20 abril 2013

Resenha: Esperando por você - Susane Colasanti


Esperando por você
Susane Colasanti
Novo Conceito

336 páginas
☺☺☺☺☺  

É hora de iniciar o segundo ano do Ensino Médio, e Marisa está pronta para um novo começo e para seu primeiro namorado de verdade. No entanto, depois de o popular Derek convidá-la para sair, as coisas ficam complicadas. Além de seus pais se separarem e de Marisa ter uma briga com seu melhor amigo, o amor da sua vida — Derek — a deixa desapontada. As únicas coisas que mantêm Marisa são os podcasts de um DJ anônimo, o qual parece entendê-la totalmente. Mas ela não sabe quem ele é... Ou sabe?

Esperando por você não é um livro que tem como pano de fundo um assunto incomum e/ou surpreendente. É uma estória clichê, sobre as delícias e dissabores de ser adolescente. Estória que, assim que se lê a sinopse, se pode imaginar o final dela. Não só o final mas também o desenrolar. Só que a Susane Colasanti escreveu Esperando por você de uma maneira tão gostosa, que, por mais que seja possível imaginar o desenrolar da trama, a leitura não é enfadonha ou cansativa. É um livro que é fácil de ser lido.

Marisa é a narradora e a protagonista de Esperando por você. É uma adolescente de quinze anos, prestes a completar dezesseis anos e ingressar no segundo ano do ensino médio. O primeiro ano do ensino médio foi difícil pra Marisa, por motivos emocionais. Marisa tem distúrbio de ansiedade, e isso pode ser muito pesado em alguns momentos da vida. Eu que o diga. Essa característica da Marisa foi algo com que me identifiquei bastante. Porém, Marisa, depois de ressurgir das cinzas, por assim dizer, decidiu que esse ano, o ano que cursaria o segundo ano do ensino médio, seria um dos anos mais fantásticos de sua vida. Ela e sua melhor amiga, Sterling, prometeram isso uma a outra. Aliás, uma das promessas que fizeram uma a outra foi a de que elas precisavam arrumar um namorado. Certo, essa parte do livro, pra mim, uma solteira convicta, me soou meio desnecessária. Por que esse desespero pra ter um namorado quando se tem quinze/dezesseis anos? Aliás, pra que se desesperar por um namorado em qualquer fase da vida? Entretanto, lembrei: são adolescentes. Estão, apenas, sedentas por novas experiências, por serem amadas e desejadas. Então consegui ignorar essa parte desnecessária e não perdi a empatia por Marisa e Sterling.

Contudo, o ano não transcorre bem como ambas achavam que ia transcorrer. Há alguns encontros e desencontros nesse segundo ano do ensino médio de Marisa e Sterling, especialmente de Marisa. Encontros e desencontros que ensinaram a Marisa lições importantíssimas, que ela levará pra vida toda. Ela aprende que nem tudo acontece como se quer que aconteça. E mais: que às vezes se passa muito tempo procurando algo perfeito, quando na verdade tudo o que se precisa está bem perto de nós. Um perfeito imperfeito, um perfeito até melhor do que se idealizou inicialmente.

Hora de comentar sobre os personagens! Marisa, como disse anteriormente, é uma moçoila muito gente fina, que poderia ser facilmente uma grande amiga minha. Já disse que me identifiquei com ela? Pois é, me identifiquei bastante. Ela, como toda pessoa ansiosa, fica extremamente inquieta e com o coração aos pulos em situações importantes ou delicadas. Ela, como toda pessoa ansiosa, tem pensamentos repetitivos. Sabe quando não se consegue parar de pensar em uma determinada situação ou assunto? Pronto, nós, ansiosos, sofremos bem mais com isso do que uma pessoa sem distúrbio de ansiedade. E, principalmente, gostei do fato de Marisa não ser uma cabeça oca como uma pessoa adulta julga que uma adolescente seja. Claro que ela tem seus desejos tolos às vezes, não só como todo adolescente mas como também qualquer outro ser humano, e suas ideias são muito bacanas. Ela se mostra mais madura do que muita gente por aí. E o que falar da Sterling? Uma figura! Essa é outra que seria facilmente uma boa amiga pra mim. Ela é louquinha, inquieta, criativa e tem dotes culinários esplêndidos. Eu realmente gostaria de ter uma amiga como ela, pra cozinhar pra mim comidinhas deliciosas (sou daquelas folgadas que gostam de se aproveitar um pouquinho das amigas *risos*). Ah, o Derek é um carinha popular, perfeitinho (aparentemente), sonho de consumo das menininhas. Mas, na minha opinião, ele não é nada demais além de uma capa bonita e uma meia dúzia de ideias relativamente aproveitáveis. Já o Nash... ah, Nash, seu lindo! É o tipo de cara que não chama a atenção das meninas por seu jeito desengonçado e também por ser um nerd. Mas o que essas meninas não sabem é que por trás desse cara aparentemente desinteressante há um cara muito bacana, com ideias fenomenais, com uma inteligência acima da média, mas, especialmente, um cara com um coração muito bonito. Enfim, já deu pra ver que eu gostaria de ter um Nash na minha vida, não é? Já o DJ Dirk, de identidade desconhecida, encanta todo mundo com seu programa de rádio, desvendando segredos da escola de Marisa, disseminando seu bom gosto musical e auxiliando alunos que se encontram tristes e perdidos, lhes dando conforto, através de palavras sábias e bem colocadas. O cara é um amor! E esse cara, que Marisa não sabe quem é (será que não sabe?), é quem lhe ajuda, através do rádio, a atravessar alguns momentos difíceis de seu segundo ano. Não tem como não se encantar por Dirk! O pai de Marisa é um amor e não merece o que lhe acontece ao longo da trama. A mãe de Marisa não me cativou desde o início, a achei distante de Marisa, distante da família, concentrada em seu mundinho paralelo; mas ela se redimiu no fim do livro, então acho que não posso dizer que ela é uma víbora ou algo do tipo. E a irmã de Marisa, a Sandra? Uma comédia! Uma pré-adolescente das mais altivas que já existiu, metida a sabichona. Deixa Marisa no chinelo quando a questão é argumentar sobre qualquer assunto. Mas, apesar desse jeitinho altivo, ela é uma boa menina. A tia de Marisa, Kate, é o tipo de adulto que se entende com jovens, por ter o espírito livre, ser mais jovial, com ideias mais modernas. Ela é bem bacana. Acho que essa era uma das razões pela qual a Marisa tinha mais abertura para conversar sobre alguns assuntos com a tia do que com a mãe.

A capa é bem simples, mas tem tudo a ver com a estória do livro. E, mesmo sendo simples, é uma capa bonita. O verso da capa e a lombada são bem bonitas, bem trabalhadas e coloridas. Gostei bastante. As folhas são amarelas, o que facilita a leitura, e a fonte escolhida e o tamanho dela foram muito boas. Dá pra ler sem os “olhos reclamarem”.

Esperando por você é um livro muito gostoso. Eu dei cinco estrelas a ele (e ainda favoritei!), não sei por qual razão exatamente. Talvez porque o livro me ganhou em sua simplicidade. Talvez porque Susane criou uma protagonista que mexeu comigo e me fez lembrar de mim mesma. Talvez porque ela criou uma coisinha linda chamada Nash. Talvez... Sei lá, não sei, só sei que gostei muito do livro.

O livro é teen, mas eu não o indicaria somente aos adolescentes e aos jovens. Eu indico a quem desejar voltar no tempo, de se sentir, nem que seja um pouco, adolescente outra vez e sentir toda a nostalgia da época em que tudo era um tanto mais simples (ou não tão simples assim... *risos*).

Book trailer: 


• • • 
Pessoas queridas do meu coração, quanto tempo!
Olhem só, essa resenha está pronta há quase duas semanas. Ela deveria ter sido postada no dia 09/04, maaaas fiquei sem internet até o dia de hoje (ou melhor, ontem, porque já são quase uma da madrugada).
Segundo livro que eu resenho dos livros cedidos a mim pela Novo Conceito. Espero que gostem!
(...)
Gente do céu, comecei a cursar Biblioteconomia! Foi uma semana maravilhosa. Eu estava toda ansiosa, morrendo de medo de não ser bem recebida, de que as pessoas não simpatizassem comigo, que fosse uma turma desunida, etc, mas não foi nada disso. Foi massa demais. Galera acolhedora, não só da minha turma, como também dos outros períodos. Entrei no curso com a convicção de que era realmente o que eu queria e, depois de uma semana conhecendo mais da Biblioteconomia, é que essa convicção ficou ainda mais forte. Biblioteconomia é um dos melhores cursos que há.
Eu deveria fazer um post especial falando sobre essa primeira semana na UFAL. E vou fazer, certo, povo? Em breve volto aqui. Agora posso ter ideias e vir aqui transformá-las em textos. Já estava ficando enlouquecida sem internet no computador! Usava a internet do celular, mas não é a mesma coisa, certo? Não mesmo!
(...)
Porque a propaganda é a alma do negócio: curtam a fan page do blog e sigam no Twitter.
Um abraço da @ericona.
Hasta!

11 comentários:

  1. Nada como um bom clichê! A autora criou personagens que parecem comuns e que apesar de um desenrolar previsível, ela acaba reservando algumas boas surpresas... Ainda não li o livro, mas gostei da sua resenha.

    ResponderExcluir
  2. Sério confundi por alguns segundos com Marina Colasanti e levei um susto com o tema. :3 Parece gostoso de ler sem compromisso, mas é daqueles que eu só leria se encontrasse em PDF.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Também me inscrevi para o sorteio que teve desse livro no skoob, descobri que não tenho sorte... rs
    Parece mesmo ser um livro com uma história simples, livros assim me encantam, tanto que um dos meus favoritos é assim, simples e cheio de clichês.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Erica, querida, tudo bem?
    Meu anjo, desde que terminei a leitura eu imaginava que você também iria gostar. Acho que o fato de não ter esperado nada do livro, e ter lido de forma tão solta e despreocupada, foram aspectos suficientes pra que esse livro me ganhasse. Também lembrei de uma série de pontos da minha adolescência e fiquei lembrando desses pactos malucos que NUNCA davam certo rsrsrrs. Adorei sua resenha. Um grande abraço.
    Amanda Almeida
    Você é o que lê

    ResponderExcluir
  5. Adorei a sinopse, parece ser lindooo!! preciso ler ;)

    beijo

    ResponderExcluir
  6. Hum...estou com essa livro aqui em casa, Erica! Quero muito ler...parece ser uma trama envolvente e muito gostosinha mesmo de ler.
    Beijos!
    Paloma Viricio- Jornalismo na Alma.

    ResponderExcluir
  7. Érica que bom que está gostando do seu curso e que a turma é boa, mas dá esse medo mesmo, hehe! Adorei a resenha do livro, parece uma história bem gostosa de se ler, apesar de ser clichê, mas gosto disso, hehe :) beeijinhoos e uma boa semana :)

    ResponderExcluir
  8. Vou anotar esse livro. Se eu achar na feira do livro que começou hoje na cidade, talvez eu compre. Gostei da história, pois também sou extremamente ansiosa. Fico feliz que esteja gostando do seu curso. É muito bom fazer aquilo que se gosta.
    Um ótimo domingo.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  9. O livro parece ser bem interessante, ai minha adolescência! Haha
    Se quiser me dar de presente ta? kkk
    Bela resenha, um dom que não tenho!

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Gente, amei sua resenha. Me convenceu a ler o livro.
    Agora fiquei curiosa pra ver se a protagonista é tão legal assim.

    Beijos,
    Carissa

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?