19 novembro 2010

Live and let die ♫

"Já parou para pensar que estamos correndo em direção a morte? Já parou para pensar que cada segundo que se passa é menos um segundo de vida? Isso é tão louco! Tão absurdo, mas ao mesmo tempo é natural, é normal. Nascemos, crescemos, reproduzimos, envelhecemos e morremos. Um ciclo. A vida. Quanto mais penso que a vida é algo tão frágil e fugaz, me deprimo e penso que não há razão para lutar por tantas coisas, vencer tantos obstáculos, se tudo acabará algum dia, ou quem sabe, desavidamente, quando menos se espera, antes que tudo se concretize, antes que eu realize o que eu pretendo realizar. Ora, penso que esses meus devaneios, esses meus temores sejam perdoáveis, posto que são sinceros e provavelmente devem se passar pelas mentes de quem interroga a vida, de quem critica a existência. Eu sei, eu sei, eu sou um homem amargurado, com medo do que está por vir. Eu sei, eu sei, eu estou perdendo vários segundos em lamuriações e em loucos pensamentos, tentando solucionar o insolucionável, tentando parar o que não pode ser parado. O curso da vida é esse: é ininterrupto. Eu nada posso fazer além de me consternar, de chorar meu tempo perdido em alucinações vãs. Eu sou um pobre homem, com sua garrafa de vinho, seu cigarro e sua solidão. Não, por favor, não me critique e muito menos tenha pena de mim. É a vida, amigo, a vida que me enlouquece e me deprime. Que ironia! Porque dizem que a vida "é bonita, é bonita e é bonita".
Bonito. O que é bonito? Namoro, praia, sol, sucesso? Acaba. Tudo acaba. Hoje você não é ninguém, amanhã é a manchete, positiva ou não, dos noticiários. E daí? Dois dias depois está morto. De que vale se sua infância foi boa ou terrível, se alcançou o sucesso com trabalho árduo ou sorte, se continua na monotonia dos últimos vinte anos ou na melhor fase de sua vida? Você vai morrer, mais cedo ou mais tarde. Qual é a vantagem de dizer “eu aprendi” se você sempre tem algo mais a aprender, se nunca saberá tudo e, se souber, bem, sua sabedoria acabará por ser apenas mais uma informação no seu epitáfio, ou não. Se eu morrer amanhã, quem se importará? Minha família, amigos? Podem lamentar, mas continuarão suas vidas que acabarão algum dia, o mundo não vai parar porque eu morri. Nem quando você morrer. Tudo que foi feito em uma vida inteira de esforços será apagado de uma hora pra outra, rapidamente esquecido, como um papel cheio de palavras jogado ao fogo.
Morrer agora, amanhã ou mês que vem, que diferença faz? Talvez seja melhor parar de enrolação, interromper essa pequena tragicomédia que chamamos de vida, e morrer. Agora. Ah, seria tão bom deitar e não levantar mais, não ter problemas, não ter saudades de momentos e pessoas que me fizeram felizes num passado distante, simplesmente esvaziar a cabeça, dormir e não acordar mais. Nos filmes parece tudo tão fácil... Gás do fogão, pular de prédio, cianureto? Demorado e complicado. Overdose. Remédios são drogas, calmantes são remédios... Ah, o que afinal estou fazendo? Talvez eu seja mesmo louco... Ah, mas agora está feito. Sem arrependimentos. De nada vale me arrepender, o intuito é justamente acabar de vez com o que chamam de consciência e coração. Ah, me sinto leve. Melhor deitar e sonhar meu sonho vazio, relaxar e esperar não acordar... E você, caro amigo, que lê as palavras loucas e, apenas aparentemente, sem sentido de um suicida, acredite, está é a coisa mais divertida que já fiz e, tudo que tenho pra lhe dizer é: Live and let die."

(Ana Seerig & Erica Ferro)

Eis mais uma da parceria Seerig & Ferro! Depois do sucesso estrondoso do poema feito por essa dupla, inúmeros e-mails pedindo outro poema/crônica/conto/bilhetinho, qualquer coisa, fosse escrito por essas meninas fantásticas, que dominam com maestria o mundo das letras. Elas aceitaram o desafio e está aí mais uma obra-prima do talento dessas promessas da literatura.
Cof, cof, cof... Parei com a palhaçada e as piadas nada modestas.
Seguinte: tava de bobeira no MSN falando com a gaúcha arretada da Ana Seerig, então ela falou que ia ler uns blogs e, talvez, postar algo no blog dela. Lembrei-me que há mil anos não postava nada no meu blog e, como a minha internet tá muito sacana nos últimos tempos, provavelmente demoraria um bocado para postar. Ela então me propôs um desafio: escrever algo, em um tempo estipulado por ela, para que, posteriormente, ela desse continuidade.
Me perdoem por estar tão ausente daqui, mas, acreditem: eu tenho mais saudade de escrever do que vocês de me lerem.
Um abraço da @ericona, a devaneada.




40 comentários:

  1. Cara, e a nossa falsa humildade? Agora tu estragou tudo! Todos saberão que sabemos que somos fantásticas, incríveis e "promessas da literatura". Nem vou ter cara agora pra me fingir de surpresa e fazer todo aquele lero-lero de "Ah, que bom que tu gostou, mas nem ficou tão bom assim...".

    Ah, como tu é desmancha prazer.


    Fim de amizade. E de parceria.












    (Gargalhadas estrambólicas!)

    ResponderExcluir
  2. Ericona anda tão ácida... É impressão minha? Esse texto faz lembrar demais da conta o livro que estou lendo, O Homem Que Dorme. Acho que não viemos aqui por acaso, só pra nascer, reproduzir e morrer. Tem que ter algo a mais, entende? Penso que a vida é um aprendizado muito mais importante do que vai ficar escrito no epitáfio. Nossas vidas são como pequenas lâmpadas: não é porque um dia se apagam que não são importantes e bonitas. (ta, ignore isso)

    Beijos e vê se não some tanto assim. Eu GOSTO de te ler, ok?

    ResponderExcluir
  3. OIi
    Nossa ficou muito bom oi poema de vcs. Eu me questiono muitas vezes sobre alguns fatos que vocês colocaram, e me senti relaxada ao ver que não sou só eu. ( mesmo que o presonagem não exista, alguém pensou para poder cria-lo).
    Adorei.ç
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Posso dizer que esse texto é um banho de realidade. Mas acho que as coisas são mais tranquilas, menos ácidas se a gente souber levar.
    Imagino que nada, nunca, ande do fim pro começo, mas é fato que de tras pra frente e de frente pra tras acaba sempre tendo um tempo.
    mas sempre bonito texto.
    =)

    ResponderExcluir
  5. Daí a gente corre e se rasga toda para alcançar o que deseja, para ter o que quer. Quando tudo corre bem, quando a coisa flui, não pensamos na morte, na finitude, apenas seguimos em frente, serelepes e pimponas! Só quando algo sai do controle é que essa ideia vem como um balde de água fria, né?

    =\

    Não acho que exista alguém que, tendo um pingo de consciência, nunca tenha se questionado quanto a isso, francamente.

    Bela parceria, gurias, vocês são mesmo fodásticas! Ehehehehe

    Beijo, ótimo fds!

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  6. Na verdade essa teoria meio suicida é verdadeira,meio assustadora para mim,quando estou na fase em tentar,pelo menos,acreditar que o que estou fazendo nesse mundo valerá de alguma coisa,nem que seja só para mim.
    Mas enfim,gosto muito quando posta,e a Ana concerteza se demonstra uma óootima parceira!
    Amei Érica *-* rs

    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Aleluia ela apareceu por aqui hahaha
    Erica não desapareça novamente,acredite é muito bom te ler,aliás vc sabe né?"somos fantásticas, incríveis e promessas da literatura"(super humilde)
    Enfim,o texto ficou show de bola e não tem como fugir da morte,cedo ou tarde acontece,é a vida...
    Boa semana!
    Paz e morangos

    ResponderExcluir
  8. Eu realmente tenho certeza que corremos para a morte. Mas pq não aproveitar o caaminho ? Acho que de toda e qualquer situação ruim podemos tirar proveito de algo bom. Reclamar que está chuvendo ? Prefiro agradecer a suave brisa e delicioso frescor depois do temporal.
    Acredito que é bem mais vantajoso sorrir porque os espinhos têm rosas, do que entristecer-se porque as rosas têm espinhos!

    Érica seus textos são sempre tão peeerfeitos! AMO!
    Parabéns a você e a sua amiga! Vocês são ótimas!

    ResponderExcluir
  9. Ai, Erica... Fiquei deprimida.
    Se eu fosse parar (todos os dias) pra pensar essas coisas, acho que eu já tinha me matado, viu? rs
    Melhor deixar pra lá e viver o agora. :)

    ResponderExcluir
  10. Pois é minha flor, a gente tem mania de achar que tem tempo pra tudo, mania de adiar certas coisas, infelizmente a gente nunca sabe o dia de amanhã! A vida passa rápido demais, se pensar, só existe o AGORA!

    beijo enomre

    ResponderExcluir
  11. Aquele que busca por fim com certeza tem esse sentimentos de extase de seus últimos momentos, o prazer de ir embora. Mas um pensamento muito triste, pôr fim em algo tão maravilhoso e inexplicável, que tem a beleza nisto que não se pode explicar!
    Muito boa parceria!
    beijos.

    ResponderExcluir
  12. e vcs ainda falam que naum escrevem bem e etc... fala sério! eu esperei ansiosa o final pra confirmar que o texto era da dona do blog e descubro que ainda é em parceria! mt bom!
    bjusss

    ResponderExcluir
  13. Erica e Ana, eu sou a pessoa mais positiva do mundo (e também exagerada). Adorei o texto, mas se eu tivesse encontrado o suicida meia hora antes, estaríamos dando risadas.

    beijos,

    ResponderExcluir
  14. Já dizia uma escritora brasileira: "viver tem que ser pertubador"... eu e meu mundo dionisíaco do viver perigosamente a radicalidade do presente, nos meus últimos segundos de vida, quero poder pensar: eu vivi, eu fiz o que quis e valeu a pena! E que isso baste!

    Abraços

    ResponderExcluir
  15. nascemos e bem não aprendemos a chorar a morte começa a nos sorrir

    ResponderExcluir
  16. Uau! Ficou massa(massa é gíria de velho né?)!! Escrevmas juntas mais vezes, nós amamos!!!

    Saudades de você Ericona!!

    Beijos mil.

    ResponderExcluir
  17. Engraçado que essas coisas se passavam pela minha cabeça faz pouco tempo. Foi até "engraçado" encontrar esse texto aqui. Muito bem escrito, bem verdadeiro :)

    ResponderExcluir
  18. Acho que o mais legal da vida é justamente isso, saber que podemos morrer no minuto seguinte, isso é um enorme recado em letras garrafais estampado em nossa testa: VIVA AGORA.

    ResponderExcluir
  19. Oi Erica,

    Também estive sumida e ainds ando, coisas da vida...
    Nesse caso, vc tem meu perdão kkkkkk
    Brincadeiras!!

    Ah, e que belo texto que vc fez em parceria com a Ana, eu já tinha lido o outro e agora esse.
    Adorei porque o que fala é verdade!

    E a vida, para mim, é uma mistura de coisas, ela pode ser bonita como também não =)

    ResponderExcluir
  20. Acho que esse tipo de pensamento passa pela cabeça de todo mundo...
    Esse ano ainda, perdi um colega, ele só tinha 19 anos estava na faculdade começando a vida dele, teve um tempo que eu pensava 'pra que ficar construindo sonhos pra um futuro que eu nem sei se vai chegar, posso morrer assim de repente como ele e não fazer nada do que eu planegei. E desde então sei o que quero para o meu futuro, mas apenas vivo meus dias sem pensar muito no que vai vir a acontecer.

    Beijos (:

    ResponderExcluir
  21. Parar pra pensar é desperdiçar a vida.

    =D

    ResponderExcluir
  22. Adorei seu blog, to seguindo :]

    bjus =*

    ResponderExcluir
  23. Amei amei amei! Vocês duas juntas é beleza em dobro! Me identifiquei com o personagem, porque também paro pra pensar de que vale tudo isso... Talvez não valha, mas continuamos fazendo porque é melhor que perder. Beijos!

    ResponderExcluir
  24. Hey ^^

    Uma única palavra MARAVLHOSO, que banho de realidade que faz com que se pense no amanhã x a morte qual sabemos de fato que vai acontecer, amei amei e amei.
    Podemos pedir pra mais mais e mais?

    Xoxo

    :: Loma (www.night-angel.org)

    ResponderExcluir
  25. Essa parceria de vocês sempre dá certo ;) Parabéns.
    O texto ficou muito bom, e podem acreditar, me fez pensar muito em tudo!

    ResponderExcluir
  26. A vida, creio eu, é uma constante aprendizagem. A morte não assusta, por ser algo tão natural e humano quanto nascer. O que vale é o que está no meio: a vida.

    ResponderExcluir
  27. Que lindo,tu ser a autora dessas palavras,se for...
    nossa apaixonei *---*

    ResponderExcluir
  28. O que seria da vida sem a morte? Hein?
    Suicídio, já escrevi sobre, é um assunto complicado de lidar.
    Ficou maravilhoso, adorei!

    Beeijos.

    ResponderExcluir
  29. Sempre que entro no blog e tenho tempo livre para passear pelos meus blogs prediletos, eu venho aqui. E confesso que te ler hoje me deixou triste... A vida é triste.
    Me fizeste pensar no que são daqueles que vivem na rua... provavelmente eles nos acham patéticos. Nós e nossos carros de luxo, tantos livros debaixo dos braços, mentes ocupadas com a matemática, quando no fundo o que deviamos aprender na escola era amar. Deviamos aprender amar em qualquer lugar. Amar uns aos outros devia ser uma obrigação.
    E é verdade o que você disse nas entrelinhas: o que adianta termos tanto sucesso, dinheiro, namorado e tudo o mais? nada nos diferencia, somos todos iguais, não é mesmo? nascemos de uma mulher e seremos deitados em nosso leito de morte. Incrível...
    Outro dia vinha no ônibus, depois da escola, pensando sobre a morte... a tratamos de forma tão brusca, acho que é porque ela leva as pessoas que amamos e não nos leva; óbvio, pois quando for a nossa vez não teremos tempo mais para questioná-la e odiá-la, estaremos mortos. O cérebro descansando no paraíso, talvez.
    Mas eu não quero lá saber de morte... nem contar os minutos para ela. Quero que ela venha sem eu notar, e até lá eu tenha pelo menos me iludido com a ideia de que a vida é doce.

    Estava com saudades.
    Me surpreende ver a sua melhoria de escrita. Isso é ótimo, maior prazer para quem te lê.
    Modéstia? Vocês são boas.

    Beijo e ótima semana.

    ResponderExcluir
  30. É esse tipo de texto que me faz parar para refletir, e ver o que de fato estamos fazendo.Qual é a verdadeira razão pela qual existimos.Será que existe realmente um porquê? Será que não é simplesmente viver,sem preocupar-se com toda essa coisa de morte e vida? Eu realmente não consigo achar respostas.A vida é uma incógnita :)

    Saudades daqui *_*

    -
    HEEEEI,mudei de blog :
    http://lembrancaspresentes.blogspot.com/

    quando puder passa lá :)

    beeijão!

    ResponderExcluir
  31. Live and let die. É exatamente isso.
    Assisto Greys Anatomy, meu vício, e me pego pensando nessas coisas. Como em um piscar de olhos os olhos se fecham pra nunca mais abrir. A vida é muito breve. Tudo é muito rápido.
    Adorei o texto e adoro a parceria.

    =*

    ResponderExcluir
  32. Pois é... mas às vezes eu queria ser mandada pra Marte *-*


    Bom, sobre esse texto do seu post... ficou MUITO bom, mas ele me fez lembrar daquele professor, sobre quem eu escrevi outro dia...


    :*

    ResponderExcluir
  33. Antes que a morte nos alcance é preciso viver... :)
    Uma semana linda pra ti.

    ResponderExcluir
  34. OI Flor
    tem dois selos para vc lá no meu blog.
    http://noorecreio.blogspot.com/2010/11/selos.html
    bjs

    ResponderExcluir
  35. Ninguém é mais lúcido que o suicida... ninguém conhece a vida melhor do que quem a enfim deixou pra trás... ninguém compreende a efemeridade da vida até que se vá, quando emerge sempre a sensação de que ainda há coisas por fazer... ninguém pode afirmar tão categoriamente que a vida é bonita, é bonita e é bonita, se a vida em si às vezes sequer existe...

    Particularmente, não sei trabalhar em parceria, mas eu gosto de parcerias, aliás, acho que exige-se mais habilidade numa parceria - mesmo quando a ideia é apenas escrever um texto despretensioso - do que solitariamente... muito mais. E vocês mostraram que podem fazer brotar ainda mais despretensões literárias a quatro mãos.

    ResponderExcluir
  36. eu também fico muito deprimida quando começo a pensar nessas coisas, mas é a vida.

    ResponderExcluir
  37. nossa humanidade de papel, dizer o que ? está tudo aqui no teu texto

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?