10 janeiro 2013

Resenha: Não conte a ninguém - Harlan Coben


Não conte a ninguém
Harlan Coben
Editora Arqueiro
250 páginas

Há oito anos, enquanto comemoravam o aniversário de seu primeiro beijo, o Dr. David Beck e sua esposa, Elizabeth, sofreram um terrível ataque. Ele foi golpeado e caiu no lago, inconsciente. Ela foi raptada e brutalmente assassinada por um serial killer.
O caso volta à tona quando a polícia encontra dois corpos enterrados perto do local do crime, junto com o taco de beisebol usado para nocautear David. Ao mesmo tempo, o médico recebe um misterioso e-mail, que, aparentemente, só pode ter sido enviado por sua esposa.
Esses novos fatos fazem ressurgir inúmeras perguntas sem respostas: Como David conseguiu sair do lago? Elizabeth está viva? E, se estiver, de quem era o corpo enterrado oito anos antes? Por que ela demorou tanto para entrar em contato com o marido?
Na mira do FBI como principal suspeito da morte da esposa e caçado por um perigosíssimo assassino de aluguel, David Beck contará apenas com o apoio de sua melhor amiga, a modelo Shauna, da célebre advogada Hester Crimstein e de um traficante de drogas para descobrir toda a verdade e provar sua inocência.
Não conte a ninguém foi o livro mais aclamado de 2001, indicado para diversos prêmios, entre eles Edgar, Anthony, Macavity, Nero e Barry. Em 2006 foi adaptado para o cinema numa produção francesa vencedora de quatro Cesars (o Oscar francês), inclusive de melhor ator e diretor.

Não sei se acontece com vocês, mas, quando leio um livro extremamente bom e incrivelmente arrebatador, sinto uma dificuldade enorme em tecer comentários sobre ele, por achar que nada do que eu diga traduzirá o quanto o livro é maravilhoso. Porém, mesmo assim, correrei o risco com Não conte a ninguém. Preciso falar sobre ele aqui, indicá-lo a vocês. 
O livro começa sendo narrado por David Beck. Ele está recordando de quando ele e sua esposa, Elizabeth, foram ao lago Charmaine, oito anos atrás. Eles se conheceram muito cedo, quando os dois eram crianças ainda. Tornaram-se inseparáveis desde então. A amizade infantil deu lugar a um amor forte, belíssimo. Depois que deram o primeiro beijo, por volta dos doze anos de idade, resolveram gravar as iniciais de seus nomes numa árvore e, a cada ano, para comemorar o aniversário do primeiro beijo, eles voltavam ao lago para gravar mais uma barrinha lá na árvore na qual deram a primeiríssima bitoca. É no 13° aniversário que acontece algo que muda completamente a vida de David. Ao anoitecer, depois do ritual de todos os anos, numa escuridão desconcertante, Elizabeth sai um pouco do lago e Beck permanece nele. Beck escuta algo estranho e depois escuta um grito de Elizabeth. Beck corre para fazer algo por ela, descobrir o que está acontecendo, e então alguém mete um taco de golfe algumas vezes em sua cabeça. Ele cai no lago, inconsciente. Beck sobreviveu milagrosamente. À princípio, é um mistério cono ele saiu do lago, se arrastou até a cabana e ligou pedindo socorro. Ele não se lembra de nada de depois da tacada, a não ser quando já está no hospital. O livro revela isso aos pouquinhos, bem aos pouquinhos, o que é algo bem instigante. Dias depois do ocorrido no lago, um corpo é encontrado numa estradinha e o pai e o tio de Elizabeth vão reconhecer o tal corpo e dizem ser mesmo de Elizabeth. O assassinato é atribuído a KillRoy, um serial killer, que costumava raptar, torturar e matar mulheres, marcando com fogo em brasa na face delas, ainda com vida, a letra K. Após isso, a vida de David nunca mais será a mesma. Ele é pediatra e mergulha de cabeça no trabalho, o que lhe dá algum conforto, alguma satisfação, entretanto ele não consegue superar a dor de ter perdido a sua tão amada esposa, o amor de sua vida desde a infância.
Então, oito anos depois da tragédia no lago, oito anos de perder a sua amada, as coisas viram de cabeça para baixo quando David começa a receber uns e-mails codificados, e-mails que só poderiam ser enviados por Elizabeth. Será que ela está viva? Por que sumiu por tanto tempo? É algo que desperta uma curiosidade gigantesca no leitor. Concomitantemente com o recebimento dos e-mails, encontram dois corpos no lago Charmaine, corpos que parecem estar ali há uns oito anos. A polícia volta a sua atenção a isso. E, de um dia para o outro, David se descobre suspeito da morte dos homens que foram encontrados no lago. A polícia e o FBI ficam na cola de David, colhendo provas e, à medida que a investigação avança, ficam mais crentes de que David é culpado não só pela morte dos dois homens, como também de sua esposa e de outra pessoa (não darei detalhes) que é assassinada ao longo do livro. Além da polícia e do FBI, um milionário, Griffin Scope, um conhecido da família de David, demonstra intenso interessante sobre o assunto e faz de tudo para matar David ou incriminá-lo pelos assassinatos. Os motivos? Só se conhece paulatinamente.
Para provar a sua inocência e descobrir a verdade por trás de todos aqueles acontecimentos sombrios, David só poderá contar com Tyrese, um traficante de drogas, sua melhor amiga Shauna e a sua advogada, a famosa Hester Crimstein.  
O livro é narrado em duas pessoas: há capítulos narrados por David Beck, o que nos possibilita conhecê-lo de forma mais direta, saber exatamente como ele é através de suas palavras, e é possível meio que entrar  em sua cabeça, ficar à par de seus pensamentos, de seus sentimentos e de todas as suas emoções. David é um sujeito encantador. Harlan Coben fez um personagem apaixonante, que sabe ser divertido, filosófico, crítico, sincero. Um homem e tanto. E há capítulos narrados em terceira pessoa, nos quais ficamos sabendo o que está se passando com os outros personagens, o que nos deixa por dentro de tudo o que ocorre na estória.
Além de David, há outros personagens igualmente memoráveis e marcantes. Como disse acima, adorei David Beck. Quero um cara como ele ao meu lado, compartilhando a vida comigo. É pedir muito? (risos) Adorei seu senso de humor, seu jeito sincero, suas pérolas e a coragem que ele adquiriu no decorrer da trama. Shauna, a melhor amiga de David, é uma personagem de personalidade forte. Shauna é destemida e singular. Adorei suas tiradas, seu humor um tanto feroz e a sua maneira objetiva de falar. Ela não tem papas na língua e confesso que me identifiquei com ela. Sou assim também, doa a quem doer. Tyrese, o traficante de drogas que ajuda David, é um cara bom, apesar da vida que leva. Ele reconhece o valor da lealdade e jamais abandona alguém que verdadeiramente o ajudou em algum momento de sua vida. E, Elizabeth, que conhecemos através das palavras de David, também nos encanta e entendemos perfeitamente o amor de David de por ela. Pois é uma personagem de coração bondoso, do tipo que crê em dias melhores e no ser humano. Hester, a advogada, nos parece um tanto arrogante em alguns pontos, até mesmo insuportável, mas há outros momentos que compensam todos os outros, momentos esses nos quais ela é brilhante, irônica com quem merece, extremamente inteligente e sagaz. Gostei dela, apesar dos pesares.
Deixe-me dizer que adorei a capa. Adoro azul e esses tons de azul, esse lago, tudo isso me encantou bastante. Não encontrei nenhum erro de digitação e não me lembro de ter achado nenhum erro de concordância ou algo assim. A editora está de parabéns!
É um livro muito bem escrito, com uma trama bem amarrada, sem brechas. É impressionante o quanto Não conte a ninguém nos prende. É impossível largá-lo até que se conheça o desfecho. É reviravolta atrás de reviravolta, é revelação de segredo atrás de revelação de segredo. É uma sucessão de espantos. Confesso que, quando estava mais ou menos na metade do livro, já fazia alguma ideia do desfecho. Só não sabia os "comos" e os "porques" do mistério. E a surpresa final foi muito boa, atendeu às minhas expectativas. Harlan nos surpreende até na última página.
Não conte a ninguém, sem dúvida alguma, entrou para a lista dos favoritos. É um prato delicioso para quem aprecia um excelente romance policial. Tornei-me fã do Harlan e não vejo a hora de ler outros livros dele. 

Erica Ferro

* * *
Gostaram da dica? Vão ler o livro? Please, leiam, vocês adorarão! Sério. É fantástico!
Acho que comecei bem as leituras de 2013, hein? 
(...)
Curtam a página do blog e sigam no Twitter.
Um abraço da @ericona.
Hasta la vista!

16 comentários:

  1. Creio que Coben está ali lado a lado com Sheldon, porque ambos escrevem suspense com uma maestria, que (perdoe-me o palavrão) pqp!

    Já li "Cilada" e indico também. A trama é outra, mas penso que ele "desenha" bem seus personagens e nos prende a cada capítulo. Às vezes, a história parece que não vai se desenrolar, exatamente, pelos muitos eventos, mas do nada ele desfaz o emaranhado e tudo se encaixa perfeitamente.

    Adorei a resenha, Erica! :D
    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. oiii
    é muito boa a resenha... gostei, muito bem escrita
    eu achei bem interessante o livro.... vou procurar pra mim ler
    estou começando a me dedicar a leitura novamente
    ver se nesse ano retomo, como era antes
    o ano de 2012, fiquei muito parada, sem ler quase nada...
    rsrs

    beijinhos *^_^*

    ResponderExcluir
  3. Nossa, parece ser muito bom mesmo!

    Ultimamente tenho lido alguns livros de mistério, investigação, policial, essas coisas. Tô amando esses temas, haha *-*

    Agora já tenho mais um pra lista de livros pra ler, haha.

    ResponderExcluir
  4. Oláá! Tudo bem com vocÊ?

    Belíssimo post! é sempre bom passar por aqui, gosto de apreciar as coisas que você escreve

    Muito obrigada pela visita em meu blog, fiquei muito feliz em ler seu comentário!

    e adorei sua postagem!

    Parabéns sempre pelo que escreve, adoro seu cantinho!

    Um grande beijo e um ótimo fim de semana!
    se cuide
    Até mais
    ;**

    ResponderExcluir
  5. Eu tenho MUITA vontade de ler algo do Harlan, todos elogiam muito seus livros e a narrativa dele. Adorei a sua resenha e eu fiquei ainda mais curiosa.
    Beijos

    http://palavrasdeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Ei, você gosta de suspense, né? Harlan Coben e agora Agatha Chrstie segundo aquele seu botãozinho do skoob ahah
    Enfim, tenho bastante curiosidade para ler um livro dele: todo mundo fala do estilo bem legald e estruturação da his´toria...

    ResponderExcluir
  7. Eu já li alguns livros do Harlan da série com Myron Bolitar, PRECISAS ler esses livros dele também Érica *O* Ainda não li esse, fiquei tentada em pegar de cortesia com a editora, mas já vinha de uma maratona de Harlan e peguei outro. rs
    Vou anotar a dica, esse livro te agradou MESMO ><

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Bela resenha. Para quem já leu o livro e gostou, sente o mesmo que você. É um belo romance policial. Na minha opinião, depois da Agatha Christie (a mestre do suspense), o Harlan ganhou o seu espaço. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  9. Flor, você acredita que eu não li O Bem Amado até hoje? No dia que sua carta chegou, cheguei a escrever uma resposta e ia enviar por correio quando terminasse o livro. Outro dia me deparei com a tal carta e acabei rasgando-a, só de raiva, por não ter lido um livro relativamente pequeno depois de tanto tempo.
    Espero que perdoe minha demora, senhorita. Mas a vida anda enroladíssima pro meu lado. Prometo mandar notícias quando ler! Já vi o filme e tenho certeza que vou adorar. Afinal, teatro é sempre teatro. ;)

    ResponderExcluir
  10. Nahim...ainda não li esse livro, mas adorooooo o Harlan. Quero muito ler com certeza. Dele já li Cilada e ameii. Òtima dica.
    Beijos!
    Paloma Viricio- Jornalismo na Alma

    ResponderExcluir
  11. Agora sim, o post: embora me considere uma leitora mais ou menos eclética, confesso que ando apaixonada por contos. Talvez por culpa da faculdade. Mas, também por culpa da faculdade, fiquei de olho na sua resenha e gosto do jeito que as pessoas tem de falar de alguma coisa de que gostam muito. Fiquei imaginando você fechando o livro e olhando a parede por uns cinco minutos, chocada com o fato de o livro ter acabado, tentando processar a história toda. Acertei? To com saudade de me deixar envolver assim com um livro. O último que amei tanto foi Parem de falar mal da rotina, da Elisa Lucinda. É beeeeeeem diferente do que Não conte a ninguém parece ser, mas acredito que te agradaria. Se der, dá uma olhada. Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Bela resenha! Deu muita vontade de ler esse livro, Estou comum livro aqui do Coben, mas ainda não peguei para lê-lo, mas pretendo em breve, pelo que eu percebi, os livros dele são ótimos!

    Jéssica - Strawberry de livros e filmes

    ResponderExcluir
  13. Boa resenha, já li outras sobre esse livro ele parece ser realmente interessante.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Oi Erica, tudo bem flor?
    Tive minha primeira experiencia com o Coben lendo Alta Tensão e não me arrependi. O livro é simplesmente incrível, cheio de detalhes que me fizeram ficar grudada nele durante toda a leitura. Coben realmente sabe fazer um bom romance policial. Ainda não li Não Conte a Ninguém, mas agora estou morrendo de vontade. Sério mesmo Erica. Vou tentar ler o mais breve possível.
    Abraços flor,
    Amanda Almeida

    ResponderExcluir
  15. Esse livro é incrível e achei que só eu gostasse dele! Ele é muito cheio de mistérios e até a última página do livro tem muitas revelações. Adorei a resenha e vai deixar o pessoal com vontade de ler! Vale muito a pena!

    thefuturenails.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Adorei o livro, caramba não consegui largar, até chegar ao fim dele, muito bom mesmo, recomendo a todos, me interessei nesses romances policiais faz algum tempo, e não vejo a hora de ler outros livros do mesmo autor. E por fim adorei a resenha, e realmente o Coben nos surpreende até na última página. Não dou nota dez, porque já dei nota mil pra esse livro. Abraços!

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?