14 fevereiro 2012

The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore

The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore, produzida pelo ilustrador Wiliam Joyce e co-dirigido por Brandon Oldenburg, é uma das animações em curta metragem indicada ao Oscar deste ano. A história é inspirada no furacão Katrina, O Mágico de Oz e em Buster Keaton, notável ator e diretor de comédias mudas, tido como o grande oponente de Charlie Chaplin no cinema mudo.



Conheci esse curta através de uma facebookada da Jaci, do blog Uma Pandora e sua caixa. É uma animação de uma beleza tão singular, tão doce, tão tocante. Eu diria que tem o poder de fazer cócegas no nosso coração.
O homenzinho da animação, Mr. Morris, dedicou toda a sua vida aos livros, pois sempre soube do poder transformador deles.
Livros dão cor à vida das pessoas. As histórias retratadas neles nos permitem embarcar em viagens fantásticas. E como é gostoso viajar nas asas de uma boa leitura, não é mesmo?! Como é maravilhoso ser acarinhado por uma frase de um livro! Como é mágico se identificar com um personagem de um livro! Como é delicioso ler!
Mergulhar na história de um livro é facílimo: esqueça o mundo a sua volta, liberte a sua mente de todo e qualquer preconceito, se disponha a desbravar outros mundos, a conhecer e até mesmo se sensibilizar com histórias que você nunca ousou imaginar, a abrir os seus horizontes. É fácil e, ao terminar a leitura, a sua visão sobre o mundo e sobre si mesmo não será mais a mesma. Nunca mais será a mesma. E que bom, por que o que seria da vida sem as incríveis descobertas diárias? Seria algo tão monótono e triste! A graça da vida estar em surpreender e ser surpreendido. Está em se deixar transformar por coisas tão formidáveis como a leitura. Está em dar cor à vida, seja a sua ou a de outra pessoa que esteja num mundo particular todo cinza e tristonho.

* * *
Pessoinhas, não deixem de ver o vídeo, please.
Não se espantem pelo tamanho do vídeo, porque, vejam, eu, que tenho uma internet extremamente ruim, consegui ver a animação.
Apesar de ter 15 minutos de duração, o vídeo carrega rápido.
Vejam, vejam, vejam! Vocês não vão se arrepender.
Deixem nos comentários o que acharam de Os fantásticos livros voadores do Senhor Lessmore.
(...)
Esqueci de avisá-los na postagem anterior que a semana passada foi especial no Gurias Arretadas: as gurias se entrevistaram. Fui entrevistada pela queridona da Rebeca Postigo (entrevista aqui) e entrevistei a paulistana Dayane Pereira (entrevista aqui). Querem ler todas as entrevistas? Então cliquem aqui.
Um abraço da @ericona.
Hasta!

12 fevereiro 2012

♫ All You Need Is Love ♫

All you need is love
All you need is love
All you need is love, love
Love is all you need

Não, eu não me acostumo a esse mundo caótico e desumano. Não, eu não entendo o que leva pessoas a agirem brutalmente umas com as outras sem nenhum motivo aparente. Por que tanta violência? Para quê tanta tirania? Qual é a razão para tanta insensibilidade?
Falta amor nesse mundo? Não é que falte amor, porque amor não se dá em fonte ou algo assim, ou seja, não é algo esgotável. O amor simplesmente brota. Brota nos corações daqueles que se dispõem a amar. O amor pode desabrochar nos lugares mais imprevisíveis e nos corações mais improváveis. O amor transforma as pessoas. Basta que se queira ser transformado pelo poder do amor.
Sabe o que realmente falta? Vontade de amar. Falta interesse em dar um pause na própria vida, olhar para dentro de si mesmo e se enxergar de verdade. Falta vontade de olhar em volta e enxergar as pessoas e situações como de fato elas são. Falta calma para conhecer a si próprio, ter um franco encontro consigo mesmo, limpar a bagunça de sua alma e finalmente ser capaz de se amar, se entender e se respeitar. Falta paciência para entender as necessidades alheias e respeitar as estranhezas dos outros. É curioso e quase engraçado como as pessoas querem tanto sarar as enfermidades do mundo e solucionar os problemas alheios, que esquecem de olhar para si mesmas e, assim, perceber que pelo menos uma parte da parte da parte (...) do caos é causada por elas mesmas. Algo me diz que se cada um tentasse corrigir os próprios defeitos, suprir as suas próprias falhas e, só depois disso, pensar em apontar as imperfeições dos outros, o mundo seria um lugar bem menos conturbado e até mesmo feliz. Sabe aquela frase clichê que diz "A mudança começa em nós mesmos"? Então, ela é totalmente verdadeira, clichê, mas verdadeira.
Precisamos nos visualizar primeiro, enxergar cada qualidade que temos e cultivá-las; identificar cada falha e consertá-las tão logo for possível; perceber a nossa verdadeira beleza, que vai muito além do físico, e nos cuidar, nos amar. Feito isso, olhemos para quem está ao nosso lado, estendamos a mão a quem necessitar de nossa ajuda, amparemos aos oprimidos, lutemos por tempos mais justos para todos os povos. Amemos, porque amar é cuidar, é resguardar, é querer bem, é se compadecer, é... simplesmente amar.

Erica Ferro

*



*



*Texto escrito especialmente para
a blogagem coletiva do blog da Aleska.
Participem vocês também! :D

***
Texto ultra romântico e até certo ponto utópico, mas foi isso que saiu hoje dos meus dedos. Simplesmente saiu, fui escrevendo sem muito pensar, sem muto analisar. Simplesmente brotou.
Acompanhem os posts do Gurias Arretadas.

Um abraço da
@ericona.

Hasta!