09 julho 2009

E vale a pena perseverar quando se tem uma meta a alcançar!


Perseverança: qualidade dos que não se deixam abater pelos problemas, as dificuldades; qualidade dos fortes, dos 'teimosos'.
Perseverança é a teimosia boa, diria assim. Por que comparei a perseverança com a teimosia? Ora, porque ser teimoso é persistir numa ideia ou num ato mesmo que tudo conspire para que ele desista, para que ele mude de opinião.
Tudo bem que há teimosos que estão errados e cegos, digamos assim, que não se dão conta que estão insistindo numa coisa que não é certa, que não é boa.
Mas há também pessoas que são sonhadoras, obstinadas por seus objetivos, que são perseverantes, que são, de uma forma boa, teimosos.
Pessoas perseverantes geralmente não têm vidas fáceis, sofrem, caem, mas se levantam. E por quê? Porque há algo dentro deles, algo maior, mais forte, que os impulsiona a viver, a buscar um sentido para as suas vidas, a realizar seus sonhos, concretizar seus projetos.
Posso dizer com certeza que a vida não é fácil, e a maior parte da humanidade sabe e vive o lado difícil da vida.
As dificuldades que o mundo enfrenta vão de falta de comida na mesa à falta de sentido para a vida.
Como Augusto Cury diria: Há muitos miseráveis morando em mansões.
Concordo com ele.
Sabe por quê?
Porque é uma verdade gritante. Nós vemos muitas vezes pessoas ditas humildes sendo modelos de felicidade, de amor pela vida, de perseverança. Sofrem, tem uma vida difícil, mas também tem sonhos. Sonham em fazer a vida valer a pena. Querem um sentido para sua existência. Querem ser notados. Querem honrar sua condição de ser vivo: viver a vida com força e coragem.
Há aqueles também que não tem sentido, propósitos, para as suas vidas. Alguns são ricos, outros são pobres, mas, de qualquer forma, estão no mesmo grau de pobreza espiritual. São vazios, sem rumos, sem desejos. Essas pessoas precisam se encontrar com elas mesmas, precisam ter um momento de reflexão, precisam se reavaliarem. Precisam descobrir um motivo ou arranjar um motivo para respirar. E o mais esperável é que elas encontrem, enxerguem, elas próprias. Isso não é ser excêntrico, não é ser narciso, é apenas se amar de uma maneira saudável, pois isso é preciso, é fundamental.
Quantas vezes me vi à prova? Quantas vezes fracassei e quis desistir? Mas o amor que eu tinha por mim e pelo o que acreditava me movia a continuar o meu trajeto em direção ao alvo, ao meu sonho, ao meu desejo. Nessas horas eu me agarrava à fé, aos sonhos, à perseverança.
A vida é engraçada também. Mas é engraçadamente inteligente, racionalmente. Por isso na hora do aperto, na hora da agonia, a gente não consegue ver graça nas peças que a vida nos prega, pois não estamos no nosso melhor estado de racionalidade, agimos por impulso, pela força de emoção, ou seja, irracionalmente.
Vou contar uma estória, ficção, pra exemplificar um caso de perseverança:
(...)
Márcio era um rapaz de família de classe média baixa, nem tão rico nem tão pobre. Não tinha condições de pagar uma faculdade privada, por isso sempre se empenhou na escola. Não para ser notado por outras pessoas, mas porque ele gostava de estudar. Não estudar apenas fórmulas, teorias já prontas. Ele gostava mesmo de descobrir, de mergulhar no mundo do conhecimento. E conseguia.
Era o melhor aluno, sempre se destacava onde quer que estudasse. Era o chamado nerd, cdf, ou como queiram chamar. Ele não se importava por ter esses apelidos. Ele tinha um sonho muito grande: queria ser médico. Ajudar as pessoas mais pobres principalmente, por serem tão esquecidas pelos “poderosos”. Queria cuidar da saúde: coisa fundamental na vida de um ser humano, e que dinheiro, tenta, mas não compra.
Estava no 3º ano, iria prestar vestibular para medicina, já estava decidido há muito tempo atrás.
Todos diziam: Nossa, Márcio, é uma profissão linda, mas é muito difícil passar nela. A concorrência é grande. Eu sei da sua inteligência, mas é muito difícil mesmo, não quero te desanimar, mas...
Mas nada, Márcio era perseverante, obstinado, apaixonado pela medicina, e não pensava em desistir só porque a maioria das pessoas tentava desanimá-lo. Elas realmente não iam conseguir sufocar seu sonho. Algo maior o impulsionava: uma força, um ser divino: Deus.
É, ele tinha uma fé inabalável, acreditava piamente em Deus, mesmo que o mundo e suas teorias tentassem a todo custo provar o contrário. Mas, pra ele, Deus não estava ligado à teorias, à regras, à tudo isso que todos pregam e tentam alienar as pessoas.
Márcio acreditava que Deus está ligado ao acreditar sempre, a lutar mesmo em meio a tantas batalhas perdidas. Deus está ligado ao amor, à bondade, à justiça, à perseverança.
Então, com essa fé inabalável, Márcio foi prestar vestibular pela primeira vez. Tinha estudo muito, muito mesmo. Tinha todas as fórmulas químicas, físicas e matemáticas em mente, não que ele achasse essencial, mas é assim que o mundo trabalha, com uma educação sistematizada e pouco espontânea. Então ele agiu como era necessário: decorou fórmulas, datas, medidas e estava pronto para a prova.
Porém, na hora, Márcio começou a ficar trêmulo, a hora estava chegando, uma prova importantíssima, a realização de um sonho.
A prova estava em suas mãos, e o coração dele também.
Mal se continha. Estava começando a suar, enxugou as mãos na perna da calça. Não parava de tremer, não conseguia se concentrar direito. Parou, pediu sabedoria e calma a Deus naquele momento. E recebeu. Não tanto como precisava, mas isso não era culpa de Deus. Talvez fosse culpa dele próprio, que não soube receber, não soube enxergar a calma que Deus tinha lhe dado. O que aconteceu é que Márcio não passou no vestibular, passou na primeira fase, mas na segunda não deu. Ele estava mais nervoso ainda na segunda fase, deve ter sido por isso que ele não conseguiu entrar para o curso de medicina. Isso o deixou muito abatido, triste, mas não vencido. Ele se reergueu, decidiu estudar de novo, recomeçar do zero, se preciso. Arregaçou as mangas, colocou suas botas para chuva e enfrentou a tempestade. ,
O que formava a tempestade? Muitas dificuldades, muita descrença por parte de 'amigos', muita concorrência, mas ele era um sonhador perseverante, amava o seu sonho e não desistiria dele nunca. E assim o fez. Tentou exatamente quatro vezes, e fracassou nas quatro. Não digo que ele não se entristecia e nem pensava em desistir nas vezes que não via seu nome na lista de aprovados, mas ele era forte e tinha um Deus mais forte ainda com ele, e isso era o que fazia ele perseverar e lutar até o fim, até conseguir o que queria. Na 5ª vez que tentou, passou, e em primeiro lugar. Uma nota excelente, foi alvo de repórteres, de jornais reconhecidos em todo país. O que ele tinha feito era realmente notável, ele tinha acertado praticamente a prova toda. Ele tinha brilhado, ia realizar seu sonho de fazer medicina, de ajudar pessoas, de cuidar de vidas.
E foi assim, com esse amor pelo o que fazia, que ele cursou sua faculdade e se tornou um médico bem conceituado e muito competente.
Trabalhava na rede pública quase que exclusivamente. Tinha amor em cuidar, em ajudar a sarar aquelas doenças. Porque o mérito, ele sempre dizia, era de Deus, que ele, sim, era o médico dos médicos.
(...)
Bom, essa foi uma estória inventada por mim, Erica Ferro. É ficção, mas não está fora da nossa realidade, acontece e pode acontecer no mundo em que vivemos. É o exemplo de uma pessoa perseverante, que tem amor pela sua vida e pela vida de outras pessoas, que não desistem em meio aos fracassos, que sonham e buscam, não se acomodam, não esperam acontecer, eles fazem acontecer.
E é isso que devemos ser: lutadores obstinados pelos nossos objetivos, desde que eles sejam honrados e belos, com princípios e valores, que não sejam egoístas, que sejam desejos puros, sonhos lindos realmente.
A perseverança nasce com todos, dentro de todos nós, só que, por tantos buracos que tenhamos caído, acabamos esquecendo dessa força que temos em nós, perdemos o foco, perdemos a nossa visão e acabamos perdendo também nossos propósitos de vida. E isso, em hipótese alguma, deve acontecer. Temos que nos manter olhando para o alvo, sem pestanejar, firmes e fortes, inabaláveis, mesmo que o mundo esteja desabando a nossa volta.


(Erica Ferro)


11 comentários:

  1. obrigada pelo apoio, e acredite, suas palavras tiveram mta logica pra mim!
    ja estou bem
    e eh com perseverança qu evou seguindo em frente ;p

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bom?
    adorei o teu texto. parabéns. passei pra avisa que postei um texto sobro o Porque da minha escrita (http://pirulito-no-palito.blogspot.com),dá a sua opinião, é importante pra mim. E outra coisa, se der entra na comu do blog no orkut, tem o link lá no blog.
    obg,
    Sofia

    ResponderExcluir
  3. Tem momentos que penso em desistir, mas a perseverança nÃo deixa! Sou brasileiríssima! hehe
    beijão

    ResponderExcluir
  4. Ser perseverante nas adversidades é dificil complicado, não é uma coiaa que acontece porque pensamos nas outras pessoas. Gente muito simples e sofredora consegue, e talvez por isso, tenhamos um ponto de partida.
    Concordo com você namaioria das coisas.

    ResponderExcluir
  5. Nossa, muito lindo o texto, e a sua ficção se encaixou bastante no mue cotidiano.. apesar de eu nã oestar tentando medicina, estou lutando há 3 anos pelo curso de computação, e é um dos mais concorridos por aqui.. mas tô ai, lutando por uma federal, mesmo tendo sido chamada em outras... hehehe... bjusss

    ResponderExcluir
  6. Uma lição de vida!!Ser perseverante é difícil,mas o mais complicado é quando somos nosso maior inimigo.

    ResponderExcluir
  7. nossa Erica, eu AMEI esse post: sabe, eu nao me considero muito perseverante, mas as circunstancias me fazem ver queeu sou sim daquelas que não desistem facil da vida... tá, às vezes você pode nao entender, mas quem vive comigo sabe do que eu falo (:

    ResponderExcluir
  8. Erica, minha caríssima amiga bloggeira...
    Seu texto foi muito bom. Você conceituou perseverança da maneira certa, relembrando-nos que a riqueza que mais importa não é a "física", a monetária, e sim a espiritual. De que adianta viver com luxo mas sem objetivos, sonhos ou desejos, hesitando em ir atrás do que se quer? Concordo contigo que não vale a pena.
    A história foi ótima. A fé que você descreve é tão pura e simples que nos deixa refletindo sobre Deus ser tão rígido, severo como dizem. Deus não seria na verdade o ser que nos fortalece e nos fornece esperanças?
    •••
    Fiquei feliz de ver seu comentário no meu blog. Gosto de quando você comenta por seus comentários serem tão completos e atenciosos e por perceber que você lê meus textos com atenção. Depois disponibilizarei um msn exclusivamente para o blog, para eu poder conversar com as bloggeiras e trocar ideias.
    Estarei aguardando mais textos e comentários ;)
    Beijos :**

    ResponderExcluir
  9. perceverança em tudo qe realmente se qer.

    beijos.
    ta lindo aqui.

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?