24 março 2009

Vá em paz, Pipi!

Ontem fui tomada por um choque: a morte de um amigo, um amigo que nem era tão próximo, nem tão distante. Treinava comigo. Era uma boa pessoa, brincalhão, que demonstrava ter uma fé muito grande. Tinha uma determinação notável. Ele tentava sempre superar as dificuldades e conquistar o que ele queria.
Nadava muito bem. Era um dos melhores de Alagoas na sua categoria. Aquela piscina sentirá muita falta dele. Nós da equipe de natação sentiremos muita falta dele. Falta da alegria, da coragem que ele nos passava, de nunca desistir, nunca se entregar, sempre lutar.
Ele sempre tentava nos mostrar o lado bom das coisas.
Eu não consigo nem acreditar realmente. É tudo tão novo, tão cruel pra ser verdade.
Não fui ao velório dele, nem ao enterro. Não quis ter essa triste recordação. Prefiro lembrar dos momentos felizes que ele passou com toda a equipe, das muitas risadas que demos, das muitas braçadas que demos, das muitas competições que fomos e vencemos ou perdemos, mas estávamos juntos, dividindo um só sonho. E agora nossa equipe sente falta de um notável integrante, de um grande homem.

Perguntas que ando me fazendo ultimamente:

Quem fará a oração antes das viagens de competições?
(Era ele que fazia!)
Quem nos falará de Deus entre uma braçada e outra?
(Ele era que falava!)
Quem nos fazia rir ao ouvir o riso dele?
(Ele era quem nos contagiava com o seu riso)
Quando o veremos dar aquele show na piscina?
(Nunca mais nessa vida!)

Tantas perguntas, quase nenhuma resposta.
As pessoas desse mundo me assustam muito.
A humanidade está infectada por vários vírus: o do ódio, o da vingança, o da insensibilidade.
É triste saber que a vida de uma pessoa querida foi interrompida, que alguém se sentiu dono da vida dessa outra pessoa, e resolveu eliminá-la, acabar de vez com ela.
Eu me assombro com o modo como as pessoas morrem, porquê morrem...
Às vezes o motivo é tão imbecil.
Quanto vale uma vida, meu Deus?
Não me conformo. Por enquanto, não.

Tem uma música que diz muito desse momento que eu e todos que conheciam o Epitácio estamos passando:

A vida é frágil e viver
É um lindo momento
Quando se sabe amar
Notar a poesia perdida
No tempo rebuscar
Num eterno acreditar
Será que o sonho acabou?
Será que o que somos se foi?
Sei que a tempestade dará seu lugar a um dia de sol...

Tenho certeza que vou te encontrar
Não sei o dia e a hora
Mas sei o lugar
Sei que você está bem
Mesmo assim
Isso não me impede de chorar

Os nossos momentos
As nossas idéias
Presente em todas as canções
O que nós sentimos
Os nossos desejos seguirão
Em nossos corações
Você foi tão cedo
A vida é um mistério
E ela não diz porque...
Mas tua semente hoje está
Presente e vai florescer...

Tenho certeza que vou te encontrar
Não sei o dia e a hora
Mas sei o lugar
Sei que você está bem
Mesmo assim
Isso não me impede de chorar
***

Sentiremos falta do nosso amigo e companheiro de piscina, Epitácio!

2 comentários:

  1. Sei pelo que tu está passando...
    Lamento muito, muito mesmo...
    Bjoo

    ResponderExcluir
  2. Eliebertson S. Santos27 de março de 2009 00:36

    É isso mesmo, Erica...

    O Epitácio era amigo de verdade;

    Uma das muitas boas lembraças que eu tenho dele é da vez que comecei a praticar esporte junto a vocês (Isso faz mais ou menos uns 3 anos)...

    Não sabia fazer quase nada e foi ele que tentou me ensinar a dar o primeiro mergulho perfeito...

    E eu não posso esquecer do ditado que costumo dizer que:

    "Tudo tem o seu momento de acontecer"

    Portanto o Epitácio se foi, tão de repente, e nos deixa muitas saudades...

    =/

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?