15 outubro 2014

A jardinagem da vida


(3) Tumblr


É impossível ignorar a tristeza, a dor, o desalento e o desencontro que de quando em quando vem nos encontrar. É impossível, mas muitos tentam. Eu tento, você tenta, nós tentamos. É inegável. O duro mesmo é conseguir ignorar a angústia que sente prazer em rasgar um pouco mais a cada dia o nosso coração. Não importa se o problema é de pequeno, médio ou grande porte, a tristeza não é proporcional ao tamanho dos problemas que se jogam eventualmente à nossa frente. A tristeza, essa danada, tem um tamanho que não podemos calcular. Eu só sei que ela existe e que tem duas mãos que adoram apertar o nosso peito e dilacerar a nossa alma.
Há quem tente bloquear as consequências da tristeza ocupando a mente com mil e uma atividades. Inútil, óbvio. Por mais que nos ocupemos, nos enfiemos em atividades intermináveis, a dor estará ali, esperando a hora de nos agarrar quando nos distrairmos por um milésimo de segundo. Não dá para fugir do inevitável. Sentir é para os fortes. Eu sinto muito. Eu sinto tantas coisas. Penso em tantas outras coisas. A vida é um eterno pensar e sentir, sentir e pensar, fazer e sentir, pensar e fazer. É um carrossel que não para de modo algum, não dá trégua, não permite um momento sequer de descanso. O descanso se dá com a ciranda girando e girando. É um descanso confuso, agoniado. Por vezes, ignorar o girar da ciranda e mergulhar em pensamentos, dolorosos ou não, e se permitir sentir, de modo sutil ou intenso, é o remédio que alivia a alma, que dá um frescor aos nossos neurônios cansados do cotidiano frenético. 
Meu modo de viver é singular. Eu não tenho medo de mergulhar nessa imensidão que é o mar dos sentimentos. Sentir não é ser sentimental demais. Deixar cada célula absorver as sensações do momento não é ser sentimentaloide. Permitir-se sentir é ser humano. Humanidade tem a ver com isso mesmo: chorar, sofrer, perder. A vida pode ser cinza, às vezes. Pode e é. Pode e será. Uma vez ou outra. Faz parte da ciranda, entende? Faz parte do girar. Não tem nada a ver com a vida ser ruim para mim, para você ou para ele. A vida não é ruim. Ela não é a nossa carrasca. Não é o mundo, também. Não são as pessoas. Nós somos os nossos próprios carrascos. Isso parece muito papo de autoajuda, e eu lamento por isso. No entanto, de acordo com o meu modo de pensar, eu sou responsável pela minha dor. Não gosto de responsabilizar ninguém pelo que se passa em mim, por mais que alguém tenha me afetado, derrubado ou hostilizado. Eu posso modificar isso. É duro? É duríssimo. É dificílimo. Não é uma tarefa rápida. Transformar choro em riso não se dá de um dia para noite. Faz parte de um processo árduo, longo, mas executável. Posto que é executável, por que não nos jogarmos nele e enxugarmos nossas lágrimas e, finalmente, visualizarmos vários motivos para (sor)rirmos? A ciranda continua girando. Os ponteiros do relógio continuam em seu ritmo normal. O nosso tempo também permanece escorrendo por dedos das mãos, dos pés, pela alma. 
A vida é esse ganhar e perder, sorrir e chorar, amar e sofrer. É o viver, entende? Preparados ou não, estamos aqui e não podemos desperdiçar as oportunidades que surgem para nós. Que nos desliguemos do girar da ciranda quando precisarmos, mas nunca, em hipótese alguma, nos lancemos para fora dela. Não desistamos de nós mesmos. Não entreguemos os pontos. Não que seja questão de fraqueza, mas é que não vale a pena. A vida é grandiosa e linda, apesar de todas as adversidades que possam fazer parte dela.
A vida pode dar frutos, assim como também pode dar espinhos. Cabe a nós cuidar bem do nosso jardim, para que haja mais flores do que ervas daninhas.

Erica Ferro 

• • •
Convite: curtam a fan page do Sacudindo Palavras e siga o Twitter do blog.
Um abraço da @ericona.
Hasta la vista!

7 comentários:

  1. Juro que se eu estivesse perto de ti agora, daria um murro bem no meio da sua fuça. uihsuhsushus
    Tenho andando tão no modo automático e racional, que ao ler esse texto me lembrei de várias coisas que to tentando esquecer.
    Lembrei de como tenho sido covarde, de como me isolei, e blablabla (porque você sabe tudo o que tem acontecido).
    Égua fdp, esse texto pode ter ficado sim auto ajuda, mas antes de ser um texto de auto ajuda ele é uma lição, uma visão de mundo, a sua visão.
    Parabéns por toda sensibilidade e humanismo depositado nessas linhas Ericona!
    Ficou belissímo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Caramba :O Que texto lindo, achei bastante profundo e cheio de coisas que faz a gente refletir.

    Adorei!

    Beijorejas

    Blog: http://cerejamutanteblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. A vida é feita de altos e baixos, vai e vem, assim como as ondas do mar.
    Adorei o texto.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de outubro

    ResponderExcluir
  4. Lindo o seu texto. Fiquei meditando nas palavras. Afinal essa é a vida!

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oie Erica
    menina, que texto. Ufa, respira fundo. Amei.
    "A vida é um eterno pensar e sentir..." Nada define melhor a vida do que essa afirmação.
    Adorei.
    bjos
    www.mybooklit.com

    ResponderExcluir
  6. Que texto lindo, Erica!
    Adorei como ele pode servir pra qualquer pessoa em qualquer situação! *-*
    Parabens, Beijão, Ana do dia

    ResponderExcluir
  7. Erica, ual!!

    O livro parece ser profundo demais.
    Entrou para a minha lista de livros que preciso ler.

    Obrigado pela dica.

    Beijos.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?