30 dezembro 2012

♫ Eu assim, você assim... ♫*



"Nunca, nunca, nunca, nunca
Fuja, finja, fale que eu não disse
Baby, baby, baby, baby
Vamos ser sinceros, come on baby!"


Acredito que seja impossível passar pela vida sem se magoar ou magoar alguém. É, definitivamente é inviável atravessar o mar da vida e chegar a outra margem intacto. De um modo ou outro, nos magoamos. Não só nos magoamos, como também magoamos os outros. Faz parte da nossa natureza imperfeita. Não há como nos livrar dessa nossa característica ferina. Porém, o que é verdadeiramente inaceitável é sofrer calado. É ser ferido e ficar chorando no canto, calado, com a dor engasgada na garganta.
Mas não, não se julgue covarde, apenas comedido em seus atos e suas palavras. Não é a toa que creio que há poucas pessoas que parem para refletir sobre suas próprias atitudes antes de apontar o bedelho nas fuças do outro. Porque, afinal, vivemos em pleno “júri popular” cotidianamente, onde se procura culpados e nós – o lado frágil -, no mínimo, seremos as vítimas.
Sabe quando você se entende perfeitamente com alguém e, num dia qualquer, esse alguém profere uma palavra de modo descuidado, ou faz algo que nos atinge de uma maneira negativa? Pronto, parece que grande parte do encanto se desfaz e, subitamente, aquela relação, antes harmoniosa, se torna tensa e “cheia de dedos”. Você se sente magoado, se sente triste, porque, mesmo sem saber se houve ou não a atenção de te deixar pra baixo, deixou e você não consegue simplesmente deixar pra lá. Você se sente sufocado e, numa bela manhã, resolve explodir e despejar tudo ao tal alguém. E aí, amigo, as coisas podem ficar verdadeiramente feias.
Exagero? Não. Sensibilidade à flor da pele? Talvez. É custoso manter um diálogo quando tudo já veio por terra abaixo. Provavelmente, a parte magoada melindre e a outra se sinta acuada, porque nem sabe o que cometeu. E aqui vejo onde mora o erro – as pessoas têm medo de chatear umas às outras com a verdade quando se sentem incomodadas e ao acumular esse rancor dito “bobo”, pode nos trair por dispará-la num momento inoportuno.
E é totalmente possível magoar alguém, e nem ao menos se dar conta disso. Como dizem alguns: “Eu sou responsável pelo que digo, não pelo que os outros interpretam...”. Porém, quando a parte magoada abre o seu coração, ela espera que a outra, a que magoou, tente entender seus sentimentos, mesmo que eles sejam meio loucos, meio exacerbados. Não somos responsáveis pelas interpretações alheias, mas podemos analisar nossas palavras, estudar, de forma honesta, se elas não dão mesmo margem a uma interpretação equivocada. Porque, dessa maneira, evitamos tantos desentendimentos, tantas picuinhas sem importância.
Confesso com todas as letras: sou sentimentalóide assumida. Tenho medo de ferir os outros com minhas palavras e, se porventura, firo o outro com o que falo ou pela maneira como ajo, dou logo um jeito de engolir o orgulho e tentar entender seus motivos. Porque quando sou eu o lado atingido, sei como é. Às vezes, esses mesmos motivos parecem não ter pé, nem cabeça. Mas sinto-me incomodada por ter causado tamanha confusão por “nada”. Pois esse “nada” é sempre “tudo” pra alguém. Acredito que o sentimento mais humano talvez não seja o amor e, sim, a empatia – um pedacinho de amor e respeito. Pra que nos faça entender e acolher o outro. E o equilíbrio é o motor pra todo bom relacionamento.

Bárbara Farias & Erica Ferro


• • •
Eu já disse que estou achando enormemente lindo essa coisa de blogar frequentemente? Disse, não é? Pois é, estou mesmo. 
Ah, e esse post é especial! Por quê? Porque é sobre um tema que há muito queria falar e porque é em parceria. Há eras que não postava nada em parceria aqui no Sacudindo Palavras. Que gostoso é escrever assim, em dupla, sobre um tema que ambas queríamos falar!
Tudo bem que a nossa maior inspiração foi um post que fiz hoje no Facebook. Gostei bastante do nosso texto, Babizoca. Adoro-te um tantão, viu? Adoro o seu lado coração e me encanto por muitas das suas ideias e ideais.  
(...)
E vocês, pessoas que leem o Sacudindo Palavras? Apreciariam o texto? O que têm a dizer sobre ele?
Um abraço da @ericona.
Hasta la vista!


9 comentários:

  1. Own... Amo/ sou declarações. Obrigada pelas palavras, Morena. Sabe, às vezes, bate uma vergonhazinha de escrever contigo, porque cê escreve bem demais, moça! Te admiro e cê sabe disso.

    Um beijo! :)

    ResponderExcluir
  2. Eu nunca escrevi nada em parceria, pelo menos não que me lembre e não posso negar que goste de verdade. Ficou lindo, moça. :D

    ☠ ‏Vitamina de Pimenta ☠

    ResponderExcluir
  3. Falo só por mim e não por todas as pessoas, mas na minha história de vida, sempre que vou ficando insatisfeita demais com a minha vida, vou me magoando facilmente com os outros e vou magoando os outros, também, com mais facilidade. Acho que essa relação é diretamente proporcional.

    Portanto, ando numa fase de mágoas... rsrs. Mas vai passar, tenho fé nisso.

    Um feliz ano de 2013 para ti, com muita saúde e paz!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  4. São poucos os blogueiros que conseguem me tocar com textos quaisquer!
    Mas você é diferente!! Suas palavras vão lá no fundo, me dizendo uma verdade que eu não gostaria que fosse diretamente dita!
    Adoro seu blog!
    Beijos,
    Vinícius - Livros e Rabiscos

    ResponderExcluir
  5. Babi e Erica, duas amigas talentosas e que escrevem textos lindos, a parceria de vocês está simplesmente PERFEITA, bom me deixou sem palavras para quaisquer comentários. Mas tentarei deixar uma mera mensagem aqui, as magoas é algo tão complicado, que as vezes por mais que não queremos magoar alguém sempre acabamos magoando, ou sendo magoado, por esperar de mais das pessoas que acabam no final nós decepcionando. Quero desejar um feliz ano novo, que 2013 seja um ano cheio de coisas boas,muita inspiração, parcerias, textos belos!

    ResponderExcluir
  6. Erica amei essa parceria com a Barbara, texto lindo que diz muito da gente, me identifiquei um pouco nas suas palavras, lindíssimo amiga, um ótimo 2013 que seja cheio de conquistas e belos textos como esse!

    ResponderExcluir
  7. Válida reflexão. É mesmo muito ruim guardar a dor só por causa do medo de magoar a outra pessoa. Nesse processo, acabamos ferimos a nós mesmos, e isso simplesmente não vale a pena. Com cuidado e empatia, dá pra equilibrar os nossos sentimentos com os sentimentos dos outros.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Olá Erica!

    Primeiramente não posso deixar de agradecer pelas suas visitas no meu blog, né? Fico feliz que goste dos meus textos, eles são praticamente uma parte de mim! Muito obrigada, de verdade!

    Não posso deixar de dizer também que o sentimento é recíproco. Já faz um tempo que acompanho seu blog, mas nunca fui muito de comentar - principalmente por ser bastante tímida.
    Sinceramente? Foi a melhor atitude que tomei pois te admiro muito e ter você lendo um pouco os meus pensamentos é, no mínimo, muito gratificante!

    Sobre o texto, já até comentei no blog Bárbara mas, como gostei muito - principalmente da parceria que claramente deu super certo - me sinto obrigada a comentar novamente! haha

    Sou do tipo que se magoa com uma facilidade medonha. Meu coração é bastante aberto e concedo acesso a muitas pessoas que, mesmo as vezes sem perceber ou sem ter a intençao, acabam com meu pobre órgão que sempre vive transbordando sentimentos. Acho o assunto bastante delicado e democrático, visto que todas as pessoas provavelmente já passaram por uma grande decepção ou já decencionaram alguem - que é uma sensação tão ruim quanto ser a vítima.
    Infelizmente, não existe fórmula mágica para lidar com isso e, muito menos, é possível evitar ou prever.

    Belo texto!
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  9. As vezes a gente acaba de viver intensamente por medo de magiar alguém.

    Paula Daniele

    http://paulinha-chan.zip.net

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?