19 dezembro 2010

Quando as palavras são dispensáveis...

Estavam as três ali. Sabiam que tinham muito o quê falar, mas as palavras não surgiam. Sorriam umas pras outras, brincavam, riam, mas o que diziam tinha valor momentâneo, coisa de segundos. E tudo o que queriam dizer? E tudo que pensavam? Olhavam-se e sabiam o que dizer, mas não se compreendiam ao transformar pensamentos em palavras. Independente de tudo, era divertido estar ali, as três procurando palavras sem sucesso, iguais no fracasso da missão, diferentes no modo de tentar não fracassar. Ah, quem as visse devia achar graça. Eu achava, você acharia. Não falavam nada, mas dali sairiam como se dissessem tudo.
Talvez, as poucas palavras que passavam por suas mentes pudessem causar vergonha quando pronunciadas. Porque eram, de mais a mais, apenas três jovens com ânsia de liberdade para falar o que quisessem e com vontades tão intrínsecas que conseguiriam alvoroçar quem as ouvissem – de repudia a loucura. Afinal, as pessoas prezavam os bons modos e as conversas ao pé do ouvido para não causar burburinhos. E elas tampouco se importavam se causavam quando se pronunciavam.
Elas falavam no tom que bem lhes aprouvesse. Elas falavam do que bem queriam. Elas falavam porque sabiam que tinha o direito de falar o que pensavam, o que sentiam e queriam. Elas não se limitavam às regras, aos bons modos e toda essa babaquice do jogo social. Elas simplesmente honravam os seus ideias. Mas, naquela tarde, os ideais, os sentimentos, os pensamentos e todo o resto que se passavam dentro delas era um misto de coisas, uma confusão tão grande, que sequer conseguiam formar frases, concluir pensamentos e definir o que era o quê no interior de suas almas grandemente belas. Elas estavam crescendo? Era isso? Estavam mudando conceitos, abandonando preconceitos e adquirido novas sensações que não sabiam nem adjetivar? Ou a vida é mesmo assim? Num dia, fala-se muito, fala-se de tudo e tudo; noutro, cala-se e delicia-se nos prazeres do silêncio, da observação e da reflexão? Aquelas três moçoilas estavam quase crentes que era assim. Nem sempre falar é indispensável. Nem sempre fala-se com palavras. Naquela tarde, elas falavam com sorrisos e olhares cúmplices. Amanhã... As palavras viriam amanhã. Elas sabiam que viriam.

(Ana Seerig, Bárbara Farias & Erica Ferro)


Vou ser bem sincera agora: acho que esse blog ainda sobrevive por causa dessas parcerias. Sério mesmo! Ando totalmente afastada das palavras. Não tenho conseguido me traduzir em palavras, transcrever o que eu penso em frases, em textos. Pois é, amigos, o blog se encontra ameaçado de extinção (leia-se blog deletado em breve, caso essa incapacidade de escrever não me deixar).
Mas e então! Dessa vez foi um texto escrito por três! Acho divertíssimo escrever com alguém. E hoje foi ainda mais divertido, por ter escrito o texto com duas amigas queridíssimas.
Bárbara e eu queríamos muito escrever algo, só não sabíamos bem o quê ou como; e a Seerig, como sempre muito inspirada, nos incentivou a escrever algo. E foi então que surgiu essa graciosidade de texto. Espero que gostem, que chorem, que se emocionem bastante e que nos aplaudam de pé (embora não vejamos nada disso, ficaremos muito felizes de saber dos relatos - usem os comentários para tal coisa -... *risos imensos*).
É isso. E até... bem, até um dia.
Um abraço da @ericona!
E quero presente de Natal. Falo mesmo.

28 comentários:

  1. Adorei a iniciativa de vocês duas em me convidar para conhecer o "lado obscuro das parcerias". rs O texto ficou bem-bom! Sem falar no papo divertido... Só não espere dinheiro, Ericona.

    Beijos
    :*

    ResponderExcluir
  2. Estamos levando mais uma pro mal caminho... nanana. Mas foi legal, não? Eu ainda não acredito que as três gurias que sabiam que tinham o que falar mas não falavam nada, conseguiram contruir isso. Enfim, parabéns pra nós.


    Ainda tô tentando entender como vocês me deram trela...

    E tu sabe qual é o esquema pra receber qualquer presente meu. Tu tem um mês.

    ResponderExcluir
  3. Num dia as palavras vêm,no outro elas nos dão uma folga.É assim mesmo,o silêncio têm o seu lado bom.
    Ah não gostei nada nada da possível extinção do blog Érica! Não desista do blog;as palavrãs virão,e você verá,que valeu á pena continuar som seu blog *.*

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Já disse e repito…
    Adorei!!!
    A parceria de vocês ficou fabulosa...
    Parabéns as três!!!
    Amei!!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. e faziam certo, tem que falar mesmo, principalmente se for sobre sentimentos qnd se sente..

    depois disso, o simples silencio se torna suficiente.

    :)


    www.euthiagoassis.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Eu adorei essa parceria.
    Adoro o que tem suas palavras erica, e não abandone o blog, persista... tente escrever de novo e tenho certeza que se surpreenderá ;)
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  7. Adorei o texto, e ache super legal isso de fazer parceria porque duas ou três cabeças pensam melhor que uma. Enfim... Seu blog é o meu preferido, não o abandone por favor. Essa coisa de não conseguir escrever acontece com todo mundo e vai passar, só leva tempo.

    "Devo ser um daqueles narcisistas que só dão valor às coisas depois que se vão. Eu sou sensível demais. Preciso ficar um pouco dormente para ter de volta o entusiasmo que eu tinha..." (Kurt Cobain.)

    ResponderExcluir
  8. Oi, Ericona! Feliz natal!

    Acabei de ler esse texto no blog da Babi, achei muito inetressante, bem representativo. Palavras não são tudo, cumplicidade sim é. E não é preciso dizer pra saber que ela existe, neh?

    Beijão no coração!

    ResponderExcluir
  9. O texto tem uma linguagem linda,pura e psicológica.
    Tenho certeza que talentos não se acabam.É só um momento.
    Bejocas

    ResponderExcluir
  10. Acabei de ler o texto colaborativo lá no blog da Ana e gostei muito, viu, Ericona?

    Beijo, beijo.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  11. Deixa o endereço para a gente mandar o presente. Mas não deixe o blog... precisamos de você. Eu e mais 397 pessoas pelo menos.

    ResponderExcluir
  12. Oi Erica, fico feliz que você conseguiu escrever (mesma que em parceria). Estou com a vista cansada agora, mas prometo que irei fazer questão de lê-la mais tarde.
    Tem selinho pra ti no meu blog, vim aqui pra lhe avisar isto.

    Imenso beijo.

    ResponderExcluir
  13. Erica,

    nem sonhar em extinção, ok ?!?! ...risos...

    vim deixar um beijo especial pelo Natal que se aproxima e desejar que 2011 seja mágico, cheio de realizações e de alegrias !!!

    amo vir aqui, e saio sempre enriquecida...

    salve o ano novo !


    carinho...

    ResponderExcluir
  14. Oi, Erica. Agora pude vir aqui com mais calma, ufa!
    Falando sobre a falta do que falar? rs Adorei a ideia de vocês tiveram.
    As músicas não ajudaram... não?
    Às vezes, como você mesma disse, o silêncio vem em nós fazer morada. E sabe que é no silêncio que se professam as mais belas palavras?
    Apenas peço que não exclua seu blog. Um dia irá querer ler teus feitos, querer rir do que pensavas, ver como cresceu e sua ideologia mudou.

    Um imenso beijo, Erica.
    Demore o tempo que quiser,
    deixem as palavras surgir, elas irão vir, você vai ver.
    E outra coisa, as parcerias são ótimas. Adoro.

    ResponderExcluir
  15. Palavras sempre vão encontrar o caminho que nos apraz, moça saudades de tua presença no meu cantinho...
    Que sejam ótimos teus festejos de fim de ano...

    ResponderExcluir
  16. Isso acontece de vez em qndo mesmo..
    Mas faz parte. hehe
    Mas não exclui não.. as vezes é tão bom ter um cantinho pra desabafar, pra contar as alegrias.. =)

    Boas festas pra ti.
    E que venha a inspiração.

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Por minha grande falta de jeito, mas com o desejo de também partilhar o espírito desta quadra, partilho de Vitorino Nemésio, um outro Natal,

    «Percorro o dia, que esmorece
    Nas ruas cheias de rumor;
    Minha alma vã desaparece
    Na muita pressa e pouco amor.
    Hoje é Natal. Comprei um anjo,
    Dos que anunciam no jornal;
    Mas houve um etéreo desarranjo
    E o efeito em casa saiu mal.
    Valeu-me um príncipe esfarrapado
    A quem dão coroas no meio disto,
    Um moço doente, desanimado…
    Só esse pobre me pareceu Cristo.»

    Com um sincero desejo de uma quadra plena,
    Um imenso abraço, Erica

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  18. eu achei perfeito, e sim, aplaudo vcs de pé... já é difícil uma pessoa escrever um texto, imagina 3?? eu, particularmente, não sou muito boa em dividir o mesmo texto... kakkakaka...
    e achei muito bom oq vcs falaram.. me identifiquei bastante.. xD
    bjinhussss

    ResponderExcluir
  19. falar nem sempre é necessário. Existem outras formas de comunicar-se que foge a qualquer pronúncia de simples palavras.

    Meninas, o texto ficou muito boom!
    Adorei! ;*
    Feliz Natal!

    ResponderExcluir
  20. OMG, adoorei o texto. Hihi, to com crises de temas, não de criatividade :P

    Nunca escrevi em conjunto, deve ser difícil, mas legal :P

    Espero que a sua criatividade volte e que o blog sobreviva :)

    Beijos :**

    ResponderExcluir
  21. Legal o conto,aí está uma parceria que deu certo! *-*

    ResponderExcluir
  22. Oi, Erica. Obrigada pelas palavras doces, menina!
    Muito pelo contrário, lembro de ter lido seu poema do P e ficou tão bom quanto o meu.

    ótimas festas a ti, garota.
    Muitas conquistas e sucesso no ano de 2011.
    Imenso beijo s2

    ResponderExcluir
  23. Adoro os seus textos de parceria, xará. E não se preocupe, as palavras tiram férias da gente, às vezes, mas elas sempre voltam.

    Beijos e Bom Natal

    ps: Não tenho presente para te dar, sorry!

    ResponderExcluir
  24. Sempre quis escrever textos de parceria, mas por uma razão ou outra, nunca dá certo.

    Adorei, querida. Feliz Natal.

    ResponderExcluir
  25. Feliz natal e um ano novo cheio de boas coisas....

    ResponderExcluir
  26. Érica,

    Você com tantos seguidores que te entusiasmam, elogiam, aplaudem de pé sempre(como eu) e até mesmo criticam...
    Pensando em desistir das palavras?
    Isso não existe.
    As pessoas condecoradas com o dom de escrever, de passar mensagens em forma de prosa/poesia não conseguem parar de escrever. Se tu fizeres isso, logo mais vai se pegar escrevendo em um caderno qualquer, até mesmo em guardanapos em mesa de bar.
    E vai sentir arrependimento. Porque as letras não vão desistir de você, mesmo se tentares.

    Normal se sentir assim,
    Com muita coisa pra falar e ao mesmo tempo impossibilitada de dizer qualquer coisa que agrade a você própria. Mas o tempo sempre nos ajuda,
    E em momentos como esse, de amizade, conseguimos encontrar fôlego e inspiração para escrever até um livro.

    Sempre adorei suas palavras, poesias, prosas e não vou deixar que isso acabe.

    Fique aqui, conosco.

    Beijos,

    Feliz natal.

    Atenciosamente,
    Rafael C. Cotrim.

    ResponderExcluir
  27. Uol, o texto ficou muito bom, adorei *-*
    voces escrevem muito bem.

    bjus =*

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?