27 janeiro 2009

A insensibilidade pairando no ar;

Sensibilidade: coisa cada vez mais escassa. O mundo anda muito superficial. Acabou se esquecendo do que é real e essencial.

Todos os dias posso notar a insensibilidade no olhar e nas ações das pessoas. Elas andam sempre muito apressadas, ocupadas, centradas em si mesmas. Ser centrado em si mesmo não é todo o problema, mas é preciso abrir a mente e os olhos para todos os lados. Enxergar a realidade e a essência das coisas deve ser algo primordial em nossas vidas.

Vejo pessoas correndo de um lado para o outro. Preocupadas em chegar pontualmente aos lugares. Preocupadas para não se atrasarem no trabalho, para não serem demitidas. Preocupados com o horário daquela reunião de amigos, naquele bar onde as melhores farras acontecem. Preocupadas em não se atrasar, para que as pessoas ou a pessoa que estará te esperando não se decepcione com elas. Se preocupam em demasia com a opinião alheia, do que as outras pessoas vão pensar delas. Cuidam do seu lado externo, aparência. Gostam de passar uma boa impressão. Parecem ser os ser humanos perfeitos aos olhos de quem vê. Só que "o essencial é invisível para os olhos". Talvez nos preocupamos desnecesseriamente com certas coisas.

Chegar pontualmente aos horários, ter uma boa aparência, se preocupar com o exterior não é mau. O que é mau é esquecer do essencial. Esquecer de você mesmo, do seu interior. Não adianta cuidar de uma coisa, e se descuidar de outra. Devemos ser a capa e a contra-capa. Que o que somos interiormente possa ser refletido exteriormente. Que você não apenas aparente ser algo, mas que você seja o que aparenta ser.

Uma das mais belezas mais verdadeiras é a beleza natural, e que raramente nos damos o privilégio de contemplar, de cuidar. Você já viu o céu hoje? Viu como ele é lindo e perfeito? Viu como as nuvens passam bem lentamente no céu? Você ouviu o som das ondas do mar hoje? Não?! É um dos sons que mais acalma a alma de um ser humano atordoado. Há tanta beleza nesse mundo, estão ameaçadas, justamente pela insensibilidade, descuido e ganância humana. Mas nunca é tarde para mudar, para cuidar. Cuide de você. Trabalhe sua paciência, sua tolerância, sua inteligência. Cuide da sua qualidade de vida. Cuide de quem você ama. Passe mais tempo com as pessoas que lhe faz bem. Escute, e não apenas critique as outras pessoas. Passe mais tempo contemplando a beleza do céu do que discutindo sobre se você tem rugas ou não.

Se importe e priorize o que realmente é necessário, real e essencial. Abra o leque da sua sensibilidade. Veja a verdade. Feche o leque da superficialidade. Desligue a TV. Converse com você. Seja seu melhor amigo, se preciso. Reveja suas ações, seus medos e rancores. Seja limpo e realmente bonito. Aja com calma nos momentos atribulados, não se precipite.

Para finalizar, deixarei uma frase do livro "O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry":

"Quer se trate da casa, das estrelas ou do deserto, o que faz a sua beleza é invisível!"

(Erica Ferro)