30 janeiro 2010

Queda de energia

Eletrônicos desligados
Desliga a modernidade
Desliga a superficialidade
Liga a emoção
Liga os sentimentos
Entrelaça as mãos

No escuro uma luz surge
Uma luz tão clara e alegre
Luz que ilumina
Que o coração enche de contentamento
Um lindo sentimento

(...)

Poema metafórico. Poema que fiz na tentativa de traduzir a alegria de uma noite sem energia elétrica. A família toda reunida, finalmente conversando, rindo, brincando.
Minutos antes estava cada um no seu mundo. Um assistindo um canal esportivo. Outro na cozinha preparando um lanche. Outro deitado vendo uma novela qualquer, e deixando a novela da própria vida passar. Outro na internet começa a navegar. Mas eis que tudo muda. Não há mais energia elétrica. Todos se juntam. Todos se unem e esperam a luz. E a luz vem, e não é luz elétrica. É uma luz da alma, a luz da alegria, a luz... A luz mais pura, mais clara.
E eu quero que muitas quedas de energia elétrica venham, só pra ter esse prazer, essa alegria junto da minha família, de pessoas que só no escuro eu tenho a capacidade, a sensibilidade, de ver uma luz deles emanar. É a tecnologia, a modernidade, toda essa superficiliadade que afeta a minha visão, que me rouba o tempo (se bem que eu deixo que ele roube, confesso). Mas não deixarei mais. As rugas chegarão não muito futuramente. Mas não é com as rugas que me preocupo. E sim com a vida que deixei em cada ano, em cada dia, em que passei me matando.

(Erica Ferro, 22/07/2009)



P.s: Bem, eu queria MUITO postar hoje. Por isso, resolvi postar algo que tinha escrito há muito tempo (algo singelo se comparado ao que escrevo ultimamente), mas nunca tinha publicado aqui. Não sei se vão absorver o que eu quis passar; não por duvidar da capacidade de interpretação de vocês, mas da minha maneira sempre complicada de mostrar o que eu penso.
De qualquer modo, foi essa a mensagem que quis passar hoje.
Ah, gente! Estou muito feliz: consegui retribuir as visitas do ano passado (mês de dezembro) e as desse ano; só falta retribuir as visitas que me fizeram no último post.
Mais uma vez me desculpem pela demora de visitar vocês, mas acho que agora tomo jeito e não deixo acumular tantas visitas assim, certo?
Outra coisa: tenho umas ideias em mente, amanhã falo o que é. Se der certo, a partir de segunda coloco em prática.
Hoje foi meu dia no Divã cor de rosa; se quiserem conferir, cliquem aqui.
Fico por aqui, gente.
Até amanhã!
E aquele abraço...♫

26 comentários:

  1. hum... quando eu era mais novo isso acontecia aqui em casa também... na época eu não tinha pc e nem via tv [bem como não vejo hoje], hehehe... mas era legal ver a família reunida e conversando, eu saia do quarto também... acho que para ter um pouco mais de contato... rsrs

    ResponderExcluir
  2. É como voltar no tempo, desacelerando a evolução: ao anoitecer há somente singelas opções para descontração ou histórias a contar, ou ler sobre a luz das velas. Que lindo!

    Acho que todos possuem uma história assim para compartilhar.

    Beijos, flor!
    ;*

    ResponderExcluir
  3. tu totalmente me descreveu nesse mini poema. eu acho uma delicia quando falta energia, aquele silencio na rua... quando tem Lua cheia, eu fico boba, sabe? é tão diferente, paraece que estou em outro lugar. :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Sabe qual foi meu aniversário mais doce? O de 6 anos, que faltou luz um pouco antes do parabéns, e mesmo assim cantamos, comemos bolo, e eu fiquei no colo do meu pai, que começou a fazer bichinhos de sombra, com as mãos, refletidos na parede.

    Adoro essa lembrança! ^^

    Beijos, querida. Vou passar no Divã.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  5. Vou jogar palavras...
    No passado as pessoas se viam mais. Se relacionavam mais. A noite, sentavam nas portas das casas e ficavam contando casos, jogando conversa fora, se conhecendo ou reconhecendo.
    Parece contradição que, nesse nosso mundo globalizado, onde todos sabem tudo na hora, não sabemos nada daqueles que moram com a gente na mesma casa ou dos vizinhos.

    Vou te visitar sempre para sacudir ou jogar palavras. Me visita também.

    ResponderExcluir
  6. A eletricidade e a mecanização das coisas tomaram tanto as nossas vidas que hoje as meninas não precisam nem mais saber lavar a roupa: põe na máquina!
    Mas há coisas que as máquinas não podem fazer, como emanar essa luz da qual vc falou. Juntar a família. Infelizmente isso raras vezes acontece quando há energia elétrica.

    Post muito massa, como sempre.
    Ahn, o vestibular não é demônio não, mas estou tão doida por causa disso que é possível o povo achar que estou possuída, haha. É só ver como eu fiquei depois do assalto.
    É. Agora só Deus perscruta quando vou ler um livro bom. Assim eu choro!

    ResponderExcluir
  7. Sinto falta disso. Saudades dos simples e eternos momentos!
    Beijos, Poetisa.

    ResponderExcluir
  8. Acho que já foi o tempo em que quando acabava a energia todos se uniam...
    Mas já tive momentos bons como esses...
    Que agora só estão na lembrança...

    Bjs

    P.S.: Nem preciso dizer que amei tua visita...
    Fiquei muito feliz... =D

    ResponderExcluir
  9. Ficou bom! (Até já sei quem tava na internet...)

    É realmente assim! Todos dependentes da energia elétrica, só reparam uns nos outros quando esta falta...

    Bah, andava meio sumida daqui (tu sabe que não pude manter meu vicio diario na internet esses últimos dias) e não faço nem ideia de quando trocou o lay... Possivelmente estou atrasada, mas ficou lindo!!! (Se bem que nem tão atrasada, afinal eu vi no 'processo de criação' antes de todo mundo)

    Bjo, Ericona!

    ResponderExcluir
  10. Érica.

    Uma descrição perfeita de momentos encantadores que não voltam...

    Mas é preciso olhar para o futuro e viver da melhor forma possível!!!

    beijão

    ResponderExcluir
  11. hoje em dia tanta moderidade acaba nos separando ao invéis de juntar, engraçado que quando falta energia hoje, pessamos logo que horas ela vai voltar pois não conseguimos ficar muito tempo longe dessa modernidade.

    a falta de energia, nos apresenta pessoas que não conheciamos e que por incrível que pareça divide o mesmo teto conosco :S

    ResponderExcluir
  12. Amo quando acontece isso de todo mundo ficar a luz de vela,ou de celular mesmo.
    Parece que a família,fica mais família do que já é.
    Beijos,
    ;**

    ResponderExcluir
  13. Isso é verdade mesmo, ao mesmo tempo que a tecnologia aproxima quem está longe afasta quase sempre quem está perto.

    Obrigado éla visita constante,
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. É singelo e tão real..
    Às vezes eu dependo tanto da internet pra me sentir mais feliz (tipo lendo blogs assim), mas sei que estando aqui (quando meus parentes também estão) estou perdendo cosias valiosas.

    ResponderExcluir
  15. O escuro sempre aguça a criatividade e os sentidos
    haha

    ResponderExcluir
  16. as vezes eh triste pensar que a gente se prende tanto a essa coisa de modernidade,que se esquece das coisas mais simples neh?

    lindo texto

    beijo

    ResponderExcluir
  17. Com a chegada da tecnologia, todos esqueceram dos momentos importantes que temos que passar com nossas famílias (:

    Você escreve tãaaaaaaao bem *_*.


    beiejos.

    ResponderExcluir
  18. Quão sábias palavras! O belo é muitas vezes singelo.

    Disseste o que quase ninguém percebe, até um fato modificador ocorrer: no teu caso, a falta de energia elétrica. É como perder alguém por não dar-lhe atenção, não saber lhe valorizar.


    Gostei demasiado do teu cantinho!
    Um beijo

    ResponderExcluir
  19. Mais uma vez a tecnologia que nos afasta do calor humano. E esses momentos são raros mesmo. E vc teve sorte, pq aqui em casa qnd acaba a luz, vai cada um pra sua cama...

    ResponderExcluir
  20. Amei seu blog! Tudo aqui tá maravilhoso, o layout e os textos que eu li, todos são ótimos, de coração, parabéns! Eu acabei de criar o meu e fiz uma breve apresentação... se você puder dar uma força e comentar dando sua opinião, e se gostar, me seguir, eu agradeço muito querida! Beijos, e continue assim xx

    ResponderExcluir
  21. Erica, lendo teu verso encontrei um lugar em mim. Há algum tempo perdia a sensibilidade com: velocidade, vaidade, futilidades, entre outras coisas, estava me afastando de uma parte importante em mim. Puxei o freio de mão perigosamente, e aos trancos e barrancos estou me redescobrindo, resgatando minha sensibilidade.

    Relembrei meus motivos no teu texto.

    Bj

    ResponderExcluir
  22. Erica,

    Depois disso me resta apagar as luzes e chamar os meus....

    que lindo amiga....

    amei.

    beijão

    ResponderExcluir
  23. Sabe quando teve o apagão em vários estados do Brasil? Eu estava em um restaurante e aporta era automática, não abria sem energia elétrica, chovia, só estávamos eu e minhas amigas e aqueles foi um dos dias mais felizes. Todas riamos do calor do restaurante, da chuva que não parava de cair, umas das outras. Parece que ficamos mais unidas quando a luz se apagou, como se a falta de luz nos obrigasse a nos unirmos, foi ótimo. Uma reflexão maravilhosa sobre uma coisa que às vezes nos revolta. Beijos, Mel

    ResponderExcluir
  24. eu gosto quando falta luz em dia de chuva. é nostálgico, mas bom. ainda mais se for domingo kkk
    gostei muitíssimo do poema (;
    bjo grande, ericona :*

    ResponderExcluir
  25. Nossa! Eu tb adoro quando falta energia. E tu escreveste tãooooooo bem. AA sempre, ne? Me impressiono com tua escrita, tua poesia.
    A verdade é que a modernidade veio para facilitar, mas meio que agrada a todos, mas os afastam tb. Veja só. Agora tem alguem vendo TV, o outro está jogando video-game, outro no computador. Cada um espalhado por um canto, todos tão separados...
    ADOREI!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  26. Ah, eu adoro quando falta luz, acho que o tempo passa devagar, talvez até mais bonito, sei-lá. É algo inesplicável, sentar no escuro da varanda ou se debrussar na janela, ou até no sofá da sala a luz de velas e ver o tempo passar sem nada pra impedir isso. Conversar com a família de forma com que tão pouco se conversa na correria do dia-a-dia. Beeeijo!

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?