14 novembro 2012

Resenha: Cordeluna - Élia Barceló



Cordeluna
Élia Barceló

Editora Biruta
310 páginas 
Mil anos atrás, uma história de amor foi interrompida pela desgraça e uma maldição. Um poder tão maligno que tinha conseguido dominar seus espíritos geração após geração. E enquanto isso, os apaixonados esperam... condenados a se reencontrar e voltar a se perder por culpa do ciúme e do ódio. O cavaleiro e a dama. O guerreiro e a donzela. Até que talvez um dia, talvez em nossa época, séculos depois, um poder superior e benigno consiga pôr um fim ao malefício.
Apaixonante novela que combina história e fantasia, amor e maldade, bruxaria e religião, criada pela escritora Élia Barceló, conhecida como a “Dama Negra” da literatura espanhola, ganhadora em duas oportunidades do Prêmio Edebé de Romance Juvenil.
A história se passa na Idade Média e é muito bem retratada no livro, que destaca costumes e valores da época. As sangrentas guerras entre muçulmanos e cristãos pela expansão e posse de seus domínios. No posfácio, a editora explica os diferentes períodos da História e descreve a fascinante personalidade de El Cid.

Cordeluna foi um dos livros mais encantadores que tive a alegria de ler em 2012. É uma história de amor peculiar.
Século XI. Sancho, guerreiro de El Cid, e Guiomar, condessa de Peñalba, se conhecem sob um sorveira carregada de frutinhos rubros. Ali, se descobrem perdidamente apaixonados um pelo outro. O desejo de seus corações era o de viver juntos, para sempre, mas houve muitos empecilhos: o fato de fazerem parte de mundos diferentes (Sancho, apenas um guerreiro; Guiomar, uma condessa), mas, sobretudo, o maior obstáculo para a felicidade e realização dos dois foi o ciúme louco e doentio que Dona Brianda, madrasta de Guiomar, sentia de Sancho. E foi a obsessão de Dona Brianda que separou Sancho e Guiomar por mil anos. 
Século XXI. Um grupo de jovens se reúne para representar a vida de El Cid. Dois jovens se destacam pelo talento, mas principalmente pela naturalidade com que contracenam, como se estivessem vivendo aquilo de verdade. Sérgio e Glória. Há, também, Bárbara, uma professora de teatro e uma das responsáveis pelo projeto da peça e do documentário sobre a vida de El Cid, que, por motivos que ela mesma não compreende, antipatiza com Glória e se apaixona louca e obsessivamente por Sérgio. Ih, já vi esse filme antes! Sancho e Guiomar. Sérgio e Glória. Duas histórias que, na verdade, são uma só? Quase isso.
O livro é narrado em terceira pessoa. Os capítulos se alternam entre os relatos dos acontecimentos da vida de Sancho e Guiomar, na Idade Média, e dos eventos dos dias atuais, no século XXI, vividos por Sérgio, Glória e o grupo de teatro. E é no século XXI que o amor vivido por Sancho e Guiomar, na Idade Média, poderá ser libertado.
Nunca pensei que um livro de literatura fantástica conseguisse me prender tanto. De verdade. Eu sou meio avessa a esse tipo de livro que envolve magia, fantasia, etc. Porém, depois de ler a resenha da Gabi, do blog Fluffy, fiquei encantada e muito tentada a ler Cordeluna. Surpresa maior foi quando vi que ela, em parceria com a Editora Biruta, faria um book tour do livro. Inscrevi-me meio sem esperanças de ser selecionada, confesso, mas eu realmente queria dar uma chance a esse tipo de livro. Até porque, pensei com os meus botões, envolve História e amor. Não pode ser ruim, disse a mim mesma. E de fato não é. É um livro muito bonito, que fascina e cativa de uma maneira toda singular. Indico aos adoradores de uma boa história de amor, que apreciam História e curtem livros com uma pegada fantástica. 
E, ah, não se deixem desestimular pelo fato de ser um livro desconhecido de uma autora igualmente desconhecida. Élia Barceló escreve primorosamente. Seus livros foram premiados diversas vezes.  Enfim, vale a pena dar uma chance a Élia. E, principalmente, a Cordeluna, que é uma delícia de livro.
E uma coisa que eu realmente preciso comentar: que diagramação liiiiinda da Editora Biruta. Capa, contracapa, começo de capítulos e umas páginas com uns desenhos que apareciam no meio do livro. Tudo encantadoramente belo! Olha, sinceramente, eu pensei em dar uma de Liesel Meminger e ficar com o livro pra mim. Sério. Mas não, o bom senso me impede de fazer algo assim (risos). 
Obrigada, Gabi, pela oportunidade de conhecer Cordeluna. Foi uma das melhores leituras de 2012.


Erica Ferro

* * *

Eu sei, eu sei, demorei horrores pra postar. Again. Aconteceu um punhado de coisas nesses últimos tempos. Uma maré de azar se alastrou pela minha vida e eu espero que passe logo. Quero me sentir bem de novo, fisicamente e mentalmente. Quando o corpo não funciona bem, a mente sucumbe aos sofrimentos do corpo. Saúde minha, o que há com você? 
(...)
Quero dar uns avisos aqui. Houve algumas mudanças na Editora Martin Claret e eu não sei se o Sacudindo Palavras permanece parceiro da editora. Na verdade, não foi me explicado muitas coisas, mas basicamente o que aconteceu foi que os responsáveis pela editora resolveram fazer um recadastramento dos blogs parceiros. Eu prometi a vocês uma resenha e uma promoção do livro A abadia de Northanger, da linda Jane Austen. Era em parceria com a Martin Claret, por isso que, infelizmente, terei que adiar essa ideia. Se o blog for aceito como parceiro de novo, reavivarei a ideia. Caso contrário, talvez tentarei colocar a ideia em prática num futuro não tão distante pelos meus próprios meios. 
Ah, dia desses me perguntaram pelo Twitter quando que eu iria receber os kits da Novo Conceito. Bem, eu faço parte dos novos parceiros, parceiros estes que só passarão a receber os kits e as novidades de maneira geral a partir de janeiro de 2013. 
Recados dados, torçam por mim, pela minha saúde e pra que eu tire uma nota legal nesse ENEM 2012, pra que eu possa entrar em Biblioteconomia ano que vem, na UFAL.
Um abraço da @ericona.
Até mais!

11 comentários:

  1. E depois diz que não sabe escrever resenha? E achava mesmo que, com essa resenha tão fofa, eu não ia te selecionar? Haha. Sério, tua resenha tá linda, você conseguiu expor super bem o livro, as sensações, tudo. Parabéns de verdade! Concordo contigo sobre essa coisa de livros desconhecidos, autores desconhecidos, etc. Às vezes a gente se surpreende e muito! ^^
    Beijos e obrigada por publicar a resenha *-*

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde :)
    Como vai?
    Não conhecia a obra mas me parece interessante *-*
    Não curto tanto história de amor mas leria este livro com certeza :)

    Beijos e bom final de semana
    Rimas Doa Preto

    ResponderExcluir
  3. Oie Érica adorei sua resenha, quando comecei a ler achei que o livro não me interessaria, mas depois fui vendo o quanto ele é diferente e me chamou muita atenção, adorei, beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia esse livro, mas, poxa, agora fiquei muito curiosa haha, o livro parece ser muito bom. Adorei a resenha, ficou ótima.
    Beijos.

    http://palavrasdeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Vou ser sincera que não sou muito fã de livros assim, mesmo. Mas nunca julgo pela capa ou sinopse. Já me impressionei com muitos *-*

    *Vitamina de Pimenta*

    ResponderExcluir
  6. Oi minha flor. Vi seu comentário no blog da Dany Loureiro do blog Estouro em Palavras e, visitando seu perfil vi que é de Maceió. EPa!!! Morei toda minha vida lá. Amei seu blog. Estou seguindo. Passa no Achei pra você conhecer, bjkas. (ai, ai, que saudade ai que dó viver londe de Maceió)

    ResponderExcluir
  7. Ótima resenha. Gostei demais, já li uma história parecida com essa que foi publicada pela Nova Cultural, foi um livro de banca... nossa muito parecida mesmo, não me recordo o título e a autora no momento, mas acredito ainda possuir esse livro. Depois te digo se descobrir. Amei seu blog muito fofo, com resenhas muito boas. Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Oi Erica, tudo bem flor?
    Gostei e muito da sua resenha, despertou uma vontade enorme de ler esse livro. Acho que li a resenha no blog da Gabi também, e agora estou com mais vontade ainda depois de ter lido a sua. Gosto de livros fantásticos, em especial os com história.
    Flor, melhoras, espero que você fique 100%, e estou torcendo pra que você passe na prova e consiga sua vaga. E flor, te indiquei um meme lá no blog.
    Abraços,
    Amanda Almeida

    ResponderExcluir
  9. Sua resenha foi muito boa, acho que um dia ainda leio o livro.
    Seguindo aqui, gostei muito.
    Beijos

    cocacolaecupcake.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Estou encantada visualmente por esse livro, e tenho quase certeza de que será uma bela história *--*

    ResponderExcluir
  11. História curiosa... e realmente, como falasse, não devemos nos desestimular por ser um livro de autora desconhecida; só lamento que as grandes editoras prefiram investir nos autores desconhecidos da Europa que nos muitos talentos brasileiros que permanecem no limbo...

    Quanto a estar distante do blog, comigo também aconteceu. No meu caso, muito em função de um emprego desestimulante que assassinava minha criatividade. Dois anos nessa, permeados por indisciplinas. Agroa saí do emprego, estou dando aula, muito melhor; a cabeça tá mais livre e, claro, voltei a escrever. Espero regularizar as atuações, e espero que você também...

    Boa sorte no Enem, aposto que conseguirá fácil uma vaga ano que vem; já visitei a UFAL, me pareceu um lugar aconchegante... sucesso!

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?