20 agosto 2015

257 motivos para se orgulhar de ser brasileiro(a)

Seleção brasileira de natação paralímpica que representou o nosso país no Parapan de Toronto.

A delegação brasileira fez a melhor campanha da história nesses Jogos Parapan-Americanos de Toronto. Friso: a melhor campanha de toda a História dos jogos Parapan Am. Quantos vibraram com isso? Quantos sentiram orgulho de ser brasileiros nas 257 vezes que o Brasil subiu ao pódio? Quantos anunciaram, com euforia e extremo orgulho, que o Brasil finalizou a sua campanha em primeiro lugar isolado, com mais medalhas de ouro do que o segundo e terceiro colocados juntos?
Não gosto de fazer comparações, mas, nesse caso, não poderia deixar de fazer um comparativo bem pertinente. No Pan-Americano, o Brasil finalizou a sua participação na terceira colocação. Foram 41 ouros, 40 pratas e 60 bronzes. No Parapan, como disse anteriormente, o Brasil fechou a competição em primeiríssimo lugar disparado. Foram 109 ouros, 74 pratas e 74 bronzes.
Obviamente que não podemos ignorar o fato de que todas as modalidades do esporte paralímpico são divididas por categorias, definidas mediante uma classificação funcional, que avaliará o grau da deficiência e colocará o atleta em uma classe em que a sua deficiência se assemelhe aos dos outros atletas da referida classe.
Na natação, por exemplo, existem catorze categorias. Teoricamente, são catorze chances de o Brasil medalhar, embora isso seja relativo, afinal é bem difícil ter uma delegação em que figure atletas de todas as categorias. O fato é que o número de medalhas de um evento paralímpico sempre será maior do que o de um olímpico. Porém, é nítido que quando esse número é muito maior significa algo, certo?
O Brasil é uma potência paralímpica. Isso é inegável, inquestionável. Os números provam isso. Muitos dos maiores atletas paralímpicos do mundo são brasileiros. Isso me enche de orgulho! Mas... Será que isso só acontece comigo e com os meus companheiros de movimento paralímpico?
Qual é o nome desse fenômeno que faz uma medalha olímpica comover, emocionar e fazer vibrar muito mais do que uma paralímpica? Será que tem a ver com fato de a sociedade ainda nos enxergar como super-heróis ou coitadinhos? Nós, atletas paralímpicos, somos menos brasileiros do que os atletas olímpicos? Não, certo? E por que a medalha paralímpica parece valer menos? Menos orgulho, menos divulgação, menos comoção, menos vibração, menos reconhecimento, menos empolgação.
Quando lembram de noticiar algo sobre o esporte paralímpico, quase sempre a matéria ou reportagem irá conter os termos superação e exemplo de vida. Faço um apelo a mídia em geral: pare com isso. Pessoas com deficiência congênitas aprendem desde cedo a usar o seu corpo no máximo da sua capacidade. Pessoas que adquirem uma deficiência também aprendem a potencializar as suas habilidades, compensando o que passou a lhes faltar. Não há nada de extraordinário nisso.
É extremamente frustrante ver compartilhamentos de imagens de pessoas com deficiência com frases de efeito do tipo “Qual é mesmo o seu problema?”. Caramba! Ter uma deficiência não é um problema. Essas imagens é que são problemáticas. Os maiores problemas que nós, pessoas com deficiência, temos não tem a ver com a nossa deficiência, mas sim com a negligência para com nossos direitos por parte dos governantes. Somos todos humanos, que passam por dificuldades, que se entristecem e que se irritam. Isso é absolutamente normal. É uma atitude horrível medir a nossa sorte ou azar baseados na vida alheia. Enquanto a sociedade não entender isso, ela continuará a superestimar ou subestimar as pessoas com deficiências. E, assim, essas pessoas perderão 257 motivos para se orgulhar, franca e genuinamente, de ser brasileiras.

Esse foi o meu desabafo. Sou uma pessoa com deficiência. Sou uma atleta paralímpica. Sou um ser humano. Sou Erica Ferro.
Somos todos humanos. Somos todos brasileiros. Somos todos iguais nas diferenças!

5 comentários:

  1. Eu achei lindo o desempenho do Brasil no Parapan e fiquei mostrando prosamigo com orgulho o resultado. Só acho que o parapan deveria ser tão comentado e mostrado como o pan.

    Gostei do desabafo. #tôcontigo.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. Somos todos atletas e merecemos a mesma atenção. :) #tamojunta

      Um abraço.

      Excluir
  2. Parabéns Erica Ferro, existem pessoas que vêm destinadas a fazer a diferença e você é uma delas, admiro sua força, sua garra e o orgulho de suas conquistas.
    Não tenho nenhuma conquista, mas luto contra o preconceito, para ter o direito de viver.
    Gostei muito da sua frase: "Somos todos humanos. Somos todos brasileiros. Somos todos iguais nas diferenças."
    Se me permite, gostaria de acrescentar: "Queremos que nos respeitem."
    Sabe Erica, não tenho deficiências aparentes, mas tenho muitas amarras e dores que me limitam, por isso admiro as pessoas que enfrentam seus medos e seus limites, se vestem de coragem e se tornam vencedores.
    Parabéns a todos os brasileiros, que participaram dos Jogos Parapan-Americanos de Toronto, parabéns aos 257 medalhistas, são 257 razões para se orgulhar de ser brasileiro.
    Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, cara Maria Teresa, por tantas palavras gentis. Tenho certeza que você tem muitas conquistas, que podem até não ser em forma de medalhas, mas certamente têm um gosto semelhante.
      Um abraço carinhoso pra ti também.

      Excluir
  3. Simplesmente você detona, lacra e é muito lucida! Tenho que compartilhar!

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?