19 outubro 2013

Filme: Intocáveis



Título: Intouchables (Original) / Intocáveis (Brasil)
Ano de produção: 2011
Direção: Eric Toledano Olivier Nakache
Estreia: 31 de Agosto de 2012 (Brasil)
Duração: 112 minutos
Classificação:Não recomendado para menores de 14 anos
Gênero: Biografia, Comédia e Drama
País de origem: França
Sinopse: Philippe, um refinado multimilionário tetraplégico francês, precisa de um auxiliar de enfermagem para o auxiliar nas suas atividades rotineiras.
O contratado é Driss, um senegalês que vive nos subúrbios de Paris, que acaba de cumprir uma pena de seis meses de prisão e que não tem qualquer formação para o cargo.


Sério, pessoas, digam-me se eu estiver errada ou doida: sábado é um dia preguiçoso e por si só pede que fiquemos quietos num canto, assistindo a um bom filme/série, não é? E hoje foi assim. Baixei séries, assisti séries e, no começo da noite, resolvi assistir a esse filme, que, pela sinopse e os comentários, me ganhou desde o primeiro momento em que eu tive ciência da existência dele.
Vejam bem, sem muitos rodeios, direi logo, assim, de cara, o seguinte: Intocáveis é um filme espetacular e eu quero muito que vocês assistam e me contem o que acharam dele. Na minha concepção, é meio que impossível não gostar desse filme. De coração, é impossível não se ver cativando por Philippe e Driss ao longo das cenas.
Como a sinopse diz, Philippe é um cara rico, muito rico, realmente riquíssimo, que, depois de um "acidente" (assistam e entendam o porquê do uso das aspas), ficou tetraplégico. Philippe era um homem muito difícil de lidar no que tange ao humor. Em termos populares, ele tinha um amor dos diabos. Um cuidador não passava duas semanas com ele, porque não aguentava os seus acessos depressivos e revoltados. Porém, eis que, numa das entrevistas em busca de um novo cuidador, ele conhece Driss. Ele não poderia ter feito melhor. Ter escolhido Driss, a despeito da sua falta de experiência como cuidador, do jeitão todo peculiar do senegalês (sem papas na língua, espontâneo ao extremo, doido, doidão e simplesmente encantador...), foi uma das coisas mais sensatas que Philippe fez nos últimos tempos. 
Mas enfim...  Eu não quero contar muito do enredo, porque acho que o ideal é cada um assistir e sentir o filme de uma maneira toda ímpar, toda única.
Contudo, preciso lhes contar, de maneira um tanto mais extensa, o que achei do enredo, dos personagens etc.
Sobre o enredo: impecável. Se é um filme que aborda um tema dramático? Sim, é, mas isso é colocado no filme de forma tão sutil, que não deixa o filme carregado de emoções dramáticas. Pelo contrário, em Intocáveis, a comédia toma conta e o drama fica ali, de escanteio, aparecendo só de vez em quando e com muito menos intensidade que a comédia.
Philippe e Driss, após se conheceram, ampliaram a visão que tinham sobre a vida, sobre o viver, sobre a amizade, sobre o amor. Philippe mostrou a Driss um outro mundo, um tanto meio diferente do dele, com um tanto mais de requinte e luxo, mas que também tinha seu valor e seu encanto. Já Driss reapresentou Philippe a vida. Driss impulsionou Philippe a ter coragem de viver, apesar dos seus traumas, das suas dores, dos seus resguardos. Driss e Philippe reaprenderam a viver, ambos à sua maneira, adicionando distintas experiências em suas bagagens de vida, mas igualmente especiais e louváveis.  
É um filme sobre amor. Sim, sobre amor. Amor romântico, amor fraterno. Amor, em sua imensidão e perfeição.
É um filme para chorar de tanto rir. 
A vida é divertida, essa é a lição. Ela só espera que nós saibamos aproveitar o melhor dela. E ao lado de amigos, claro, porque amigos dividem dores, multiplicam risos, maximizam alegrias, colorem a vida. Do nosso modo, do modo que pudermos, mas que a aproveitemos. De preferência, ininterruptamente. 
O que importa, o que verdadeiramente importa hoje, amanhã e sempre é viver. Viver. V.i.v.e.r.
Vivamos, pois!

Trailer:



• • • 
Depois de assistir, fui pesquisar sobre o filme. O que descobri:
• Intocáveis é baseado em fatos reais (isso é informado logo no início do filme), mais especificamente na autobiografia - "Le Second souffle" - de Philippe Pozzo di Borgo (essa foi a minha descoberta);
• Em Portugal, o título do filme é "Amigos Improváveis". Um título interessante, de fato;
• Foi o filme mais assistido na França em 2011 e o mais lucrativo de toda a história do cinema francês;
• Philippe Pozzo, com a venda dos direitos autorais de seu livro para adaptar sua história ao cinema, arrecadou cerca de US$ 650 mil, e doou toda essa quantia a uma associação que auxiliam deficientes físicos (não foi especificado a localidade da associação, mas creio que seja na França);
• Todas essas informações foram colhidas na Wikipédia (link aqui), por isso não posso confirmá-las. Se tudo for verdade, puxa vida!, que bacana.
• • • 
Notinha de sempre: Nem demorei a aparecer, concordam? Okay, demorei um pouco. Nem direi que volto logo, mesmo que essa seja a pretensão. Melhor contar com os imprevistos do que com as certezas, certo? Mesmo porque qual certeza temos nós, meros mortais? De que morreremos, apenas.
Portanto, tratemos de viver na máááxima potência.
(...)
Pedido de sempre: deem um like na fan page do blog e sigam no Twitter, fechado?
(...)
Um abraço da @ericona.

11 comentários:

  1. ahhh eu me apaixonei por esse filme! entrei no cinema achando que seria um filme normal, sem nada de 'ÓÓÓ, que lindo', mas me enganei: é maravilhoso!
    me diverti muito vivendo as aventuras deles e também me emocionei bastante.

    beijossss Erica!

    www.pe-dri-nha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá Érica! Gostei da resenha desse filme, não conhecia...parece ser muito bom. Gosto de tramas que mexem com as nossas emoções. Filmes que fazem rir e chorar geralmente são meus preferidos.
    Beijos!
    Paloma Viricio-Jornalismo na Alma.

    ResponderExcluir
  3. olá Érica ainda não vi esse filme, infelizmente falta tempo pra ver tantos filmes bons!
    vim te contar a novidade! vc foi a ganhadora do concurso cultural eu amor romances lá do meu blog! por favor envie seu endereço em até 3 dias para o email: thailaoliveirasouza7@gmail.com para ter direito ao prêmio!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu sou apaixonada por esse filme. É de uma sensibilidade ímpar. Adorei a sua resenha, pois fez jus ao filme. Interessante as curiosidades. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Oie, vim visitar e seguindo =)
    não conhecia esse filme, gostei da proposta e espero ter a oportunidade de ler em breve.
    Beliscões carinhosos da Máh-
    Cantinho da Máh
    @Maaria_Silvana

    ResponderExcluir
  6. Olá.
    Ah, esse filme parece ser muito bom mesmo, estou muito curiosa para assistir. Que bom que você gostou :)

    Beijos, Vanessa.
    This Adorable Thing

    ResponderExcluir
  7. Eu nunca tinha ouvido falar desse filme!
    Parece ser super bacana...
    mas admito que estou meio sem paciência para filmes ultimamente, fui tentar ver um esses dias e desisti na metade do filme!
    Beiijos,
    Paula
    http://psicosedaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Poxa, achei bacana. Mas não procuro muito filmes, mais fácil eu assistir quando vir passando na Tv.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Enfim depois de milênios resolvi assistir a esse filme. Que história impecável, emocionante, linda demais!!! Você ri e chora!!! Me emocionei!!!

    ResponderExcluir
  10. Eu já tinha ouvido falar desse filme, mas ainda não tinha parado para ler nenhuma resenha sobre ele.

    Gostei muito da sua resenho, pois ela ta bem emotiva, da para perceber que você adorou o filme e quer compartilhar isso conosco. Vou ver sim!!!

    Bjs, @dnisin
    www.seja-cult.com

    ResponderExcluir
  11. Ei Erica,

    Eu ainda não assisti, mas tenho vontade de ver este filme. Realmente, é ótimo ficar o final de semana assim de preguiça, mas eu normalmente tenho coisas do blog para fazer antes e quando vejo o dia já voou rsrs.
    bjs

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?