24 novembro 2013

Ela é uma adorável escritora amadora, mas é uma ranzinza leitora


Untitled

Sim, essa sou eu. O título, claro, foi galhofeiro e um tanto exagerado. O sentido do adorável se encaixa no fato de eu escrever coisas românticas com uma frequência bem grande. 
Eu escrevo sobre amor, amor sofrido, amor meloso, amor doído, amor dramático, amor unilateral ferino, amor, amor e mais amor. No entanto, ler sobre amor, especificamente o meloso, me é um tormento. Não sei por que, mas realmente fico meio que enjoada, como se estivesse num barco sacolejante, quando vejo casais se beijando de maneira muito meiga, trocando carícias infindas, falando coisinhas bobinhas um para o outro, fazendo cócegas ou algum tipo de gracinha que irrita ou desestabiliza o par. Ah, gente do céu, isso realmente me tira do sério! 
Tudo isso por quê? Porque sou uma leitora ranzinza. Não sou assim desde sempre, mas ultimamente tenho estado bem intolerante com cenas de casais apaixonados, seja em filmes, novelas e principalmente em livros. 
É engraçada essa minha relação de fascínio e raiva que tenho com o amor. É engraçada, mas faz sentido. Eu sou fascinada por amores que invento, reinvento, pinto, decoro, crio, mas me enraivo porque não tenho isso na realidade. Quando escrevo, eu amo amar, amo o amor. Quando vivo, perdendo o amor de vista a cada esquina, esbravejo e fico de birra com o amor que insiste em me escapar do alcance da minha mão.
Escrevo sobre amor porque quero amar. Escrevo acerca do amor nas suas várias formas, alegres ou chorosas, porque quero amar. Quero um amor quentinho, com a textura de um edredom macio, cheiroso, fofinho. Quero um amor doce, mas não tão doce. Com gosto de Diamante Negro está ótimo. Dizem que ele é chocolate meio amargo, mas é o meio amargo mais doce que já provei.
Só quero que a recíproca do meu ser amado seja verdadeira. Assim, deixo de birra, faço as pazes com o amor e passo a andar, alegremente, de mãos dadas com amor e com quem amo.

Erica Ferro
• • • 
Pedido de sempre: curtam e sigam o blog nas redes sociais.
E, claro, votem no Sacudindo Palavras (categorias variedades) do prêmio TopBlog 2013. Para votar, cliquem aqui. Para obterem mais explicações sobre como votar, cliquem aqui.
Logo apareço por aqui.
Um abraço da @ericona.
Hasta!

15 comentários:

  1. E você faz mil poesias com a palavra e o sentimento amor, ate mesmo quando quer "insulta-lo" como nesse texto.
    Eu não gosto de muita "frescura", apelidinhos e etc, que tem em muitos textos, livros e declarações.
    Mas quando a gente ama, tudo perde o sentido.
    Igual esse meu comentário.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Sou super a favor de pessoas ranzinzas. Porque ser ranzinza é quase como a resposta mais sincera da sua alma de uma forma crua, sem rodeios. Talvez eu seja uma também ou só esteja criando pretextos (talvez os dois), mas me identifiquei com o quanto os "gracinhas" podem ser irritantes.

    =)

    ResponderExcluir
  3. Eu evito com fé e com força falar sobre o amor, mas também quero amar tá?!?! Mas, não escrevendo sobre o tema me derreto nos escritos de minhas amigas, entro em crepúsculo com elas e depois entardeço enternecida com a suavidade, a força ou a passionalidade daquilo que foi escrito.

    As vezes, lendo vocês eu digo, um dia vou escrever... mas ai desisto... Enfim... aiaiai... O amor... a ranzinzice... essas coisas...

    Cheros Erica, um amor para a gente.

    ResponderExcluir
  4. ... Um amor que te faça querer ler romances e me faça querer escreve-los....

    Pandora

    ResponderExcluir
  5. tem umas histórias de amor que se mostram muito irreais ai da raiva!
    o amor é natural e não um melodrama!
    concordo com você e não acho que seja ranzinza, só que algumas histórias tentam nos dar diabetes!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá Érica! Ás vezes ficamos de mal com o amor mesmo, ms é normal. Existem casais de livro que nos deixam enjoadas com tanto melodrama,né? kkkkk Mas é bom gostar do amor ainda mais quando escrevemos.
    Beijos!
    Paloma Viricio-Jornalismo na Alma.

    ResponderExcluir
  7. Eu vou ficar torcendo para você encontrar o amor que você narra, só pra ti aprender a gostar do amor que os outros contam ♥

    Votando n'ocê ♥

    ResponderExcluir
  8. Olá.
    Adorei o post, muito bacana. Casais melados são um saco mesmo, eu odeio todos. Eu não gosto de personagens mesmo, então é praticamente normal eu odiar o casal também UAHSAU Enfim, espero mesmo que você faça as pazes com o amor.

    Beijos, Vanessa.
    This Adorable Thing.

    ResponderExcluir
  9. Ah, amores cheios de frescuras se tornam chatos com o tempo.
    Mas eu ainda estou a procura de um amor. Só por amar.

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  10. É complicado, a gente sempre escreve sobre o amor o idealizando, aí quando vai ler nos sentimos mal porque não temos aquilo e quando temos nos decepcionamos. É a vida, acontece.

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pelo texto Erica! O amor é complicado, mas mesmo com tantas idas e vindas e altos e baixos é o sentimento que nos move, todos queremos amar.

    Beijos

    Pah, Livros & Fuxicos

    ResponderExcluir
  12. Acho que todo mundo merece um amor, não muito meloso e nem muito frio. Mas, que seja correspondido acima de tudo!

    Lucas - Carpe Liber
    livrosecontos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Pareces que escreveu sobre mim sabia? rsrs
    gostei bastante *-*

    ResponderExcluir
  14. Eu não gosto muito de ler esses livros romantiquinhos a lá Nicholas Sparks, me causa enjoo. rs
    Mas é, acho que no fundo queremos mesmo um amor quentinho e doce para nós.

    Beijos

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?