25 junho 2011

Das histórias revoltantes

Eu ando pelo mundo
Prestando atenção
Em cores que eu não sei o nome
Cores de Almodôvar,
cores de Frida Kahlo, cores...
(Esquadros - Los Hermanos)


Quando não me encontro mergulhada em meus próprios pensamentos e devaneios, ando atenta ao que acontece ao meu redor. E olha, tem um bocado de histórias na minha caixinha de recordações, de hilárias a inacreditáveis, de loucas a impossíveis, de engraçadas a revoltantes.
A história que contarei está no compartimento das histórias revoltantes.
Estava num determinado lugar, lendo, quando escuto a seguinte conversa:
- Cara, tu tá indo muito devagar com fulana, sabia? Deixei vocês sozinhos (em tal canto) e tu nem beijou ela, não fez nada. Sim, ela me disse. Ó, a gente é acostumada a ficar até com homens mais velhos, que "marcam mais em cima", que chegam chegando mesmo, sabe? - diz uma "coisinha" muito da exibida e metida.
- Er... Não quis beijá-la ali, não era o lugar certo. Poderia chamar atenção, alguém poderia reclamar... - responde o rapaz, todo tímido e sem jeito.

* * *

E o rapaz tinha razão. O local não era mesmo propício para beijos e amassos, creiam. E sim, havia a possibilidade de reclamações.
Não posso esclarecer muito do caso, porque sabe-se lá quem pode ler isso aqui, não é? Até porque o foco dessa postagem não é exatamente a conversa, o cenário que a mesma se passou ou os personagens dela.
Na verdade eu quero focar na seguinte questão: "Por que as pessoas vivem tentando mudar as outras?"
Não se satisfazem com o seu jeito de pensar e de ser. E, meu Deus, por que existem pessoas que mudam só pra agradar as outras, sem ao menos criticar o porquê de estarem mudando? Por quê?
Eu senti uma imensa vontade de dizer: "Cara, aja do modo que quiser. Se você gosta de ser assim, mais quietinho e paciente, continue assim. Não mude porque uma devassa acha que você é "mole", sem iniciativa. E você é muito fofinho, sabia? Me passa o número do seu telefone, ou e-mail, ou qualquer coisa assim."
Certo, não falaria as duas últimas orações, foi só pra descontrair. Mas é sério, tenho uma raiva enorme de quem dita regras, de quem tenta impor a sua vontade a qualquer custo. E tenho uma profunda pena de quem cede à pressões desse gênero. Eu nunca... ops, nunca é uma palavrinha forte, não é? Tudo bem... Eu não cederia a esse tipo de pressão. Se eu fosse o cara da história, diria: "minha amiga, se tu não gosta de mim assim, com esse jeito pacato e tímido, ó: procura outro."
É, povo, às vezes fico me segurando pra não me meter na conversa alheia. Há coisas que a gente ouve que, sinceramente, não dá pra fingir que não ouviu, entende?
Me digam, vocês já passaram por coisa semelhante? Já sentiram um desejo quase que incontrolável de meter o bedelho no papo alheio? Ou não controlaram o desejo e acabaram se metendo na conversa dos outros? Como foi? Me contem tudo! Quem sabe a experiência de vocês me motive a comprar briga dos outros numa próxima vez.

(Erica Ferro)

10 comentários:

  1. Ah eu nunca quis me meter na conversa alheia,quer dizer,já sim,mas foi quando uma mãe brigava com a filha,e eu achei uma injustiça ela maltratar a filha daquele jeito..Enfim,não tem muito a ver com o que você falou,rs.

    Mas sou assim também Érica,de não entender o por quê de algumas pessoas quererem mudar as outras e já outras pessoas mudarem pelos outros só pra agradar --'

    Ah,como sempre,seus posts muito bem escritos,gostei da mensagem que quis passar =D

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Gostei dessa história, Erica...

    Ela é muito legal, às vezes também me sinto como você.

    Abraços e fica com Deus!

    ResponderExcluir
  3. Não tenho coragem, admito.. já comprei brigas alheias várias vezes, mas só nos caos de amigos meus... se hj em dia parei com isso, com estranhos que não me meto.. hj em dia tem tanta gente sem paciência que vai logo metendo tiro pra td lado... prefiro ficar na minha... revoltei no dia que um grupo de homens no ônibus tavam falando da menina que engravidou no neymar.. ai o kra falou: "ah, se fosse minha irmã, eu empurrava e deixava ele fazer o q quisesse com ela... imagina, engravidar do kra?? tudo de bom.."
    nojooo...
    bjsss

    ResponderExcluir
  4. Destacaria de tal situação não apenas a questão de mudar os outros, mas essa dependência das pessoas de sairem se pegando por aí...

    Quer dizer, vou repetir o que já te disse mil vezes, por que diabos as pessoas tem que achar que prova de felicidade é sair se agarrando com o primeiro ser que aparece? Putz, vão se catar...

    Aí se originam os relacionamentos fracassados, essa dependência de ter alguém pra chamar de seu, digamos assim, sem nem se importar muito quem essa pessoa seja...

    Enfim, esse é um dos assuntos que me agitam terrivelmente, melhor me calar aqui.

    Belo texto, bela observação... E tu não é a única a observar o povo em volta...

    ResponderExcluir
  5. Eu nunca comprei briga de ninguém, o máximo que eu faço é comentar sobre o tal acontecimento, mas se isso me intregigar muito, ai sim, ai eu me meto...
    Mas eu acho que você deveria ter falado estas palavras com ese menino timido, oras bola, este é o jeito dele, um jeito que um dia será valorizado.
    Tudo bem que eu ache que sempre que mudamos é para melhor, mas o menino desta situação não deve ter gostado nada do comentário do amigo, que coisa, não? rs.

    ResponderExcluir
  6. Creio que nunca me intrometi num problema de outra pessoa. Porque acho que não ia gostar muito se fizessem isso comigo.

    ResponderExcluir
  7. Em vários momentos isso acontece comigo, mas, como dizem que é "feio" se meter na conversa dos outros eu acabo não me metendo.
    O bom é que as vezes, a gente pode pegar esses casos e escrever sobre eles, dizendo tudo aquilo que a gente queria ter dito na hora.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Além do desencontro natural, sempre tem alguém pra dar um palpite furado.

    É dose, né, Erica?

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Morrer é terrível. E não apenas pelo sofrimento, inevitável, que ela traz aos nossos, mas principalmente porque, por mais difícil que seja viver, é uma oportunidade como poucas. Existir, pensar, sentir, e principalmente sentir... Desconheço algo melhor que viver. Teu sonho foi horrível, fiquei angustiada, mas ainda bem que dos sonhos (inclusive os ruins), a gente sempre pode acordar.

    ResponderExcluir
  10. OS POETAS
    Como afloram os sentimentos
    Nos poemas que se faz,
    Transmitem em todos num só momento
    A paixão que agente traz.

    Decantamos a beleza e o amor
    Para levar ao mundo; humildade, carinho e paz.
    Aliviar no povo seu sofrimento e dor
    Dando a ele um novo alvor.

    Nesse mundo de desafetos
    O homem não pode continuar
    Nós, Poetas, podemos colaborar,
    E da transformação podemos participar.

    Esse dom que recebemos
    Não é para ser guardado
    E sim, para ser exteriorizado.
    A nós ele só foi emprestado.

    No plano em que vivemos
    Cada um tem sua missão.
    Infelizmente! Alguns levam o ódio
    Ah! Mas o Poeta! Leva o amor ao coração.

    ResponderExcluir

Fico feliz que tenha visitado o Sacudindo Palavras! Sempre que sentir saudade, volte. Será muito bem-vindo (a).

E então, quais as palavras que você irá sacudir?