22 fevereiro 2015

Resenha: Belle - Lesley Pearse


Belle
Lesley Pearse
Novo Conceito
560 páginas
☺☺☺☺☺
Sinopse: Londres, 1910.
Belle, de 15 anos, viveu em um bordel em Seven Dials por toda sua vida, sem saber o que acontecia nos quartos do andar de cima. Mas sua inocência é estilhaçada quando vê o assassinato de uma das garotas e, depois, pega das ruas pelo assassino para ser vendida em Paris.
Sem poder ser dona de seu próprio destino, Belle é forçada a cruzar o mundo até a sensual Nova Orleans onde ela atinge a maioridade e aprende a aproveitar a vida como cortesã. A saudade de casa — e o conhecimento de que seu status como garota de ouro não durará muito — a leva a sair de sua gaiola de ouro.
Mas Belle percebe que escapar é mais difícil do que imaginou, pois sua vida inclui homens desesperados que imploram por sua atenção. Espirituosa e cheia de desenvoltura, ela tem uma longa e perigosa jornada pela frente.
A coragem será suficiente para sustentá-la? Ela poderá voltar para sua família e amigos e encontrar uma chance para a felicidade?
Autora # 1 best-seller, Lesley Pearse criou em Belle a heroína de nossos tempos: uma mulher forte que luta por seus direitos em um mundo perigoso.

Depois de ler Belle, eu quero dizer o seguinte a Lesley Pearse: “Cara Lesley, escreveste um romance completamente envolvente e espetacular!”. Não conhecia o fazer literário de Lesley, mas... caramba, com Belle, foi amor à primeira vista. De verdade, fazia bastante tempo que eu não lia nada tão completo e tão espetacular. Lesley construiu um excelente romance que detém variados elementos: tráfico internacional de mulheres para fins de prostituição nos anos de 1910, investigação, violência física e verbal, reviravoltas impressionantes, personagens fortes e admiráveis e uma trama bem intricada, bem amarrada, que faz o leitor prender a respiração a cada momento delicado da obra. Lesley ganhou mais uma fã!
O livro contém 560 páginas, é narrado em terceira pessoa e se divide em 39 capítulos. Eu li em e-book, mas estava ciente do número de páginas e confesso que me preocupei um pouco com isso porque, se o livro não fosse bom o suficiente, com certeza a leitura ficaria arrastada e eu demoraria “mil anos” para terminar de lê-lo. Mas que preocupação besta, a minha! Belle, de modo algum, é um livro arrastado. Devorei essa obra-prima de Lesley, ao mesmo tempo em que não queria que ela acabasse. A narrativa em terceira pessoa é uma boa porque o leitor tem uma dimensão maior sobre a estória como também acerca dos personagens.
Como a sinopse denuncia, Belle mora num bordel, e sua mãe, Annie, é a administradora do lugar. Annie, por ter as suas razões que, aos poucos, serão reveladas ao longo das páginas, protege Belle para que ela não tenha contato com o que ocorre no andar de cima de sua casa, dando ordens extremas para que a garota não se aproxime do primeiro andar no horário de funcionamento. Ainda que Belle tivesse curiosidade em saber o que acontecia na Casa de Annie e o que as garotas que moravam lá faziam, sempre respeitava as ordens da mãe e acatava os conselhos de Mog, a empregada de Annie que Belle considerava como a sua verdadeira mãe, pelo modo caloroso com o qual a tratava e cuidava dela, muito diferente da fria Annie.
No entanto, por acidente, certo dia Belle acabou descobrindo em que consistia um bordel. Da pior forma possível, é bom que se diga. Sem ser vista, ou era o que ela acreditava, Belle presenciou Mille, uma das garotas de sua mãe, ser violentada e assassinada. Foi, então, que a sua inocência foi quebrada e a sua vida, antes tão pacata e tão monótona, virou de cabeça para baixo. Ela foi raptada por Kent, o homem que matou Mille, e foi vendida para ser prostituta, inicialmente em Paris, posteriormente em Nova Orleans. Belle vivenciou o inferno em Paris. No bordel da malévola Madame Sondheim, foi abusada não uma, não duas, não três vezes, mas cinco vezes, por cinco brutos homens, quando era praticamente uma criança.
Após ficar muito doente em decorrência de tanto abuso e de ser cuidada por Lisette, personagem que tem a sua cota de importância na estória e que, a contragosto, faz parte da organização de tráfico de mulheres, Belle é levada por Etienne, outro personagem que é deveras importante na estória e na vida de Belle. Ele trabalha para organização quase que obrigado, por meio de ameaças. Faz parte dessa rede quase que por questão de sobrevivência, não só pela sua própria, sobretudo pela de sua mulher e de seus filhos. Belle e Etienne criam um laço improvável na viagem até Nova Orleans. Um ponto que briguei com a Lesley mentalmente. Como Belle pode se afeiçoar por Etienne, pessoa que a está levando para ser prostituta em um local ainda mais distante de sua família? Lesley Pearse, com muito tato, nos apresenta Etienne e todas as suas razões. Não que justifique, mas de certa forma explica a sua personalidade e os seus atos. Os dois se interessam genuinamente um pelo outro, contra todas as possibilidades e a lógica.
 Ainda assim, Etienne precisa cumprir o seu trabalho e pensa, realmente, que está deixando Belle em um local bom e seguro, na casa de Martha. Até mesmo Belle, por uns tempos, se deixa iludir e acha que a vida que foi empurrada a viver pode ser boa e levá-la a riqueza. Como nem tudo são flores, Belle mais uma vez é surpreendida ao saber como realmente funciona a casa de Martha. E, assim, Belle começa a sua saga de confiar nas pessoas erradas, iludida de que elas serão seu passaporte para voltar para casa.
Belle sofre muito, muito mesmo na sua jornada como cortesã e prostituta. Há momentos em que ela julga estar na glória e se deixa ludibriar por uma vida glamorosa, mas certamente perigosa. Ela é destemida e usa todos os seus atributos e lábia para tentar se safar de todas as emboscadas nas quais acaba caindo, ora por causa da sua ingenuidade, ora por causa da sua ambição, ora por ambas as coisas. Nem sempre Belle consegue e precisa de ajuda para sair de grandes apuros. Enquanto Belle vivencia os dissabores e as delícias da sua vida como prostitutas, há uma força-tarefa montada por sua querida Mog, que, por anos a fio, não desistiu de encontrá-la. O jornalista Noah, a pedido de Mog, foi quem começou a investigação e, tempos depois, descobriu o desaparecimento de outras meninas, provavelmente ligadas ao desaparecimento da própria Belle. Jimmy foi uma das pessoas mais incansáveis na busca por Belle. Ele, que teve pouco contato com Belle, mas que jamais conseguiu esquecer a menina de olhos azuis e cabelos escuros encaracolados. Um rapazote apaixonado é capaz de ir aos céus ou aos infernos para encontrar a sua amada. O tio de Jimmy, Garth, inicialmente apresentado como um homem rude e intragável, também evolui bastante no decorrer da trama. E, de alguma maneira, todos os acontecimentos da vida de Belle mudaram não só a sua própria vida, como também a das pessoas que entram em contato com ela. Quase sempre para melhor, é bom frisar. Mog desabrochou para vida. Annie deixou que Belle quebrasse um pouco da barreira que sempre as separou. Jimmy se tornou um homem forte, bonito e aguerrido. Garth, o tio de Jimmy, se transformou em um novo homem quando o caminho de Mog cruzou o seu. Noah foi de um simples investigador de seguros a um jornalista de sucessos, cobrindo, com maestria, casos grandiosos e polêmicos. Etienne e Jimmy são os grandes homens na vida de Belle, que a salvaram em momentos cruciais de sua vida e, por essa razão, disputam um lugar muito precioso em seu coração. Etienne é a paixão treslouca, Jimmy é o amor, o porto seguro.
É um livro repleto de fortes emoções. Há trechos com descrições de sexo, ora explícito, ora violento, ora nauseante. Considero uma leitura válida para sair da zona de conforto. Infelizmente, a questão do tráfico de pessoas existe e deve ser investigado, e os culpados, punidos. Traficar pessoas é hediondo. As pessoas que têm as suas vidas bagunçadas pelo tráfico humano precisam ser muito fortes para não sucumbirem às lembranças dolorosas e aterrorizantes.
Sei que falei de Belle de um modo pesado, embora realmente tenha elementos assim em toda a trama, não é tudo o que o livro oferece. Há momentos de doçura, de encanto, de poesia e de amor na obra de Lesley também.
Sim, eu realmente adorei o livro! Há muito tempo que não lia nada tão arrebatador e inquietante. Parabéns a Lesley Pearse, grande romancista inglesa, por essa obra estupenda. Um romance de época muito bem feito. Lesley, pelo que pude observar, fez uma ótima pesquisa histórica, para ser fiel aos cenários e aos lugares que retratou em suas devidas épocas. O toque descritivo dela é na frequência certa. Nem descrições demais nem de menos: na medida exata para propiciar ao leitor uma visão completa das cenas contadas. Novo Conceito publicou Belle em 2012, com uma capa muito bonita e uma diagramação bela. No Skoob, pode-se ver que a maioria das pessoas deu nota máxima para o livro. Mais uma prova de que é um livro verdadeiramente encantador.
Há um segundo livro de Lesley, que é quase como uma continuação e uma finalização da história de Belle. Chama-se Entre o amor e a paixão. A Novo Conceito, quando ainda era parceira do blog, me enviou um exemplar. Quando eu finalizar a leitura de outros livros que também quero muito ler, certamente o lerei e farei uma resenha com a finalidade postar aqui no blog.

Erica Ferro

 

Book trailer:

Se quiser seguir, essa é a fan page do blog e esse é o perfil do Sacudindo no Twitter.
Um abraço da @ericona.
Hasta la vista!

10 comentários:

  1. Tem uns dois anos que li esse livro, se eu te falar que lembro bem dos detalhes estarei mentindo, mas lembro que na época gostei muito do livro. Apesar de ter muitas páginas a leitura não é cansativa, e a história consegue nos prender.

    Sim Erica, eu sou a Jaqueline do antigo Nua e Crua. Mudei um pouco minhas prioridades e acabou que o nome do meu blog começou a me incomodar, resolvi então ir para uma nova morada.

    Gostei muito da sua resenha, você escreve muito bem.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. oiee Ericona! Todos falam muito bem desse livro. Na verdade, nunca li uma resenha negativa sobre ele. Ai...sou louca para ler, mas ainda não tive tempo. Todo dia ele me olha da estante e eu olho para ele . kkkkkkkkk
    Beijos!
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  3. Aceito esse livro de presente, ta? rs

    Parece ser espetacular!

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Achei interessante por ser de época, adoro leituras que nos transportam a tempos passados.
    beijos.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Érica!
    Li Belle quando o Luciano Santos (.Livro) falou sobre ele. Apesar das inúmeras páginas, não achei cansativo. Ele é muito bem escrito.. tanto que no 2° livro, me senti na 1° Guerra Mundial, chorei com os acontecimentos. Livro bom te transporta pela história de uma forma magnifica!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  6. Amei, amei, amei esse enredo! *-*
    Vou procurar já esse livro, haha
    Beijão, Ana do dia ♥

    ResponderExcluir
  7. Oi Erica! Tudo bem?
    Agradeço pelo elogio com relação ao vídeo no Youtube, fiquei muito lisonjeada. <3
    Sobre a resenha: apesar de eu estar evitando livros longos no momento, fiquei muito instigada. Faz tempo que não leio um bom romance complexo e mais pesado, com diversas nuances e acontecimentos mais sérios.
    O tráfico de pessoas é nauseante só de pensar, mas infelizmente é uma realidade. Ver uma personagem passando por isso, se afeiçoar a ela, deve trazer momentos de desconforto significativos ao longo do livro. Ainda assim, é uma temática muito válida!
    Parabéns pela resenha!
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Érica,
    Tenho esse livro aqui e sempre enrolo para a leitura, gostei que você disse que é pra tirar da zona de conforto, pois já anima bastante.

    No aguardo da resenha da continuação *.*

    Mas é menina o discurso do homem em Selma arrepia mesmo kkkkkkkk

    Morro de rir com esse 'não sou um robô' aqui x.x

    bjs e tenha uma ótima terça
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  9. Eu sempre leio resenhas incríveis sobre esse livro e embora tenha os dois, esse e a continuação, nunca li. Não sei, sempre que penso de ler algo antigo da minha estante passo por ele e não me atrai. Vou procurar dar uma chance pra ele ontem. kkkk Ótima resenha!! =)

    Bjs, @dnisin
    www.seja-cult.com

    ResponderExcluir
  10. Como a Luma, sou leitora assídua do .Livro do Luciano, então já tinha ouvido falar de Belle. Mas sua resenha pungente fez eu olhar novamente para a história e encarar seu peso. Não sou uma amante inveterada do século XX sabe, as vezes acho que evito histórias contextualizadas nele e vou mais a anos anteriores, também tenho pulado algumas tramas mais pesadas, mas você recolocou Belle no meu mapa de leituras futuras.

    Quando reunir forças me encontrarei com ele.

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?