03 dezembro 2008

A morte nos mostra a vida;


''A morte me mostrou a vida.''

A vida é rodeada constantemente pela morte. Acredito que ela fique rondando-nos o tempo todo, preparando-se para dar o golpe fatal. E um dia consegue.

Confesso que tenho medo, medo da morte, medo de não poder mais fazer aquilo que eu gosto, de ver as pessoas que eu gosto, de ouvir música, de ver o céu, de ouvir o som dos pássaros, de nadar (que é minha maior paixão). Me angustio só em pensar nos livros que eu deixarei pela metade, sem serem lidos, me angustia as medalhas que poderiam não ser conquistadas se minha vida for interrompida. Me angustia não poder realizar meus sonhos, concretizar meus projetos. Me angustia a idéia de perder uma pessoa querida, uma pessoa muito próxima, uma pessoa da qual eu preciso muito, da qual eu sou extremamente dependente, ou pelo menos acho que sou. Eu entendo que a vida é um ciclo finito, pelo menos fisicamente falando: nascemos, crescemos, reproduzimos (ou não), mas morremos. É a lei, é normal, mas não consigo aceitar com tanta naturalidade. Talvez julgue a morte de maneira errada. Pinto ela como um monstro feio, que acaba com nossa alegria de viver. Mas não posso afirmar nada sobre ela. Não a conheço (e, muito obrigada, mas não pretendo conhecer nem tão cedo), mas um dia, infelizmente, conhecerei. Então, saberei (ou não). Sabe se lá se existem outras coisas além da morte. Mas o que realmente quero dizer com tudo isso é que por mais que você não veja sentido na sua vida, você é o sentido da sua vida. VOCÊ precisa mudá-la, já que não vê sentido nela. VOCÊ é quem faz as escolhas que resultam na sua vida. Então por que não escolher viver? Mas eu falo VIVER (com todas as letras e no sentido mais fiel da palavra). Falo em viver, sabe... Aproveitar a vida ao máximo, viver cada dia intensamente, porém sabiamente. Faça as melhores escolhas, faça do seu mundo, um mundo melhor, mais justo, mais alegre. A felicidade ela está batendo à sua porta, cabe a VOCÊ deixá-la entrar ou não. Eu sei que a vida não é sempre um mar de rosas, que todos temos nossos problemas, e que, às vezes, esses problemas se fazem maiores do que nossa capacidade de suportá-los; mas é engano. Nós somos mais fortes do que pensamos ser. Quando você acha que não tem mais forças, que não há mais como suportar a dor, a desilusão, o sofrimento diário, saiba que você é muito mais forte do que vem se mostrando ser. Acredite nisso! Não deixe a vida passar despercebida, não tire o bem mais precioso que nos foi dado, não desmereça o dom de viver. Viver, e não sobreviver. Há muita diferença nessas duas palavras, pelo menos eu as vejo como duas palavras diferentes, dois sentidos diferentes. Viver é aproveitar a vida ao máximo, é fazer o que se gosta, com amor, é amar as pessoas acima de tudo, é amar a si mesmo, é aceitar-se, é aceitar o outro como ele é, é mudar-se, se necessário, é acreditar nas palavras das pessoas que um dia erraram, elas merecem uma segunda, uma terceira, uma quarta chance... Sabe por que? Porque nós não somos poços de perfeição, nós não somos modelos de perfeição. Nós erramos, nós mentimos, nós falhamos. Se fôssemos perfeitos, poderíamos exigir a perfeição do próximo, mas não somos, logo, não temos o direito de exigir nada. Sobreviver é viver remoendo algo que não aconteceu, é viver mergulhado na sua dor, achando que ela é maior que você mesmo. Sobreviver é não viver, diria até que sobreviver é ser um morto-vivo.
O que devemos fazer sempre é: viver, viver com respeito, respeitando-se e respeitando os outros. Eu peço, de todo o meu coração, mais uma vez: VIVAM. O tempo está passando, rápido ou devagar, depende da sua situação, mas ele está passando. Faça algo hoje que proporcione uma alegria, diga as pessoas o quanto você as ama, escreva uma canção ou um poema. Cante, dance, pule ou simplesmente durma, se é disso que você precisa. Faça o que tem que ser feito, faça o que já deveria estar sendo feito, se você não estiver fazendo-o, comece a viver agora. Não há mais tempo para adiar essa decisão. VIVA!

(Erica Ferro)

Um comentário:

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?