilhante de um fundo de garrafa, apenas a sensação de estar vazando pelo pé. A dor se anuncionou somente quando percebi o rastro lá atrás - o meu sangue pintando uma trilha vermelha no mato verde.
O acidente mudou o plano de todos. Não demorou e estávamos na farmácia, eu levando pontos no pé, humilhadíssimo pelos olhares a me dizer: "Quem mandou você ir por ali?" Essa cicatriz ficou como uma tatuagem da culpa por ousar inventar trilhas sem o aval do bando. Ela foi o preço da minha desobediência.
A marca seguinte adquirida resultou da força do meu irmão. Nos brinquedos de ferro da praça, ele puxou com tudo uma trave para cima, sem notar minha perna encostada no mastro. Não sangrou, mas a luxação dolorida e roxa transformou-se num calo oval permanente na coxa direita. Dali em diante, eu fazia questão de sempre lembrar que ele tinha sido responsável por aquele dano em mim. Um verso do poeta Cacaso diz que cicatrizes não se transferem, mas eu bem que tentei ao menos compartilhar a minha.
Há na mesma coxa a marca de um corte de gilete. Naquele dia a parede seria pintada, e eu retirava com a lâmina os pôsteres de artistas colados no quarto. Viajava nas cenas e caras saídas da televisão, lamentando jogar fora aquelas imagens. De repente, um gesto brusco, e um risco vertical na perna. O sangue salpicou no chão, tingindo os sorrisos de Tarcísio Meira e Glória Menezes nos recortes atirados. Ficou a lição de nunca mais deixar a fantasia me arrebatar quando a realidade me exigir muita atenção.
Mais abaixo, na canela direita, oculto entre pêlos, há o carimbo de uma infeliz pulada de cerca. Por que cruzar o arame farpado por baixo feito um frouxo, se poderia fazer das linhas metálicas uma escada e saltá-la? Esse era o meu argumento infantil. Mas a cerca reafirmou suas funções óbvias, e eu voltei para casa com mais essa seqüela dos meus atrevimentos.
Pensando bem, há mais cicatrizes pelo corpo do que cabe relatar neste inventário. Há a saliência de um rasgo de prego no braço, outra na omoplata esquerda, provocada ridicularmente por um beliche que desabou em cima de mim, há a sombra de um furo de ponta de lápis na palma da mão e muitas raladuras nos cotovelos. Todos evocam dores e aprendizados, que dificilmente esquecerei. Por isso, convido você, leitor, a conferir suas próprias cicatrizes e a perceber que lembra exatamente de como cada uma delas surgiu. São impressões do tempo, esculpidas na carne, para que ninguém jamais esqueça as lições da dor.

(Nivaldo Pereira)



P.s: Gente! Lembra que eu falei do Nivaldo aqui? Que ele me enviou um livro de autoria dele, autografado e tudo o mais? Lembra, também, que eu prometi postar uma crônica do livro aqui? Então, essa é apenas uma das muitas que eu adorei e queria compartilhar com vocês.
Amanhã, provavelmente, não terei como ver os comentários, as atualizações. Enfim, será um dia longe do blog - a internet que uso sairá do ar; reajustes, coisas assim, que serão feitos.
Mas segunda estou por aqui de novo!
Quero agradecer a todos que tem me visitado, deixado lindos comentários e, claro, agradecer aos novos seguidores.
É muito bom ver que o blog a cada dia cresce mais e mais.
Ah! Hoje foi meu dia no Divã cor de rosa. Passem lá e vejam meu post.
Obrigada a todos.
Ótimo domingo pra vocês.
Grande abraço da @ericona (propaganda do meu twitter de novo!).

35 comentários:

  1. Eu dou uma força! é das idéias mais loucas que surgem as mehores coisas1 e vai dar uma boa história!

    ResponderExcluir
  2. Carambaa... onde é que ele NÃO tem cicatriz?

    rss..

    ResponderExcluir
  3. Ah..Tbm eu acho bestas algumas coisas que escrevo...Acho q isso deve ser normal!!!
    Da-lhe Vasco!!!
    Boa cronica...Que chique vc..ganhar livro autografado e td..rsrs..Bjss

    ResponderExcluir
  4. Hum, muito legal esta crônica. eu adoro crônicas. ^^
    Acho que não tenho nenhuma cicatriz... Aliás, tenho só uma de vacina (minha cicatrizes são mais na alma... que triste! rs)

    Estou leno o mesmo livro que você! Dom Casmurro. terminou Marley e EU?!

    ResponderExcluir
  5. Bem legal, Erica! No momento só me lembro das cicatrizes que trago na alma e no coração!
    Beijãoo

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho um ano meu dedo. Foi uma pedra em cima de uma mesa. Fui apontar uma parada e quando puxei a mão de volta...
    Mas nem precisei de ponto...
    Não tenho outras cicatrizes, que eu me lembre, apenas as que "enfeitam" o meu ego.
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Sim, é uma ideia louca mesmo! Mas, como são boas as ideias loucas! *__*

    Tenho um montão de cicatrizes, reforçadas pela velha quelóide que faz todas serem horríveis... Não gosto de lembrar da maioria, pois remetem a meu pobre sanguinho vermelho sendo derramado.

    Odeio sentir dor (tem gente que gosta, acredite!)

    ResponderExcluir
  8. Adorei o blog!!
    Ótimos textos!
    Vamos fazer parceria??

    Quando poder entre:

    http://queletra.blogspot.com/

    Valeu e parabéns pelo trabalho!
    Abs!

    ResponderExcluir
  9. tenho poucas cicatrizes,
    talvez isso seja bom.ou não.

    ResponderExcluir
  10. Sem comentários, adoooro o Nivaldo!

    Mais uma crônica excelente dele!

    Até segunda então!

    Beijooo

    ResponderExcluir
  11. Adoro minhas cicatrizes! rs
    Vou lá no divã, Flor!
    Adorei a crônica!!

    Beijos, Poetisa!

    ResponderExcluir
  12. Nivaldo fodão! UAU
    quero livro tbm, kd?

    ResponderExcluir
  13. Hum... Obrigado por compartilhar esse belo texto. Coisas simples e diárias... muito legal... xD

    :-P

    ResponderExcluir
  14. Lendo esse texto acabaei lembrando das minhas prezepadas loucas de quando era menor, e estou rindo até agora.. hauah
    adoreeei!
    Beijos flor!

    ResponderExcluir
  15. Ah, nunca tinha ouvido falar desse Nivaldo Pereira e nunca tinha lido nada dele, bem legal...

    E sobre ficar sem passar no blog... Que coisa hein? Eu to sem computador, só nos fins de semana que entro rapidinho. Um saco! Espero você de volta, beeeeeeijos

    ResponderExcluir
  16. Bem, muuuuitas cicatrizes tem ele xD...
    Mas a crônica está muito boa, gostei! ^^

    beijo amr :*

    ResponderExcluir
  17. no começo eu tava pensando: mas cm a érica era hiperativa gente... kakak, depois vi q o texto não era de autoria sua.. nossa, mt boa mesmo a crônica... hehehehe
    e até segundo.. vou lá no divã! xD
    bjuss

    ResponderExcluir
  18. grande autor! qual é o livro? eu quero, eu quero! aehuaeh adoro crônicas.. já fiz muitas.. mas parei há um certo tempo. tenho que voltar à tão boa prática.

    tenho poucas cicatrizes no meu físico.. talvez só a do queixo que insiste em me perseguir aheah mas estive pensando sobre as da alma.. juro que vou parar de me ferir, juro!

    beijos ;*

    ResponderExcluir
  19. é as cicatrizes realmente são uma boa lição, até porque elas vão ficar lá lhe lembrando doa burrice né :/
    tenho muitas que me ensinaram coisas como, verifica se a panela está quente antes de por a mão nela, olhar por onde anda, não confiar em todo mundo e outras coisas mais ^^

    adorei a cronica, realmente nivaldo manda super bem né ;D~

    ResponderExcluir
  20. Nossa paixão a primeira leitura.Amei o que o Nivaldo escreveu!
    ooh tem selinho pra ti!
    bjão

    ResponderExcluir
  21. eu tbm tenhu uma sicatriz no queixo de sete pontos (nossa!!) mais adoro ela beijos amada

    ResponderExcluir
  22. Adorei o texto do Nivaldo! Seu blog é super sempre *-*'


    bjs.

    ResponderExcluir
  23. Ericona, fofa...

    valeu a pena esperar, o texto é ótimo, dá vontade de ler mais. ^^

    Beijos, tenha uma semana linda.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  24. Por um lado, a vida sem cicatriz, parece que nem foi vivida com aventuras e traquinagens!

    Por outro, trazem um passado, dolorido, sofrido e cheio de lembranças...

    Só sei que elas fazem parte da vida e de nossa aprendizagem!

    É sinal que algo aconteceu, deu um pouco errado, mas estamos vivos para contar...

    beijocas e obrigada pelo carinho!

    bj

    ResponderExcluir
  25. Érica,
    O Nivaldo é sensacional!!!
    Amei ler sobre as 'cicatrizes'dele (quem não as tem? rs) e tb o modo como ele escreve é superagradável!!
    Só que levei um susto danado, pq quando comecei a leitura pensei uqe o texto era seu, e depois que vi 'pêlos na perna', quase desmaiei (nem tanto, eu tb sou a própria hipérbole, como vc...), e respirei aliviada ao ver que era do Nivaldo e não seu: - ah, bom, tá explicado, pensei rs.
    Vc me visitou e eu fiquei feliz: sou sim, professora de português e literatura.
    Um beijão, linda!!! Boa e feliz semana.
    Esteja com Deus.

    ResponderExcluir
  26. Cicatrizes são histórias e por mais que para tê-las doa, eu gosto. Semana passada fiz um machucado no joelho, daquele tipo que você só faz quando é criança? Cai na rua. HAHA Mas cai bonito mesmo.. Eu mergulhei de vestido na rua, enquanto saia correndo pra não chegar atrasada no teatro.

    ResponderExcluir
  27. Adorei essa crônica!
    Eu queria me lembrar de cada cicatriz, saber o motivo e não repetir o erro, mas infelizmente são só marcas, não sei o porque de nenhuma :/
    beijo!

    ResponderExcluir
  28. O tema da crônica é perfeeito.. eu amei! as cicatrizes são uma forma dolorosa de marcar a vidaa..

    Beijos

    ResponderExcluir
  29. Morro de medo de cicatrizes, tombos, morte e tudo mais que doi. Beijos, até que um dia consegui comentar!

    ResponderExcluir
  30. existem mesmo coisas que mudam o curso das coisas...

    Lindo texto minha flor o//

    Bj bj e uma ótima semana !

    ResponderExcluir
  31. Todo tipo de cicatriz é uma abertura de um determinado momento da vida. Gostei do trecho do livro dele, com calma vejo mais sobre esse livro.

    Espero não perder contato, viu?


    Beijo imenso, menina linda.


    Rebeca


    -

    ResponderExcluir
  32. Acho que vou fazer meu inventário de cicatrizes também.
    *-*
    Ele nunca vai acabar,desastrada como eu sou!
    HSAUEIHUE'
    Beijos,
    ;**

    ResponderExcluir
  33. "Levo comigo as marcas e cicatrizes dos combates - elas são testemunhas do que vivi e recompensas do que conquistei" - John Bunyan

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?